Pular para o conteúdo principal

Etapa Inverno do Circuito das Estações/15: meu melhor tempo do ano nos 10 km

Toda corrida tem sua história e está não foi diferente. No último domingo em meio aquele mar de gente vestindo azul larguei para meu desafio de 10 quilômetros.

Era uma bela manhã de céu azul, temperatura amena e sol no Rio de Janeiro. Às sete da manhã já era possível perceber que o Circuito das Estações seria como em anos anteriores com milhares de corredores a atravessar o Aterro do Flamengo. Apesar de correr há cinco anos eu estava ansioso com a prova. Foram quatro meses de treinos para chegar até aqui. Eu queria saber o quanto evolui neste período, após um 2014 sofrível. Para controlar a expectativa participei do aquecimento junto com amigos e depois seguimos para área de largada.
Um esquema de currais foi montado para distribuir os corredores em quatro grupos: Quênia (para os mais rápidos), depois azul, verde e por último o branco. Este tipo de organização traz mais segurança a largada, pois diminui a chance de pessoas mais lentas bloquearem o caminho e acabarem sendo atropeladas por outros mais rápidos. Orientados pela equipe de apoio a maioria das pessoas respeitou a divisão por ritmo, mas um ou outro com seus fones de ouvido e fingiram não entender o que o staff da prova lhe falava para avançar no grupo que não pertencia. Paciência.
 
Momentos antes da largada. Uns 2 mil a frente e uns 10 mil para trás
Os momentos que antecederam a prova serviram para verificar o Garmin e desejar boa sorte aos amigos. Era hora de saber se eu superaria os 58'59" realizados em março. O corredor virtual do Garmin estava preparado para ser meu coelho. Tentei me concentrar no objetivo e tentar não incorrer no erro de largar muito forte.
Às oito horas a sirene tocou e a sorte foi lançada. A primeira boa notícia foi perceber que a divisão por ritmo funcionou, pois tive poucos problemas com ultrapassagens. Fechei o km 1 mais rápido do que o planejado, mas dentro do esperado. A meta era me manter na zona 3 de esforço até o final da primeira metade da prova, para garantir energia para o final da prova. Com uma média de 5'30"/km eu sabia que estava bem mais rápido que o corredor virtual. Tentei controlar a euforia, pois os meses de treino prevaleceram sobre a asma que me tomou nas últimas semanas. Segui rigorosamente o plano e me mantive na zona 3.
Avistar o reluzente prédio da Peugeot-Citroën foi motivo para verificar o monitor cardíaco e ensaiar o retorno. Metade da prova estava sendo comprida dentro do esperado e o corredor virtual uns 300 metros atrás. Procurei o melhor posicionamento em meio ásia corredores e fiz a volta em direção ao Monumento dos Pracinhas.
Me animei ao ver o Garmin marcando 27'15" ao completar os primeiros 5 km. Minha melhor marca do ano para os 5 km, mesmo sendo a passagem para os 10 km. Seguindo o plano no km 6 comi uma paçoca para repor energia e comecei a apertar o ritmo. Gradativamente vi o Garmin avisar que eu avancei para 4,5 na zona de esforço e ali tentei ficar. Não queria quebrar e o melhor tempo do ano já estava garantido. Nos pontos de hidratação eu pegava dos copos, sendo um para jogar na cabeça e nas pernas e o segundo para beber. A água gelada regulava a temperatura e me permitia manter o ritmo.
O contorno do Glória, apesar de longo traz certo desgaste por conta de um aclive. Foi o momento de dificuldade da prova, depois foi curtir a grande reta, contornar os arredores do Catete para ouvir a música eletrônica. A felicidade era grande que havia sobrado energia para o sprint final. Terminei com o Garmin berrando, pois cheguei a zona de esforço 6 para fechar a prova em 54'58"! (27:42 na segunda metade) Melhor tempo do ano. Durante vários momentos nos treinamentos achei que este seria o tempo a ser alcançado, mas tive receio de criar expectativas por conta da crise de asma que tive há duas semanas.

Impressões do evento
Eu ainda tentava recuperar o fôlego do sprint, mas percebi que água era o que não faltava na zona de dispersão. Sem pressa avancei para distribuição de isotônico. Depois, como esperado, para a mesa com boas frutas. De medalha no peito fui ao encontro dos amigos.
A camisa era tudo que parecia. Confortável e de excelente qualidade.
A O2 mantém seu espaço reservado para os assinantes da revista
Os assinantes ganham pulseiras para garantir seu livre acesso a área que possui uma mesa de frutas e alguns outros quitutes, massagistas e banheiro exclusivo. É um conforto a mais para quem se torna cliente fidelizado da organizadora da prova. Vale ressaltar que o benefício se estende a todas as provas da O2. Vivi esta experiência e posso afirmar que é bom ter este conforto.
E para acabar...
A escada do Monumento dos Pracinhas se tornou o ponto de encontro do grupo. Trocamos impressões da prova e tiramos a tradicional foto da vitória antes da despedida. Agora é replanejar, treinar e definir a próxima corrida.
Boas passadas!

Comentários

  1. Que legal, hein André, está voando!!
    abs
    Sergio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está sendo uma viagem no tempo, meu amigo. Mais alguns meses e começo a acreditar que consigo completar uma meia abaixo de duas horas novamente.

      Obrigado pela presença.

      Abraço

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…