Pular para o conteúdo principal

Em busca de mais velocidade

Passei o dia pensando em como escrever sobre minha rotina de treinos, já que falar dos treinos intervalados não seria mais uma novidade. Em meio a estes pensamentos passei pelos blogs que normalmente acompanho e encontrei inspiração para redigir este texto.
O Léo Mesquita escreveu sobre como devemos realizar os intervalados. A Luciane falou sobre planejamento e paciência para gradativamente melhorarmos nosso desempenho. Por fim, o Bruno que falou sobre motivação. O vídeo que ele incluiu no final do post é fantástico. Talvez por eu ser muito emotivo, fiquei fascinado com mais uma história de superação. É bom saber que podemos desafiar nossos limites e fazer o que antes era impensável.
Para falar a verdade, analisando a história de um corredor, vivemos esta experiência todas as vezes que colocamos o tênis no pé e treinamos. Nossa oportunidade para se reinventar e crescer um pouco mais.

OS TREINOS
Apesar dos intervalados serem a essência do que precisamos para ganhar velocidade, os trechos de corrida leve têm sido muito importantes para o meu desenvolvimento técnico. Eu tenho aproveitado esta parte do treino para acertar minha pisada. Na época em que eu nadava, chamávamos esta prática de treinos educativos. Eles serviam para moldar nossas braçadas. São eles que estão me ajudando a mudar a forma de pisar, usando cada vez menos o calcanhar. Foi impossível não lembrar de um vídeo que o Bruno (autor do blog Improvável Corredor) colocou em um de seus posts falando sobre os três quesitos para uma boa corrida. São eles:
1. Boa postura. Braços mexendo sobre os ombros; não deixar os braços cruzar a linha mediana do corpo; cotovelos compondo um ângulo de 90 graus; olhar para frente; leve extensão das pernas.
2. Inclinar o corpo levemente para frente. Posição do corpo fomenta o movimento para frente; menor gasto de energia.
3. Aterrisagem no meio do pé. Aterrisar com o calcanhar reduz a velocidade da corrida e consome mais energia; aterrisar com o meio do pé exige menos energia entre as passadas; exige maior preparo das panturrilhas e do músculo posterior da coxa.

A planilha que estou seguindo pode ser dividida em três partes. Ao final desta primeira etapa, em que os trechos de corrida lenta foram predominantes, tive a oportunidade para fortalecer a nova pisada. As panturrilhas e os posteriores das coxas ainda sentem o esforço, porém é muito gratificante perceber que em tão pouco tempo consegui mudar meu estilo de corrida e já conquistar alguma velocidade. Resolvi compartilhar os registros do RunKeeper, ferramenta que uso há bastante tempo para registrar meus treinos.
Conseguir tiros com pace inferior a 5’/Km são uma grande novidade, principalmente pelas inúmeras repetições que seriam necessárias no treino. A próxima semana será de descanso. Os treinos serão compostos de corridas leves para a musculatura se recuperar o esforço dos últimos seis treinos.

Comentários

  1. Quando comecei meu pace em velocidade máxima era em torno de 5'50"..via o pessoal falando sobre paces de 4'15" e não acreditava que um dia seria possível.
    Hoje estou fazendo treinos com pace de 4'50" em ritmo confortável...como diz um conhecido: Coisas que só o treino explica, então, bôra treinar!

    Abraço

    Guilherme
    www.corrervicia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Guilherme.
      Estou apostando muito neste ciclo de treinos parade desenvolver velocidade.
      Obrigado pela visita.
      Boas passadas!
      André

      Excluir
  2. Olá Andre, venho testando aplicativos para corrida, e não encontrei até agora nenhum "perfeito". Testei o Runkeeper, Sports TRacker, Runtastic Pro e o Cardio TRainer. O único em que encontrei planilhas de treino e treinos intervalados foi o Cardio TRainer PRO, os demais programas apenas medem o seu desempenho, sem estabelecer metas. Gostaria de saber sua opinião sobre os aplicativos. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Leonardo.
      Obrigado por visitar este pequeno e humilde espaço de reflexão.
      Você está certo. O Cardio Trainer PRO realmente vem com planilhas junto ao aplicativo e os demais apenas mensuram os treinos configurados manualmente. Inclua nesta lista o da Adidas, que também vem com planilhas de treino.
      Achei interessante sua premissa, pois eu sempre pesquisei as planilhas em sites especializados e revistas. Nunca havia me preocupado em buscar soluções nos APPs.

      Na aba SITES INTERESSANTES fiz uma seleção de alguns sites que oferecem planilhas genéricas. Atente ao fator genérico e rezo para que você não seja uma exceção. Eu desde que comecei a correr utilizo planilhas da Runners e da O2. Sonho um dia chegar ao nível das planilhas oferecidas na The Finisher.

      QUANTO A QUALIDADE DOS APPS
      Dos que você mencionou utilizei apenas dois. O Runkeeper e o Cardio Trainer PRO. Cheguei a comprá-lo por causa do módulo de disputa. Ele lhe coloca para enfrentar o seu melhor tempo,m as o problema é que precisa ser o melhor tempo registrado pelo APP! Como meu recorde pessoal foi anterior a utilização do aplicativo, fiquei meio frustado e o abandonei, pois não vi vantagens em relação ao Runkeeper.
      Eu sou viciado no Runkeeper. Gosto de incluir os treinos manualmente... é quase um ritual na noite anterior. Olho para a planilha no site e configuro o treino no APP. De manhã, estou pronto para correr. Além disso, faço o controle de quilometragem rodado através do site. Começo a me policiar quanto a qualidade do tênis após o site me informar que rodei mais de 600 Km com o calçado. É neste momento que começo a pesquisar um novo par de companheiros de corrida.
      Usei um outro por muito pouco tempo: runningmap. Não sei como ele está agora.
      Abraços
      Boas passadas!
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…