Pular para o conteúdo principal

Não falarei da Corrida da Ponte... ai, já falei

Como já disse anteriormente, não pude participar da Corrida da Ponte devido a obrigatoriedade de comprovação de índice para Meia Maratona. Dei galho dentro, me resignei e replanejei meus treinos para chegar bem na Golden Four da Asics no final de junho, possivelmente com um clima mais ameno, com uma inscrição mais em conta e sem obrigatoriedades. O jeito foi levantar cedo no último domingo, colocar o tênis e partir para o longão ali pelas sete da manhã. Horário este por sinal, que seria mais interessante para promover a largada de uma corrida nesta época do ano.
Mas falando dos treinos, há algum tempo venho treinando sem meu mp3, fiel companheiro. Talvez por passar a semana inteira ouvindo e falando praticamente o dia inteiro, tenho curtido o silêncio dos treinos quebrado apenas pelo Runkeeper informando os splits. Tem sido inclusive um bom momento para refletir sobre a vida, em meio um invejável visual da orla de Niterói.
Domingo foi dia de longão, o primeiro em quatro semanas, em decorrência de afazares e algumas dificuldades. Mas quanto maior a dificuldade, mais saborosa fica a vitória. O fato de poder correr é algo realmente maravilhoso. Mesmo com todo esse calor.
Nota. Os 15K do longão foram realizados em 1 hora e 35 minutos. Um Pace 6'20" por Km. Projetando para uma Meia, eu terminarei a prova em mais ou menos 2 horas e 15 minutos. Nada mal para um debutante, não?
Corrida da Ponte/11: A história oficial em poucos detalhes - clique aqui
Corrida da Ponte/11: A história de quem esteve. Meu compadre Gláucio participou da prova em um dia de céu azul sem nuvens, sem uma brisa para aliviar o temível calor. Fez muito, mas muito calor. Na ponte, o som das ambulâncias passando abafaram as passadas, trazendo temor e preocupação para muita gente. A logística dos pontos de hidratação comprometeu a corrida de muita gente, pois com o calor que beirava os trinta e cinco graus, a ausência de água nos postos dos Km 12 e 15 quebraram muita gente. Como bem dito em um dos blogs que li na última hora, isotônico e gel não dão para jogar na cabeça.
Em meio a tanta leitura achei até alternativas interessantes para provas escaldantes. O tal arco que solta um vapor d'agua por quem passa dentro dele. Outra surpresa para os visitantes à cidade foi pegar a ponte em um dia sem vento. Parece mentira, mas foi o que ocorreu. Não tenho muito mais a escrever, senão estragarei sua leitura do Blog Correria.

Pisando em falso. Normalmente eu leio a revista inteira para depois fazer uma resenha do que considerei importante, mas o que você precisa saber sobre a sua pisada, você encontrará na Runners World Brasil de abril #30. Na minha humilde opinião como assinante da revista e corredor há pouco mais de um ano, posso dizer o quanto a matéria pisando em falso foi esclarecedora. Falou sobre os tipos de pisada, os testes disponíveis no mercado para identificá-la, as teorias sobre os tênis e as novas tendências. Foi bom saber entre os estes existem teste de baixo custo e mesmo gratuito, que podem nos assistir na aquisição de nosso calçado. Vale a pena correr até uma banca e conferir a matéria.
Eu e meu tênis. A leitura da matéria Pisando quebrou crendices e esclareceu dúvidas, jogando para longe algumas crendices e achismos que me assombravam. A principal desta foi com relação ao tipo de tênis que eu posso fazer uso. Como sou um pronador leve, posso me fazer de tênis para pisada neutra e pisada pronada. Isso esclarece minha adaptação ao Adidas Supernova Sequence e que motivou a comprar o Adidas Response Cushion. A diferença entre eles? O primeiro visa a estabilidade o segundo o amortecimento. Preservarei o Sequence para as provas curtas de 5K e 10K. O Cushion entrou oficialmente no batente.
Até na Globo tem. A corrida realmente virou uma febre. Uma matéria, mesmo pequena, foi apresentada no Esporte Espetacular sobre a evolução da corrida e os recursos para nos auxiliarem durante a prática. De um esporte essencialmente empírico, a corrida tornou-se um esporte com teorias, técnicas e assessórios para amadores e profissionais. Mas uma coisa permanece a mesma: tem que se ter muita disposição.

Comentários

  1. Difícil não falar na ponte, sendo que foi a sensação do domingo. Quase não se fala do Marílson e seu excelente resultado na maratona no mesmo dia.

    Espero com ansiedade a Golden Four, que promete ser uma grande prova.

    Boas Corridas!!

    Alessandro
    http://blog42195.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Eu também, meu amigo.
    Este ano botei na cabeça que debutaria em um Meia Maratona. Há alguns meses achava que não iria muito além das provas de 10K... até pensei nas 10 Milhas, mas o condicionamento faz nossos sonhos ficarem maiores.
    :-)
    Boas passadas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…