Pular para o conteúdo principal

Adidas Verão

Acordo com meu filho reclamando seu desjejum. Ainda está escuro, mas não tive problemas para levantar, afinal ontem foi dia de dormir mais cedo. Com o rebento alimentado, comecei os preparativos para a prova. Comi e em seguida acordei minha esposa, que debutará no Circuito também. Ao arrumar os alfinetes para o número de peito um pensamento me veio a cabeça. Se meu número é dez mil e bláu e o dela cinco mil e lá vai muito, teremos mais de quinze mil pessoas no evento. Loucura! Alguns problemas já foram sentidos em nível de organização. No Orkut tem gente reclamando que não conseguiu pegar o Kit, pois havia se esgotado.

O dia amanhece e o céu está praticamente limpo! A temperatura deve estar acima de 25ºC e ainda não são sete da manhã. Apesar do horário ainda enfrentamos trânsito até chegarmos ao Aeroporto Santos Dumond e depois dali foi só caos. A sorte é que encontrei um local muito bom para estacionar o carro e continuo torcendo para os neófitos não descobrirem aquele cantinho do centro do Rio. Faltavam vinte minutos para o início da prova e não dava para fazer muito mais coisa além de levar a sacola para o guarda volumes, pegar o chip e pegar um iogurte no estando do Clube O2 para dar um reforço.

Pelo menos 14 mil participantes

Faltavam pouco menos de cinco minutos para a largada quando chegamos ao local da largada e percebemos o mar azul que tomava o local. Do lado de dentro do cerco as pessoas já estava enlatadas, não havia mais espaço para ninguém nos primeiros 50 metros da largada. A entrada verde (a minha) estava cercada por umas duzentas pessoas e o jeito foi seguir cada vez mais para trás, até que conseguimos algum espaço para entrar. Estávamos praticamente a uns 100 metros do pórtico de largada e haviam algo em torno de outros 100 metros de gente para trás. O site da O2 noticiou mais de 14 mil participantes, novo recorde com certeza, e sinceramente acho que eram bem mais que isso.

Não esperamos muito para a largada acontecer, mas esperamos um bocado para passar pelo pórtico. Foram quase 10 minutos para alcançar o pórtico de largada. Beijei minha esposa e desejei-lhe sorte nos seus 5 Km e parti para mais uma etapa do Circuito Adidas.

Tentei conter a ansiedade e não gastar energia demais ultrapassando quem estava a minha frente. Tentei lembrar que as coisas melhorariam ali pelo Km 2, distância máxima que os empolgados mantém velocidade e depois começam a caminhar. Dito e feito. As clareiras começaram a aparecer, mas procurei manter o ritmo em 85% da FCM. O sol e o calor eram convidados não gratos na corrida e eu sabia que precisa segurar o ritmo para conseguir terminar a prova. Ao alcançar o primeiro posto de hidratação me deparei com uma situação no mínimo esquisita. Havia um tonel azul no meio da pista, onde as pessoas paravam para pegar água lá dentro, ao invés de pegar a água com os assistentes nas laterais da pista. Mais parecia armadilha para iniciantes, pois as pessoas realmente pararam para pegar e beber água. Eu quase atropelei um desses que se jogou na minha frente para alcançar o tonel.

Minha estratégia de hidratação inicial seria beber um copo posto sim, posto não. Nos intervalos a idéia era pegar o máximo de água possível para me banhar. Como havia bebido um copo pouco antes da largada, o primeiro posto foi para me refrescar. O pequeno banho trouxe ânimo e recuperei a concentração. O calor aumentava e eu preocupado com minha resistência. Afinal, eu venho de duas semanas de poucos treinos, uma gripe e muito trabalho.

Esqueceram o forno aberto

O sonho de manter o pace de 5’30” foi abandonado antes do Km 4. O calor era muito grande e eu sabia que se forçasse não conseguiria terminar a prova. Passei o Km 2 com 11’ alto, o Km 4 com pouco mais de 25’. Estava quase 3’ aquém da minha meta, mas não havia o que fazer. O objetivo com tanto calor passou a ser terminar a prova.

Passei no Km 5 com 30'11" e com o sol a pino. Não havia uma sombra para amenizar. Seguindo a estratégia, usei o gel para recompor parte do que foi perdido. Ainda bem que eu lembrei de trazer o Carb Up, ajudou bastante, mas a motivação para continuar era alcançar os dois postos de hidratação que ainda estavam por vir. A concentração foi quebrada algumas vezes por causa do barulho da sirene das ambulâncias, pois muita gente começou a passar mal na segunda metade da prova. Pelos menos em três momentos me distraí com a ambulância passando no sentido oposto para alcançar corredores que estavam atrás de mim, mas ao olhar para a lateral da pista fiquei surpreso com várias pessoas sendo assistidas e postas sentadas embaixo de árvores para se recuperarem da possível insolação. A cada sinal de adversidade eu olhava para o frequencímetro para acompanhar meus batimentos cardíacos. Foi difícil e cansativo manter o ritmo e terminar a prova debaixo de tanto sol. O tempo de 01:01:41 pouco importou, pois foi difícil percorrer os 10 Km correndo. A quebra do recorde pessoal fica para a próxima.

Fui ao encontro da minha esposa que terminou bem seus 5 Km. Bebemos, comemos e tiramos algumas fotos antes de retornar para casa desta que foi a corrida mais quente que participamos. Ano que vem tem mais.

Considerações finais

Sou fã de carteirinha do Circuito das Estações Adidas, mas a cada etapa o evento tem mais participantes e alguns problemas ficaram bem aparentes nesta etapa. A primeira consideração é em relação ao Kit da corrida. As mulheres em grande número participaram utilizando camisetas de corte masculino. Será que faltou camiseta para os homens? Seria interessante analisar esta preferência para não faltar o que é de direito àquele que se inscreveu no evento. Outra consideração é com relação as instalações, que possuem o mesmo tamanho há algum tempo. O problema é que o número de participantes aumentou e as filas se tornaram muito grandes. A última e mais contundente consideração vai para os postos de hidratação. O tonel no meio da pista atrapalhou um bocado no primeiro posto de hidratação.

Comentários

  1. PArabéns por mais uma prova, mais uma medalha no peito e a sensação de missão cumprida!
    Eu também curto muito as provas do Circuito Adidas, o kit é show...
    Adoro...
    Domingo agora é minha vez de correr os 10km da última etapa aqui na Capital do Paraná...
    bjs
    Boas energias, Bons treinos
    simbora!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…