Pular para o conteúdo principal

Não falarei da Corrida da Ponte... ai, já falei

Como já disse anteriormente, não pude participar da Corrida da Ponte devido a obrigatoriedade de comprovação de índice para Meia Maratona. Dei galho dentro, me resignei e replanejei meus treinos para chegar bem na Golden Four da Asics no final de junho, possivelmente com um clima mais ameno, com uma inscrição mais em conta e sem obrigatoriedades. O jeito foi levantar cedo no último domingo, colocar o tênis e partir para o longão ali pelas sete da manhã. Horário este por sinal, que seria mais interessante para promover a largada de uma corrida nesta época do ano.
Mas falando dos treinos, há algum tempo venho treinando sem meu mp3, fiel companheiro. Talvez por passar a semana inteira ouvindo e falando praticamente o dia inteiro, tenho curtido o silêncio dos treinos quebrado apenas pelo Runkeeper informando os splits. Tem sido inclusive um bom momento para refletir sobre a vida, em meio um invejável visual da orla de Niterói.
Domingo foi dia de longão, o primeiro em quatro semanas, em decorrência de afazares e algumas dificuldades. Mas quanto maior a dificuldade, mais saborosa fica a vitória. O fato de poder correr é algo realmente maravilhoso. Mesmo com todo esse calor.
Nota. Os 15K do longão foram realizados em 1 hora e 35 minutos. Um Pace 6'20" por Km. Projetando para uma Meia, eu terminarei a prova em mais ou menos 2 horas e 15 minutos. Nada mal para um debutante, não?
Corrida da Ponte/11: A história oficial em poucos detalhes - clique aqui
Corrida da Ponte/11: A história de quem esteve. Meu compadre Gláucio participou da prova em um dia de céu azul sem nuvens, sem uma brisa para aliviar o temível calor. Fez muito, mas muito calor. Na ponte, o som das ambulâncias passando abafaram as passadas, trazendo temor e preocupação para muita gente. A logística dos pontos de hidratação comprometeu a corrida de muita gente, pois com o calor que beirava os trinta e cinco graus, a ausência de água nos postos dos Km 12 e 15 quebraram muita gente. Como bem dito em um dos blogs que li na última hora, isotônico e gel não dão para jogar na cabeça.
Em meio a tanta leitura achei até alternativas interessantes para provas escaldantes. O tal arco que solta um vapor d'agua por quem passa dentro dele. Outra surpresa para os visitantes à cidade foi pegar a ponte em um dia sem vento. Parece mentira, mas foi o que ocorreu. Não tenho muito mais a escrever, senão estragarei sua leitura do Blog Correria.

Pisando em falso. Normalmente eu leio a revista inteira para depois fazer uma resenha do que considerei importante, mas o que você precisa saber sobre a sua pisada, você encontrará na Runners World Brasil de abril #30. Na minha humilde opinião como assinante da revista e corredor há pouco mais de um ano, posso dizer o quanto a matéria pisando em falso foi esclarecedora. Falou sobre os tipos de pisada, os testes disponíveis no mercado para identificá-la, as teorias sobre os tênis e as novas tendências. Foi bom saber entre os estes existem teste de baixo custo e mesmo gratuito, que podem nos assistir na aquisição de nosso calçado. Vale a pena correr até uma banca e conferir a matéria.
Eu e meu tênis. A leitura da matéria Pisando quebrou crendices e esclareceu dúvidas, jogando para longe algumas crendices e achismos que me assombravam. A principal desta foi com relação ao tipo de tênis que eu posso fazer uso. Como sou um pronador leve, posso me fazer de tênis para pisada neutra e pisada pronada. Isso esclarece minha adaptação ao Adidas Supernova Sequence e que motivou a comprar o Adidas Response Cushion. A diferença entre eles? O primeiro visa a estabilidade o segundo o amortecimento. Preservarei o Sequence para as provas curtas de 5K e 10K. O Cushion entrou oficialmente no batente.
Até na Globo tem. A corrida realmente virou uma febre. Uma matéria, mesmo pequena, foi apresentada no Esporte Espetacular sobre a evolução da corrida e os recursos para nos auxiliarem durante a prática. De um esporte essencialmente empírico, a corrida tornou-se um esporte com teorias, técnicas e assessórios para amadores e profissionais. Mas uma coisa permanece a mesma: tem que se ter muita disposição.

Comentários

  1. Difícil não falar na ponte, sendo que foi a sensação do domingo. Quase não se fala do Marílson e seu excelente resultado na maratona no mesmo dia.

    Espero com ansiedade a Golden Four, que promete ser uma grande prova.

    Boas Corridas!!

    Alessandro
    http://blog42195.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Eu também, meu amigo.
    Este ano botei na cabeça que debutaria em um Meia Maratona. Há alguns meses achava que não iria muito além das provas de 10K... até pensei nas 10 Milhas, mas o condicionamento faz nossos sonhos ficarem maiores.
    :-)
    Boas passadas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…