Pular para o conteúdo principal

800 Km depois...

800 Km depois posso dizer que ser consistente foi o mais difícil nos últimos 100 Km. Conciliar os afazeres e os treinos tem sido difícil, mas apesar das faltas de dezembro começo a retomar o ritmo. O novo percurso de 7 Km passando por uma trilha dentro do Horto Botânico de Niterói ajuda a descontrair e diminuir a pressão desta vida corrida (esta sem tênis).

800 Km depois correr por 1 hora sem parar não é mais um problema, manter um único ritmo não auxiliará no desenvolvimento de velocidade. Preciso retormar os intervalados para pensar em bater o recorde pessoal em março.

Falando em março a Adidas Outono 2011 já está com inscrições abertas. Até 13 de fevereiro a inscrições poderá ser feita com desconto (salvo alteração no site).


Chegando à Bahia

São 804.3 Km corridos, mais de 100 dias, 103 horas e 19 minutos de treino para chegar ao estado da Bahia. Ainda não cheguei na metade do caminho, mas alcancei (virtualmente) o nordeste do país.



Exibir mapa ampliado

Nas revistas de dezembro

O ritmo tá tão frenético que mal passei os olhos nas revistas de dezembro, mas vou adiantar alguma coisa. Além da boa reportagem sobre fartlek, achei interessante as matérias Enxergue longe e Tanque cheio. A primeira fala sobre a importância dos longões na preparação para as provas. Através deles alcançamos o condicionamento ideal para as provas. A segunda fala sobre a ingestão de substâncias para manter o pique nas provas e treinos. Àqueles que treinam menos de 75 minutos, não precisarão se preocupar muito com a reposição de energia. Talvez com a hidratação conforme a temperatura que estiver enfrentando. Em pronto para a guerra Araina Bond faz um questionário para você saber que tipo de corredor eu sou. Fiquei satisfeito em saber que sou competitivo na medida. Que não faço loucuras para treinar ou disputar uma prova. E você? Gostaria de ter seu resultado.

Em Cabeça é tudo o Mário Sérgio é muito feliz em analisar nosso desempenho em provas em equipe. Eu mesmo estou na fissura para participar da minha primeira. Me fez lembrar uma das provas de natação que mais admiro: o revezamento. Gostaria de nadar e também de assistir nas olimpíadas. Até pouco tempo não havia o circuito mundial e esta adrenalina só podia ser sentida se fôssemos ao local do evento.

Minimizando riscos fala sobre a qualidade do evento. É preciso ter um cuidado além da qualidade do kit, ou da facilidade de inscrição. É preciso lembrar da assistência médica, segurança, postos de hidratação, inclinação do percurso e outro cem número de coisas para depois não se arrepender.

Artérias e solos de Antonio Prata é um ótimo texto para quem pensa em criar um podcast para os treinos. Outro dia conversava com alguns amigos que acharam uma loucura utilizar música clássica para treinar. Agora talvez eles entendam meu ponto de vista. Alguém de tênis compreende minha situação. Os treinos de moderada intensidade eu realizo ouvindo a trilha sonora de inúmeros filmes de ficção científica, com suas maravilhosas orquestras e composições. A vida passa serena e a mente vai longe, enquanto as passadas fluem naturalmente e sem exageros. Deixo o Linking Park e a algumas músicas da trilha sonora de Matrix para os fartleks e intervalados.

Para terminar, a revista fala sobre realizar outras atividades para não bitolar. Sugere férias com atividades junto a natureza e em outros ambientes. Mas se você não resistir, sugere ao menos trocar o asfalto por outras superfícies. É interessante para o desenvolvimento muscular e sensorial. Se chover, ainda tem uma séria de exercícios funcionais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…