Pular para o conteúdo principal

O pulo do gato

Fonte: thecatclan.com
Quando comecei a treinar eu não entendia praticamente nada sobre o mundo dos corredores, treinos, hábitos e equipamentos. Humildemente, após ser liberado pelo meu cardiologista, adotei uma planilha de treinos e desde então faço o impossível para manter uma rotina de treinos.
O tempo passou e eu me embrenhei nesta tribo de corpo e alma, visto os benefícios de curto prazo para mente e corpo. Assim, o volume de informações sobre este ciclo virtuoso de vida só cresceu. Com tantas alternativas para composição de treinos, sempre me pergunto qual a melhor alternativa para nós reles mortais? Além disso, ainda existem atividades complementares como a tradicional musculação, ou outras menos ortodoxas como pilates, exercícios funcionais e agora a yoga, apresentada na Revista Runners, #30, de deste mês.
Como treino apenas três vezes por semana, há algum tempo me pergunto como encaixar tantas alternativas em uma agenda tão apertada. Talvez a resposta esteja nos ciclos de treinamento, onde extrapolam as planilhas para iniciantes sugerem ciclos semanais, mas já esbarrei em matérias apontando padrões diferenciados para quem vence os primeiros meses de adaptação e treinos.
Fonte: catswallpaper.net
Neste momento eu volto a pensar nas assessorias especializadas em corrida e nos possíveis benefícios que estas podem nos propiciar. "Amigos da tribo" que contam com estes oráculos da corrida disseram que não se arrependeram.
Hoje mantenho a seguinte rotina:
  • Regenerativo: 10' TR + 50' CM + 5' CA
  • Fartlek: 10' TR + 40' (2' CF 2' CL') + 5' CA
  • Longão: 15K
Busco um espaçinho na agenda para incluir treinos funcionais. Subir escadas é a atividade mais simples de fortalecimento que posso incluir na agenda e que não requisitará de outros recursos, equipamentos e locais especiais.
  • Escadas do prédio: 40’ (10 andares, descer de elevador)

André e as meias. Desde que comecei a correr me tornei fiel a uma marca de meia. Os primeiros pares que comprei me surpreenderam positivamente, pois as meias eram confortáveis, macias e duraram bastante tempo. Mas um dia elas acabariam e retornei a mesma loja para comprar novos pares. Ingenuamente comprei-as, mas ao experimentá-las em casa fui surpreendido. Não reconheci as meias! Para onde foram o conforto e a maciez?!? Verifiquei até o tamanho dela na embalagem, pois nem encaixar corretamente ela foi capaz. Neste mundo moderno da terceirização, me parece que a produção da meia foi entregue a outro fornecedor, ou pior, outro produto ganhou o direito de assinar as meias daquela marca. Frustrado e com os pacotes abertos não tive muito o que fazer além de tentar usá-las com moderação.
Após algumas tentativa as meias foram condenadas ao uso social e eu continuei a pé e sem meia. Mas nossos anjos sempre arrumam um jeito de nos ajudar. Esta semana aproveitei uma promoção para comprar um Asicis Kayano 16 de tanto que gostei do 15. Quando abri a caixa descobri que uma meia havia sido dada como brinde. Uma meia Asics. Ao vestir o novo adereço reconheci quesitos antes esquecidos e outros mais. A meia é muito boa. A meia é muito Asics! Agora é arcar com o custo da qualidade e do desejo.

Comentários

  1. Puxa!!!

    Bacana seu blog!
    Quem sabe um dia eu consiga correr assim?
    SNão gosto de correr, mas adorava andar de bcicleta. Com meu peso atual fica quase que impossível fazer isto.

    Boa Sorte meu amigo!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo elogio, Arthur. Correr, pedalar... o que importa é cuidarmos da saúde e buscarmos qualidade de vida para este tempo que passaremos por aqui.
    Feliz Páscoa e torcerei para que você busque inspiração para retomar seus passeios de bicicleta.

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca treinei com assessoria, sempre segui o que li em revistas e internet, mas chega um momento que a busca de ajuda profissional torna-se indispensável para quem quer evoluir.

    Pretendo começar em breve com esse tipo de suporte, já que estamos montando um grupo na empresa. Espero melhorar meus resultados.

    Parabéns pelo blog! Gostei muito.

    Boas Corridas!!

    Alessandro
    http://blog42195.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Niterói está repleta de boas assessorias e após depoimento de algumas pessoas próximas e do corremos.com.br, penso seriamente em me fazer deste recurso para evoluir. O que me segura é o fato de saber que ainda não fiz tudo que me é possível para me desenvolver técnica e fisicamente. Outro fato é que estamos nos movimentando no trabalho para criar um grupo de corrida. O objetivo do momento é levar as pessoas às corridas, mesmo para completar os 5K andando. Em dezembro éramos dois. Mês passado somamos cinco e parece que seremos outros mais em julho.
    Feliz Páscoa e boas PASSADAS!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…