Pular para o conteúdo principal

Maratona Olímpica de Londres 2012: uma verdadeira aula

Durante todos esses anos eu nunca havia parado para assistir a prova de encerramento de uma olimpíada. Até pouco tempo correr era algo improvável em minha vida. Eu reclamava para andar no shopping, imagine correr quilômetros a fio.
As coisas mudaram. Me tornei um corredor e queria entender a trama deste evento que encerra o maior dos eventos. Depois de pesquisar um bocado, eu fiquei com a impressão de que a maioria dos corredores classificados para correr a Maratona Olímpica fizeram com o tempo em torno de 2 horas e 9 minutos. Só tinham que combinar com alguns africanos para a corrida não ficar sem graça, visto que os 29 melhores tempos de 2012 pertenciam a eles. Depois deles, o Marilson, com a infeliz missão de alcançar alguns daqueles africanos que tinham o tempo 3 minutos melhor do que ele. Em meio a estes pensamentos o pelotão alinhou e largou. Eu não tinha certeza de quantos corredores haviam largado. Pelo menos cinqüenta compunham aquela massa humana que fechou o primeiro quilômetro com 3'12"!
O ritmo ficou ainda mais intenso e no Km 3 já haviam dois pelotões distintos. O primeiro grupo tinha uns 30 corredores que passaram com 9'01". Isto é, correndo com um pace abaixo de 3'/Km (loucura total).
O pelotão continuou abrindo vantagem ao grupo de perseguição, mas a intensidade diminuira. No Km 8 eles passaram com 24'42", pace de 3'05"/Km, e o Frank Caldera puxou o ritmo e abriu uns 10 metros de frente. Mas a vantagem durou pouco, pois o pelotão foi atrás e o engoliu. Ele ainda tentou uma segunda vez e fracassou novamente. Talvez sua tentativa de desgarrar tenha antecipado o plano dos quenianos, pois o Kiprotich puxou o ritmo e foi embora. O pelotão tentou ir atrás e o resultado foi a desintegração do grupo de perseguição. Quatro quilômetros depois era o queniano liderando e um grupo de dez corredores que faziam o impossível para não deixar Kiprotich fugir da vista. O resto dos 30 corredores foi perdendo ritmo. 
Kiprotich completou a metade do percurso em 63'15", pace de 2'59"/Km, e não dava sinais de que iria reduzir o ritmo. As desistências começaram e a corrida parecia definida. O queniano na frente, um grupo de três africanos continuava a perseguição, um pouco mais atrás vinha o Marilson, seguido pelo atual campeão mundial e atrás dele um americano. Os demais corredores ficaram para trás. 
Kiprotich impunha um pace de 2'58"/Km até que no quilômetro 26 ele cometeu um erro. Ele, distraído, passou a frente do posto de hidratação dos quenianos. O técnico gritou por ele, que no susto voltou para pegar sua garrafa e retomar a corrida. Ele pagou caro pela quebra do ritmo, pois seu companheiro Kirui e seu xará de Uganda conseguiram alcançá-lo. Lá trás, Marilson ultrapassava o sul africano para assumir assim a quarta posição.
Eles já estavam no Km 32 quando passaram com 97'34", pace de 3'01"/Km. Sem explicação Kiprotich, o de Uganda, começou a ficar para trás. Um comentarista "seca pimenteira" comentava feliz sobre o muro do Km 30. Que o cara era especialista nas provas de 5 e 10 Km e que as chances dele quebrar era reais. Era o bronze do Marilson que estava em pauta, enquanto o brasileiro seguia quase 1 minuto atrás dos 3 africanos. Era visível a queda de ritmo do trio. Os quenianos achando que o corredor de Uganda estava entregue reduziram o ritmo junto com ele. Quando passaram no Km 37 o pace bateu 3'15"/Km!!! Praticamente um passeio para quem vinha virando abaixo dos 3'/Km. Porém ao chegar ao trecho das lojas, o atleta de Uganda partiu para a fuga. Ele montara um estratagema para conseguir arrancar no final. Ele confiava na sua velocidade para vencer a prova e não deu outra. Seu xará ainda esboçou uma reação, mas faltou velocidade... não foi cansaço. Uganda ganhava ali a primeira medalha de ouro em maratonas com o tempo de 132'17". Não foi recorde mundial, mas foi fantástico!  
Marilson chegara em quinto. Paulo em oitavo e Caldera em décimo terceiro. A melhor participação brasileira em maratonas em todos os tempos! Para mim, uma aula de técnica e estratégia que mudou mais uma vez minha percepção e entendimento sobre um esporte julgado de simples.
VALE A PENA VER DE NOVO
Se você não conseguiu ver a prova, o site do Terra mantém o VT da prova. Clique aqui para ver a corrida novamente.

Assistir a uma prova tão dura e disputada é que me fez perceber o que o Vanderlei Cordeiro fizera em Athenas. Foi no wikipedia que encontrei informações de que o calor grego acabou com as pretensões dos africanos ( Paul Tergat e Mebrahtom Keflezighi eram os caras da hora) e o brasileiro foi embora. Fora das condições ideais o brasileiro sobrou... mas tinha um irlandês no seu caminho.

10.000 PAGEVIEWS
Gostaria de agradecer à vocês que passaram por aqui para usar um pouco do seu precioso tempo para curtir as palavras deste corredor blogueiro. Os contatos e reflexões que vocês me proporcionaram até aqui fizeram muita diferença. Mais uma vez MUITO OBRIGADO pela chance de conhecê-los.

Comentários

  1. Oi, André. Seu blog com certeza é muito inspirador. Nada mais merecido que os 10.000 pageviews. Sobre o post, tbem acompanhei a maratona olímpica. Foi emocionante. Fiquei na torcida pelo Marilson desde o começo. Concordo contigo quando dizes que foi a melhor participação brasileira.
    Um abraço,
    Helena
    correndodebemcomavida.blogspot.com
    @correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Helena.
      A idéia é realmente fomentar um novo pensamento. Criar um novo torcedor que não pense apenas no futebol.
      Aprendi coisas simples, porém relevantes que me ajudaram a melhorar minha corrida. Entre as muitas observações posso dizer que assistir a corrida me ajudou a:
      - Ajustar minha postura
      - Me esforçar para pisar de forma mais neutra
      - Testar limites e não depender do monitor cardíaco
      Prometo visitar seu blog.
      Boas passadas
      http://andreeotenis.blogspot.com

      Excluir
  2. Oi André!
    Também assisti a prova e gostei muito. Ficava só imaginando o que é correr com um pace em torno de 3/Km durante 42,195km, quando eu não consigo isso nem em 400mts,rsrs. Me surpreendeu o bom desempenho dos três brasileiros. Mas confesso que só lendo seu post de fato consegui compreender a estratégia usada pelo atleta de Uganda para vencer a prova. Uma pena que poucas provas sejam veiculadas pela televisão, por que como vc disse é "uma aula de técnica e estratégia".
    Abraços!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alessandra.
      Apesar de eu estar a uma galáxia distante deste nível e não sonhar com troféus e prêmios aqui no Rio, acho muito importante compreender "o jogo". Minha forma de correr já mudou!
      A ESPN e a Bandsports eventualmente transmitem provas. Sei por acidente, mas pretendo acompanhá-las a partir de agora. Sabendo com antecedência tentarei veicular aqui no blog.
      Mais uma vez, obrigado pela presença.
      Boas passadas :-)
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…