Pular para o conteúdo principal

Playlist

O último domingo amanheceu como um lindo cenário de uma antiga propaganda. O céu estava azul, sem nuvens e com toda pinta de que seria um ótimo dia para se ir a praia. Beleza? Beleza nada. Eram quase sete da manhã quando pulei da camada e coloquei o tênis para tentar aproveitar a baixa temperatura da manhã. Os quase nove quilômetros tiveram direito a passagem pelo Horto Botânico de Niterói, mas novidade foi fazer o trecho pelo bairro no sentido contrário. Descobri uma inclinação antes despercebida na ida e sentida na volta. Mas o motivo palavra escrever este post é a influência da música na corrida. Música que me ajudou a enfrentar este novo e adverso trajeto.
Meu treino. Apesar da falta de paciência para montar uma playlist, sou adepto do MP3, mas procuro utilizá-lo em volume que me permita ouvir o que acontece ao meu redor. A música realmente contagia e se você tiver as músicas certas perceberá uma melhora no seu desempenho nas corridas mais longas e trechos complicados.
Nas últimas semanas tenho utilizado trilhas sonoras para correr. Afinal, se alguém muito experiente colocou tempo organizando um álbum com inúmeros ritmos e intensidades, por que não utilizá-lo do jeito que está? Utilizar as trilhas sonoras dos filmes Matrix e Matrix Reload foi uma ótima pedida, pois a música utilizada na persseguição na auto-estrada no Reload ajudou um bocado nos trechos de subida, assim como a da música da festa em Zion. Outras devido a sua calma, estimulam a reflexão, mas não roubam a concentração ou a cadência das passadas. Consigi manter a intensidade da corrida em 85% da FCM na maior parte do tempo e desta forma foi mais simples de completar o percurso. Já utilizei também a trilha sonora do último filme da séria Star Trek, mas confesso que sou apaixonado por música clássica. Enfim, fica a prova de que uma playlist nada mais é do que um mosaico do seu universo musical.
A tão contestada música. Embalado pelas matérias que coletei na mídia nos últimos meses e as polêmicas decisões de algumas confederações com relação ao uso dos dispositivos eletrônicos de áudio, resolvi reunir algumas informações sobre o assunto e promover uma reflexão. O tema não tem como ser tratado de forma simples e existem prós e contras para o uso de aparelhos MP3 e similares durante provas e treinos. As alegações vão de segurança a doping do corredor. Acredite, pois até o estado mental que a música te leva é contestado. Afinal, doping é se fazer algo para melhorar seu desempenho. Não deixa de ser verdade, mas beira o absurdo (na minha opinião). Se você treina na rua é pouco recomendável a utilização do MP3, pois sem a audição a reação a algo que aconteça na pista estará limitada. Possivelmente existem uma outra infinidade de recomendações, mas bom senso é o que importa no final das contas.
E a playlist? Quanto mais eu localizava informações sobre o assunto, menos paciência eu encontrava para reunir as músicas que eu supunha serem as melhores para um bom a corrida. Cá entre nós, até ouvindo a rádio CBN eu já corri, foi super informativo e prestar a atenção nas notícias me manteve no ritmo. Doido, não?
Rio 2016. Minha amiga Marta me enviou o vídeo de apresentação da nossa olimpíada. Só uma palavra para descrevê-lo: lindo.


Links deste post:

Comentários

  1. E a playlist? Quanto mais eu localizava informações sobre o assunto, menos paciência eu encontrava para reunir as músicas que eu supunha serem as melhores para um bom a corrida. [2]

    Até o dia em que eu perdi a paciencia e comecei a procurar as musicas em remix que eu gostava mais ou as que me animavam...
    Eu recomendo a musica na hora do treino.
    nao tem nada melhor que me dê um pique a mais quando as forças ja estao se esgotando...

    ResponderExcluir
  2. Gabriela, também acho que música faz diferença dos treinos de baixa e média intensidade, diminuindo a sensação de fadiga e a monotonia em muitos momentos. Mas também acredito que as vezes ela atrapalha, tanto que treino sem meu MP3 player. A questão é tão contundente que a matéria foi aberta ao público que uma ótima matéria sobre o assunto está livre para acesso no site da revista Runners World Brasil. Veja em http://runnersworld.abril.com.br/materias/discordia/.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…