Pular para o conteúdo principal

Meu Garmin não sincroniza(va) com os satélites

Hoje vou contar como quase condenei meu parceiro preferido de treinos.
Como comentei nos últimos posts, fiquei bastante tempo parado e recomeçar não foi fácil. Não posso dizer que a amnésia foi completa, mas perdi o jeito da coisa. O primeiro obstáculo foi meu Garmin FR 610, que não queria mais saber de sincronizar o GPS com os satélites. Não que eu seja um completo neurótico com números, mas acompanho a quilometragem dos meus tênis a partir do registro dos treinos. O motivo? Em 2011 tive uma bursite no quadril (leia clicando aqui), mal que não desejo a ninguém. As teorias para o desenvolvimento da lesão são poucas, mas dentre elas estão a perda de amortecimento do tênis e o excesso de esforço no semestre. A primeira tese depende de controle sobre o equipamento e a segunda de bom senso. Como não darei chance para empolgação novamente, voltemos as atenções para primeira teoria e a importância do GPS do meu Garmin nela.

Sem GPS, sem quilometragem. Tentei até me virar com um aplicativo no smartphone, mas a margem de erro frequentemente era grotesca. Então fui pesquisar na Internet uma forma de recuperar a saúde do meu velho FR 610. Rodei... rodei... e rodei... e nada além de um procedimento muito sem graça na FAQ da Garmin. Tentei os 2 resets para restabelecer as configurações de fábrica e nada. Fui chorar no WhatsApp, no velho grupo de corrida, na esperança dos bons e velhos amigos apontarem uma solução. Dito e feito. O compadre Gláucio, hoje triatleta, me contou alguns segredos dos Garmin. Vou resumir nossa conversa nos itens abaixo:

(1) Se o Garmin ficar muito tempo desligado, ele "esquece" as localizações previamente registradas e demora a sincronizar.
(2) O Garmin não gosta de ser desligado. Parece que ele perde algo e também demora a sincronizar.
(3) O reset (falo do hard reset ou do lap/reset) limpa tudo. Limpa a memória bugada, mas também limpa a memória boa, perdendo as localizações previamente registradas e faz demorar a sincronização.
(4) Deixar acabar a bateria (coisa que deixei acontecer apenas 1x) cai na mesma situação do desligar o Garmin, que leva a perda das localizações previamente registradas e faz demorar a sincronização.

O maior desafio foi conseguir com que ele sincronizasse. Só precisava que ele o fizesse uma única vez. Precisei de 1 hora e um belo passeio de ônibus para o temperamental Garmin encontrar um spot para falar com os satélites. Desde então não o desliguei mais e a comunicação com os satélites tem sido inferiores há 5 minutos.
Tá aí dica. Espero que seja útil para você também.
Vamos em frente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…