Pular para o conteúdo principal

Ecorrida 30K - Uma nova experiência

Pouco antes do carnaval meu comprade havia me convidado para participar de uma corrida de revezamento. Achei a idéia interessantíssima pelo fato de transformar um esporte individual em sua essência em uma atividade coletiva. Mas eu tinha como previsão mudar de endereço justamente por volta da semana do evento. Receoso de deixar a equipe na mão, preferi não me inscrever e agradeci o convite. Pouco se resolveu em relação a mudança, mas um dos integrantes informou que não iria devido a uma conjutivite e fui convocado na véspera. Felizmente a previsão era de céu azul para o domingo, ótima desculpa para levar o rebento para passear, mas não muito agradável para se correr. O calor seria um grande obstáculo a ser vencido, mas não era a única preocupação. Por mais incrível que possa parecer, esta seria minha primeira prova oficial de 5 Km. O Circuito Pague Menos teve 4 Km, mas fiz em ritmo de Tempo Run para definir o ritmo para a Adidas Verão/10. Fui dormir pensando que pace seria factível de ser mantido, após duas semanas sem longões e uma gripe instalada há dias. Era óbvio que minha resistência havia sido reduzida, mas saber o quanto era a questão. Pensando em meu recorde pessoal dos 10 Km como referência, eu defini como meta correr os 5 Km em 25 minutos. Manter um pace de 5' por quilômetro seria desafiador para quem tem como pace dos 10 Km algo em torno dos 5'25".
Antes mesmo do despertador eu levantara para auxiliar minha esposa com o rebento e pouco depois das oito da manhã seguíamos para o Rio. A largada havia ocorrido ocorrera às oito em ponto, mas eu era apenas o quinto corredor do revezamento. 
Houve tempo de sobra para chegar ao Aterro do Flamengo, brincar um bocado com o rebento, tirar algumas fotos, conversar com os meu recém conhecidos companheiros de revezamento, meu compadre e o cunhado dele, ver a qualidade das instalações do evento, curtir o estande da CBN, que fazia ao vivo o programa matinal de domingo, antes de aquecer para entrar na pista. Se não me falha a memória o CBN Esporte Clube, com direito a participação da Presidente do Flamengo, Patrícia Amorin e alguns outros atletas.
A equipe estava correndo para ser sub-3 (horas), com todos correndo abaixo de 30', que me motivou ainda mais. Como eu não me sentia debilitado com a gripe e havia tido uma boa noite de sono, decidi que correria para fazer os 5K por volta dos 25'. Encarar um pace de 5’. Seria a primeira vez que eu tentaria sustentar tal ritmo.
Esposa e filho na torcida e compadre monitorando a chegada do nosso quarto corredor. Foram quase cinco minutos de espera. Precisei controlar a adrenalina. Até que peguei a braçadeira e parti em disparada.
Liguei o Polar e pensei na frequência cardíaca durante os primeiros minutos, pois não sabia a quanto ela chegaria para manter o pace de 5'. O primeiro quilômetro foi de ajuste. Tive que me esforçar um bocado para me concentrar e encaixar a passada em ritmo tão forte. Passei com 4'50" no primeiro quilômetro, que me deixou feliz pelo ritmo, que não estava tão desconfortável. Aproveitei para me concentrar na técnica e fechei o segundo quilômetro com outros 4'50"!!! Vinte segundos abaixo do planejado me trouxe satisfação, mas os 30 graus começavam a sugar minhas forças. Eu só queria alcançar o posto de hidratação logo a frente para tentar me refrescar.
Por causa do percurso, o lado esquerdo do posto de hidratação estava meio congestionado. Não pensei duas vezes e dei uma guinada para direita da pista, pois as mesas estavam livres. Cheguei a pensar que não haveria água me esperando no tanque suspenso, mas meu temor não havia fundamento. Peguei dois copos gelados (aleluia), possivelmente em decorrência do desinteresse coletivo pelas mesas do lado direito. Furei o alumínio com o dedão, tomei um gole e despejei o resto da água na cabeça. O segundo copo ainda bebi alguns goles antes de despejar o restante do copo na nuca. Fiz tudo tão rápido que consegui pegar um terceiro copo na última mesa para terminar de me refrescar. Ganhei forças e conclui o terceiro quilômetro com 14'47". Perdi um pouco de tempo nesta parcial, mas ainda estava correndo para terminar abaixo dos 25’. Fiz de tudo para manter o ritmo, até me destrair com um fotógrafo para enganar o cansaço que aumentava a cada passada. Na passagem do Km 4 eu voltei a ter 20 segundos de frente, o que me deu motivação para encontrar forças para manter o ritmo das passadas. Foi difícil, pois o percurso sem sombras parecia ter se transformado em uma grelha George Foreman, tanto que não vi com quanto completei os 5K. Entreguei a pulseira com 25'34" dentro da zona de transição, quando parei o cronômetro. Descontando o tempo de pit stop, acho que consegui fazer os desejados 25'.

Depois de recuperar o fôlego, tomar um copo de gatorade, dois torrones e um ovinho de Páscoa (veja a Runners de março para entender estes suplementos e Feliz Páscoa para todos), analisei os números do Polar. A FC média foi de 94% da FCM e tive uma máxima de 99% da FCM. Sinceramente, acho que ficou alta, mas muito talvez por causa do calor. Segunda-feira foi de ressaca, pois não teve alongamento que ajudasse a minimizar o esforço. O corpo estava moído. Terça-feira de manhã meu compadre recebeu o resultado oficial. Para felicidade geral da Nação (rubro-negra, claro), as equipes família sem freio e bonde sem freio foram sub-3!!! Para minha surpresa meu tempo líquido foi de 24'35"!!! Pace de 4'55"!!! Nesta busca maluca de completar 10K em menos de 50' saber que metade do caminho já foi vencido me trouxe ainda mais motivação para treinar. Quase quarentão e pouco mais de um ano de treino usando apenas as revistas como referência técnica, tá dando paro o gasto.
A corrida é realmente um esporte, onde colhemos o que semeamos.

Comentários

  1. Eu participei dessa prova o ano passado em São Paulo e já está no meu calendário desse ano. Fiz meu melhor tempo nos 15 Km nela e quero melhorar o resultado esse ano.

    Parabéns pelo post e pelo resultado!

    Boas Corridas!!

    Alessandro
    http://blog42195.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita e pelo elogio, Alessandro.

    Bom trocar idéias e experiência. Visitarei seu blog para conhecê-lo.

    Boas passadas!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…