Pular para o conteúdo principal

Limites

Depois de quase três semanas treinando nas ruas do bairro tomei coragem para enfrentar o velho longão do final de semana na orla de São Francisco. Foram 12 Km divididos em duas etapas, com direito a corrida leve na primeira metade e corrida moderada na segunda. Minha satisfação foi manter o pace de 5’30” nos 6 Km finais, fato que me deixou surpreso com tão pouco tempo de treino. Isso só me motiva ainda mais para as próximas semanas de treino e chegar na Adidas Outono 2011 com disposição para bater meu recorde pessoal.
Minha amiga Marta ainda não se convenceu se adota a corrida como esporte. Adoradora do spinning, correr ocasionalmente para quebrar a rotina da bicicleta.

Na revista O2 de dezembro de 2010 - edição 92
A matéria "A importância da musculação" é para aqueles que pretendem ir além da boa forma correndo. Se você pretende participar de provas e correr atrás de resultados a musculação é uma atividade complementar a ser levada em conta intercalando com os treinos. Marcelo Butenas foi muito feliz ao alertar sobre a prevensão de lesões com a musculação.
Suzana Bonumá trouxe informações relevantes sobre hidratação e nutrição na matéria "Fuja da rabdomiólise". Se ficou curioso para saber mais sobre este grave problema, o artigo dela é uma boa introdução.
A matéria “Na medida” é no mínimo inusitada, para não dizer cômita. Anna Ligia Machado relata uma forma de avaliar o esforço de uma treino sem um monitor cardíaco. Ela nos apresenta o teste da conversa. Se você consegue conversar é um treino leve. Se você já fala meio ofegante vamos chamar de moderado. Se você só pensa seu companheiro de treino em calar a boca, mas não consegue gritar, temos um treino forte. Brincadeiras a parte, ela recomenda (e eu também) o uso do monitor cardíaco. Mais seguro e eficiente. Imagina se você está treinando sozinho. Conversar com seu amigo imaginário pode parecer estranho no meio da rua.
“Sai o sofá... entra o sol...” é o título da matéria de Cesar Candido dos Santos. Esta relata com maestria os passos de um iniciante, as dificuldades e o maior dos desafios. Criar um novo hábito. Por ser um esporte individual, que não nos impõe uma limitação técnica ou financeira, correr é uma atividade disponível para todas, mas praticada apenas pelos perseverantes. É preciso ter foco, uma mente forte para continuar treinando e cavar um horário em nossa agenda para treinar 3 ou 4 vezes por semana. É você superando mais um limite até então existente em sua vida. A parte boa é que você estará adquirindo um novo hábito que lhe trará retorno em outras áreas da sua vida também. Correr é mais que saúde mental, é do corpo e também do bolso.
Para encerrar vou falar com Guia do Tênis. Este é o primeiro guia impresso que vejo da O2. Muito bom. Meu acanhado amigo Fábio deveria conhecê-lo para a compra de seu próximo tênis. O primeiro é assim mesmo, meu amigo. Meio no achômetro. Depois melhora. Outro ponto crucial para conseguir um bom tênis é estar preparado para comprar pela Internet. Se as lojas não lhe oferecem um bom preço, não tem problema. Vá a loja, escolha e experimente todos os tênis que você achar interessante. Quando encontrá-lo, veja se mais vale a pena comprar na loja, ou pela Internet.

André e o tênis
Depois de aproximadamente 700 Km resolvi aposentar meu Asics Kayano. Resistente e confortável meu companheiro de treino foi fundamental nesta reviravolta que promovi em minha vida. Agora é a vez do Adidas Sequence. Vamos ver do que ele é feito. A primeira impressão foi boa, mas vamos ver quanto ele aguenta.

Coisinhas da RW americana
Para quem gosta de registrar os treinos e controlar tudo que tenha relação com seu hábito de correr, a Runners World americana oferece um site para registro de informação. Vale conferir.

Gabrielle Andersen
1984 criou um dos maiores mitos do esporte do mundo das corridas. Falar de limites e não mencioná-la é perder uma ótima maneira de ilustrar uma idéia. A suíça Gabrielle Andersen não entrou para história por ter vencido a primeira maratona feminina em olimpíadas, mas por tê-la concluído. Das 50 maratonistas que largaram, 44 terminaram (uma brasileira foi a 44ª colocada) e ela chegou na 37ª posição. Aos 39 anos ela participava de sua primeira e sabida única olimpíada. Era a prova da vida. Ela iniciou a prova sonhando chegar entre as 15 primeiras, mas diante de tanta adversidade desejava apenas terminar. Parafraseando a suíça, “A mente faz grande parte do que você quer fazer”. O que passa pela sua cabeça ultimamente?

Comentários

  1. Pois é....comprei meu primeiro tennis para corrida: Um olympikus Tube. Gostei e achei muito confortável. Como sou iniciante é momento de aprendizado. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Vamos gastar esta sola! Espero que você se divirta muito nesta nova aventura.
    Boas passadas, meu amigo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…