Pular para o conteúdo principal

Um novo ciclo de 14 semanas

Não lembro se foi o Vanderlei ou se foi o Marilson, mas ambos em algum momento ratificaram a importância de se ter provas-alvo no calendário anual. Inúmeros periódicos também já publicaram matérias sobre este assunto e recomendam um número limitado de participações.
Os ciclos de treinamento são muito importantes, pois protegem sua musculatura e gradativamente aumentam seu condicionamento. A palavra chave para tudo isso é o gradativamente. Desta forma você se fortalece sem provocar desgaste excessivo ao corpo. Mesmo as planilhas genéricas oferecidas nos sites especializados obedecem a uma curva de intensidade. Começa-se com baixa intensidade e gradativamente esta vai aumentando. Às vésperas da competição os treinos tem redução de intensidade para preparar sua musculatura para o grande dia.

Condicionamento é tudo
Quanto maior for sua regularidade, maior são as chances de você aumentar sua resistência e velocidade. Foi assim no primeiro ciclo de 10 semanas para a Athenas 10K. O sucesso foi ratificado no segundo ciclo (com 16 semanas) para a Etapa Inverno do Circuito das Estações. O terceiro, com 14 semanas, será para o Desafio Boost RJ 2015.
Gosto de treinar. Gosto de correr. As provas são apenas a celebração destes ciclos.

Preciso falar das zonas de esforço
No relato da Etapa Inverno, fiz questão de falar das zonas de esforço, pois estas refletem seu nível de esforço. Esta escala, comumente com 5 níveis descrevem as seguintes zonas de esforço:

De 0 a 1: Caminhada ou aquecimento
De 1 a 2: Corrida leve ou controle de peso
De 2 a 3: Corrida moderada ou aeróbica
De 3 a 4: Corrida forte ou anaeróbica
De 4 a 5: Máxima intensidade

Vou lhe contar uma verdade universal: quanto maior o nível do esforço menor é o tempo que você consegue permanecer nele. Infelizmente é assim. Desta forma, o condicionamento é o diferencial para o bom desempenho. A zona aeróbica é o "melhor" local para os corredores de longa distância. Nesta zona foi onde consegui manter o ritmo sem sacrifícios. A parte boa é que com o tempo, vem o condicionamento que lhe permite ficar mais tempo nesta zona. Ao praticar uma corrida forte (de 3 para 4) você começa a consumir suas reservas mais rapidamente e a conta vai chegar. Por isso é importante saber dosar o ritmo de uma prova, mas isso acontece com o auto-conhecimento. Existem algumas coisas que podemos fazer para ajudar o corpo a manter o ritmo. A hidratação e o resfriamento são ações simples que podemos tomar durante a prova. Molhar o corpo, e principalmente a cabeça, com um copo e beber um segundo.

É isso. Queria compartilhar com vocês alguns pensamentos e a importância do planejamento.


Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…