Pular para o conteúdo principal

RESENHAS: Revista Runners #50

Constante superação
É muito bom ver que estamos chegando (oficialmente) a meio milhão de corredores aqui no Brasil. É muito bom ver que as Meias se multiplicam de norte a sul e que alguns locais já conseguem usar a palavra tradição em seus eventos. Isso é fruto da dedicação das pessoas comuns, que abraçaram este esporte individual, mas muito coletivo sob vários aspectos.
Esta busca pela superação 
é tão impressionante que me pergunto onde chegaremos daqui a alguns anos individual e coletivamente? 

Humor fora da tela
A briga da Patricia Julianelli com a balança é relatada (como sempre) com muito humor, tornando irresistível a leitura desta coluna, normalmente dedicada a mulher.
Gostei tanto da coluna que escrevi o seguinte para edição:
"Não sou o público alvo da Patrícia Julianelli, mas gostaria de parabenizá-la pela divertida oportunidade de vislumbrar a ótica feminina do exercício. A luta contra a balança, contra os desejos, contra os ssssssss dos canteiro de obras foram hilários".
O legal é que ELA me respondeu o seguinte:"Que alegria receber seu email, André! Ganhei meu dia!!!".

Filtro solar
Com o sol nos dando bom dia já com certa frequência e o verão por chegar, a reportagem sobre câncer de pele chamou a atenção. Afinal ninguém quer ver um prazeroso estilo de vida se tornar o próprio algoz.
O texto fala de um corredor que teve extraído um pedaço da orelha por causa de um câncer. Sorte dele ser apenas um pedaço. Assim, seguem algumas dicas: não corra sem camisa (ou apenas de top); use camisas tecnológicas que oferecem proteção contra os raios solares; use boné e não apenas viseira; passe filtro solar, principalmente nos ombros, nuca, orelhas, braços e obviamente no rosto; evite os treinos após às dez da manhã e antes das seus da tarde. O seu corpo agradece.

Histórias
Lendo a matéria LARGADA na Runners #50 me impressionei com o registro do Sr. Ronaldo Urbano, que aos 64 anos fechou a Meia de Pomerode em 1h35min! Como não se impressionar com um esporte que possibilita um feito deste tamanho?
Ele começou a correr ali pelos cinquenta por motivos de saúde e após vinte anos está mais forte do que nunca. A corrida virou um estilo de vida e as provas um ótimo motivo para viajar pelo Brasil e pelo mundo. Afora meias maratonas e seu melhor tempo (1h44) foi feito com uns sessenta e tantos anos. Hoje com setenta e quatro anos, mantém uma rotina de treinos de 40 Km semanais e não toma nenhum (mesmo!) remédio para nada. Este é o Seu Darci. E talvez a corrida seja a tal fonte da juventude.

Pessoas excepcionais
Toda regra tem sua exceção e no mundo da corrida eu coloco os maratonistas como estes excepcionais. Mas lendo a coluna OXIGÊNIO, o Sérgio me apresentou a exceção entre as exceções. Ele narra seus testemunho de um corredor que concluiu a maratona de Amsterdã em 4h30, usando muletas. O registro é muito emocionante e vale a leitura.

Regulagem perfeita
A coluna NO PIQUE me fez lembrar que conhecimento é poder. Frase velha, batida e verdadeira. Inclusive para nós corredores, pois contar com treinador pode evitar lesões, ou mesmo encontrar apoio para vencer problemas de saúde ou motivação para seguir correndo. Para os mais competitivos, ter o apoio de um técnico torna-se essencial, pois ele tem as informações (melhor dizendo, formação) para um corredor desenvolver a plenitude de sua habilidade como corredor. Como em qualquer relação, no início será para se conhecerem, mas tende a se tornar melhor com o tempo e o corredor mais rápido. 
Eu ainda sou adepto das planilhas generalistas e lutando para arrumar um espacinho na agenda para incluir uma assessoria esportiva.


New York, New York
O que dizer da reação de parte da população que protestava quanto a realização da corrida em meio a tanta destruição? E o que dizer dos corredores que participaram do "domingo no parque"? A maior parte dos inscritos transformara o domingo num longão de 42 km no Central Park. Muitos tinham aquele domingo como o momento de suas vidas e de certa forma tiveram. Inclusive o público que ocupou as arquibancadas ou de alguma forma apoiou os corredores voluntariamente. Cada dia me surpreendo com este universo do tênis.

Guia do tênis 
Sempre será uma boa referência para quem está começando e para quem está procurando ter certeza do que já experimentou. O novo mecanismo (é a terceira vez que o vejo) para nos levar ao modelo ideal de tênis é bem legal. Simples e coerente.

Bolt
Humildade e consciência de que o sucesso é finito, talvez sejam os atributos que façam esse Jamaicano superar todos os limites conhecidos. Sabendo que o tempo é o maior de nossos adversários, ele a sua maneira faz o que sabe para vencer. As palavras mostram o quanto ele dizer que é um cara normal e que apenas luta para oferecer o de melhor que está ao alcance dele para a família.
Saber que ele NUNCA correra 5 km sem parar mostra o quanto a especificidade dos treinos altera resultados e hábitos. Isso mostra o distanciamento do universo dos velocistas e dos fundistas.

É isso. Espero que tenha sido interessante!
Boas Passadas.

Comentários

  1. ótima resenha. Parabéns pela publicação do comentário na revista!
    abraço,
    Sergio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu amigo.
      É sempre bom receber seu feedback.
      Que venha a maratona! (a questão é qual, pois ainda não decidi)
      Abraços e um ótimo 2013.
      André

      Excluir
  2. Muito bom esse post parabéns André realmente através dos corredores e das midias o povao ta gostando de correr e a cada ano vai crescer mais ainda, ninguem que envelhecer doente eu sou um...hehehe
    Quando vejo esses Srs. da 3a idade correndo e fazendo esses belos tempos da gosto de ver tomara que eu chegue e ultrapasso esta idade e correndo muito..heheheh]
    Nao sei se te perguntei ainda André como faço para colocar essas abas que tem la em cima no seu blog no meu.
    Um abra~co,
    Bons treinos,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Jorge. A terceira idade arrebentando. Guardo com carinho algumas figuras grisalhas que tive a chance de ACOMPANHAR na Golden Four Asics e na Cross Country de Búzios. Se eu fizer metade do que eles, fazem tenho certeza que estarei bem.
      Tem mandei um email para o gmail com mais detalhes sobre as abas.
      Abraços.

      Excluir
  3. Ahhhh André além do protetor solar tambem o corredor tem que se preocupar com boné, oculos para sol e muita hidratacao...
    Valeu
    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza!
      Eu até tenho o óculos, mas ele me atrapalha mais do que ajuda. Faz tanta diferença assim? Mesmo com o boné?
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…