Pular para o conteúdo principal

Aquilo que nos molda

O dia seguinte a Golden Four Asics foi dolorido. Eu teria que consultar um livro de anatomia para listar os músculos da coxa que me lembravam do esforço realizado no domingo. Mas para minha surpresa acordei bem na terça e animado para definir o novo ciclo de treinamento. 
Eu pretendia falar sobre ciclos, macrociclo, mesociclos e microciclos, porém achei mais simples lhes apontar uma ótima matéria sobre o assunto, entitulada periodização do treinamento e não tornar este post enfadonho. Como já escrevi outras vezes, o treino é a base para o que faremos no dia da prova. É ele que prepara o corpo para o desafio e não obstante nossas mentes também. A resiliência necessária para cumprir uma planilha de treinos é a mesma que nos faz seguir na prova quando achamos que alcançamos nosso limite. É o treino que nos molda. 
Depois de um semestre devoto a um ciclo de treinos voltados para a meia maratona, achei por bem diminuir o volume e tentar ganhar velocidade. Assim, já pensando no ano que vem, decidi fazer um mesociclo de doze semanas para ganhar velocidade e correr a Track & Field Run Series Barra Shopping. Vai ser uma experiência nova, pois corri oficialmente distância tão curta apenas duas vezes. A Family Run 2010 (quando debutei) e os 5K do revezamento da Eco Run 2011 (quando estabeleci meu recorde pessoal). Quem sabe não estou construindo a base para finalmente correr os 10K abaixo de 50 minutos? De qualquer forma, o objetivo é chegar mais rápido nas meias ano que vem.

RUNNER'S WORLD BRASIL - ED. 46
Acho que em meio aos preparativos para a G4A as resenhas das revistas foram deixadas de lado, mas a edição de agosto veio recheada de curiosidades e coisas interessantes.
A coluna TREINO fala da importância do intervalo no treino intervalado. Os intervalos curtos (até 90 segundos) auxiliam no desenvolvimento da resistência. Os médios (até 4 minutos) auxiliam no condicionamento. Os longos (até 10 minutos) auxiliam na velocidade. A próxima vez que você encarar sua planilha, tenho certeza que você saberá qual a proposta que estará lhe sendo oferecida. 
As colunas PELOTÃO DA FRENTE e BOCA LIVRE falam sobre dietas e a ingestão de coisas para atletas. Apesar de achar inicialmente loucura, existem estudos provando ser possível e saudável correr em jejum. Não são palavras minhas. A fonte desta novidade é a Universidade de Birmingham. Para a coisa ficar completa, sugere-se a ingestão apenas de água durante a atividade e uma refeição rica em proteínas após o treino. Vale ler com mais detalhes o estudo. Ainda na linha do perder peso, evite a utilização das coisas para atleta. Elas são boas para ... ATLETAS. Estes hipercalóricos, sejam eles géis ou bebidas esportivas podem colocar em risco todo o esforço feito para queimar o bacon. Nós, mortais, na maior parte dos casos podemos viver bem com uma boa dieta balanceada. De qualquer forma, tenha sempre um nutricionista para consultar nestas horas. Ele será seu melhor conselheiro quanto ao que ingerir ou principalmente no que não ingerir.
A coluna CORPO+MENTE tem um recado para meu velho camarada Bruno Freitas. Vou transcrever a parte pertinente: "Quase todas as lesões de corrida podem ser tratadas. Então, se um médico disser que não pode fazer nada por você, marque uma consulta com outro especialista. É mais provável que um diagnóstico desse tipo queira dizer que não há nada que aquele médico possa fazer por você". Complementando, a coluna PRONTO-SOCORRO informa que quase todas as lesões têm origem no sobrepeso, falta de fortalecimento e alongamento e aumento brusco do volume de treino. Dos três fatores, dois assombram os iniciantes. O lance é tentar evitar o problema, com a orientação de um treinador. Se for tarde demais para você, assim como foi para mim, é ser fiel ao tratamento e aos treinos específicos de fortalecimento. A reportagem na coluna GENTE QUE CORRE conta a história de uma senhora que foi atropelada, teve pinos colocados na coluna, um diagnóstico de paraplegia e não só voltou a andar cimo a correr. A senhora de 52 anos conseguiu. Por que não você? 

AGRADECIMENTOS
Gostaria de parabenizar a blogueira Alessandra, que mantém o blog na correria, que me fez lembrar com seus textos o quanto a alegria fortalece a alma.

Comentários

  1. Bacana demais seu post, André. Uma vez mais, estamos com foco parecido, em velocidade. Embora eu tenha uma dívida com a meia, que você não tem já que voou na meia internacional do ano passado.

    Essa sua ideia de fazer a resenha das revistas é muito boa. Eu sinto falta de um banco de dados sobre as matérias para poder voltar a elas quando quero reler alguma coisa.

    grande abraço e bons treinos,
    Sergio
    corredorfeliz.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Sérgio.
      Nos últimos meses eu comecei a adotar as TAGS para poder rastrear meus posts. Todas as vezes que menciono as revistas, menciono a TAG Revista Runners World Brasil, Revista O2 ou qualquer outra. Assim posso voltar aos posts e reler os registros.
      Decidir por treinos que me ajudem a desenvolver a velocidade teve como motivação o fato de ter recuperado a forma. Não consegui bater meu recorde pessoal na Golden Four Asics deste ano, mas baixei em 70 segundos o tempo do ano passado. Agora que as coisas estão sob controle, vou retomar os treinos de velocidade, pois correr 21K pela quinta vez já ratificou minhas possibilidades para a distância.
      Espero ano que vem terminar a prova abaixo de 1h40.
      E vamos que vamos :-)
      Abraços
      André

      Excluir
  2. Oi André!
    Só para variar...ótimo o seu post! Também li a reportagem sobre periodização de treinamento e gostei muito.
    Fiquei lisonjeada com seu agradecimento, mas com certeza sou eu que tenho de agradecer. Muito bom encontrar pessoas como vc dispostas a passar um pouco da sua experiência e motivação para quem,como eu, ainda é uma iniciante nas corridas.
    Abraços e ótimos treinos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho outra frase para você: somos fruto de nossos pensamentos.
      Quando resolvi criar este blog há pouco mais de dois anos, eu queria apenas manter a corrida presente em meu cotidiano. Os posts seriam resenhas de revistas lidas. Anotações de matérias da Internet. Mas ganhei muito mais: 45 aliados em um pelotão em pró da corrida, que uma vez aqui outra ali jogam mais uma centelha de motivação para mim.
      Tenho apenas a agradecer pela ilustre visita e por ceder um tantinho do seu tempo.
      Boas passadas.
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…