Pular para o conteúdo principal

RESENHAS: Revista Runners #51

BOTE O MEDO PARA CORRER
A matéria da coluna TREINO veio bem a calhar nesta fase final de treinos, pois eu não me adaptei aos treinos sugeridos pelo MY ASICS. Claro que as noites mal dormidas por conta do excesso de trabalho também comprometeram o desempenho, mas os treinos de ritmo estavam além do meu alcance. E o que fazer quando a planilha, que foi feita para nos preparar física e mentalmente para prova se torna nosso algoz? A coluna fala com uma simplicidade de dar raiva a solução: mude os treinos! Simples assim.
Com essa reflexão eu começo a programar minhas 23 semanas de treinos para a Maratona do Rio. A pesquisa pelo treino ideal é o primeiro desafio a ser vencido para a Maratona.

COMPARTILHE SUA PAIXÃO
A matéria da coluna LINHA DE PARTIDA me fez viajar no tempo. Meu levou aos tempos em que eu começava a procurar espaços para correr maiores que o estacionamento do condomínio em que morávamos. Lembro da fissura que a corrida havia se tornado e o tanto que ela chamou a atenção das pessoas que me cercavam. Minha esposa já fazia esteira e a minha amiga Marta aturando o amigo agora louco por corrida, procurava uma atividade aeróbica além do spinning.
Eu a convidei para correr na orla de Boa Viagem (Niterói, RJ) para ver se ela se adaptava. No dia e hora marcado estávamos todos lá, mas quando saquei do bolso o treino ela fez cara de assustada. Depois ela me confessou que sonhara com uma corrida leve e descontraída no calçadão (tadinha kkk), mas respirou fundo e topou fazer o treino intervalado (naquela época ainda era corrida leve e caminhada) comigo. Ela não sofreu tanto, pois o condicionamento do spinning ajudou positivamente na transição para corrida sem a bicicleta ergométrica.
Deu tão certo que ela seguiu treinando por meses a fio. Correu algumas provas de 5 Km e enfrentou com dignidade uma prova de 10 Km, que fechou com 1h16min. O resto da história dela fica para outro post. Aguardem.

BOCA LIVRE

A Patricia Julianelli abordou (mais uma vez) com maestria um tema muito interessante: dormir emagrece! Não é exagero. Ela usa argumentos científicos para explicar como nossos hormônios trabalham em nosso corpo quando temos uma rotina saudável de sono. A privação do sono não é salutar e afeta corpo e mente.
Como este é um blog de corrida vou falar logo que afeta a recuperação, ou mesmo o desenvolvimento de nossa musculatura! Pois é, mas como fazer tudo em apenas 24 horas? Trabalho, estudo, família, corrida e fora o outro sem número de pequenas coisas que nos cercam diariamente? Mas fica a dica. Deixar de dormir vai piorar a sua corrida... pior! Sua vida.

TIRO DE META
Lendo a matéria da coluna OXIGÊNIO lembrei do meu amigo Eric. Gente boa. Lembrei porque o Mário Sérgio fazia recomendações para um bom início de ano (correndo) e o texto havia muitas dicas para iniciantes. Este meu amigo (Eric) seguiu nas últimas sete semanas um plano de treinos e musculação para reduzir em QUATRO MINUTOS seu tempo nos 5 Km. Debutou na Adidas Verão/2012 e neste último final de semana fez bonito no Circuito do Sol.
Assistir a estas vitórias pessoais trás uma energia muito boa para alma. Nos fortalece e ratifica o bom caminho que estamos trilhando. O Mário Sérgio foi muito sábio ao dizer que uma das maiores benesses da corrida é a inclusão. Que outra atividade eu poderia presenciar tanta diversidade, tantas histórias? É o livro da vida aberto para ser visto e estudado.

CORRER PARA SEMPRE
Quanto vale um recorde pessoal para você? Quanto vale correr uma maratona? Melhor ainda, por que você quer correr? Perguntas distintas para treinos e consequências distintos. A corrida realmente é o esporte onde a diversidade se encontra. Em um mesmo pelotão de largada somos capazes de encontrar pessoas das mais diferentes idades, cores, pesos e sexos para realizar performances completamente diferentes. Esse é o barato deste esporte, pois ele vale para qualquer um e em qualquer fase da vida. Mas a pergunta que ele levanta na coluna é emblemática, mas não é para ser respondida de qualquer jeito e rapidamente. A resposta deve ser fruto de reflexão, depois de você ter experimentado a corrida por algum tempo. A pergunta? Vai aí: “Quanto tempo você ainda pretende correr?“
Tudo na vida tem um preço... inclusive para se correr.

A TERCEIRA ONDA
Há aproximadamente quatro anos, pelo que conseguir achar na Internet, a corrida de rua iniciava um movimento que nos traria ao que temos hoje. Empresas de materiais esportivos, principalmente fabricantes de tênis de corrida, ou que de alguma forma promoviam ou cobriam eventos esportivos resolveram organizar as corridas de rua. Mas a proposta era ligeiramente diferente do que vinha sendo feito, pois agregaram valor ao evento e atraíram os veteranos e também um novo grupo de iniciantes. A aceitação do novo modelo foi surpreendente, tanto que o número de eventos só faz aumentar e hoje em dia extrapolam o asfalto. Corridas em trilhas, praias, desertos, montanhas e onde mais for possível alguém botar uma perna após a outra.
SX, em sua coluna na Runners, levanta a hipótese de que estamos próximos de mais uma explosão, por causa da entrada da Rede Globo no universo da corrida. Ele considera a capacidade de fomentar hábitos da TV aberta como um catalizador para o esporte e que o Eu Atleta (a meu ver) é apenas a ponta do iceberg. 
Tento imaginar o impacto que isto traria para a vida das pessoas e para o esporte. Viajo com os possíveis (novos) formatos para a transmissão das provas (que espero não serem semelhantes a última maratona internacional do Rio) e os benefícios indiretos que a popularização traria para os eventos e materiais esportivos em matéria de custo e qualidade.
É torcer... melhor! Correr para ver no que isso vai dar.

ESTE ANO EU VOU ...
Promessas para o ano novo normalmente são feitas para nortear os próximos 365 dias de nossas vidas e o ano de um corredor não é diferente. Entre as inúmeras sugestões apresentadas, algumas posso dizer que já fazem parte do meu cotidiano e outras que resolvi registrar por serem novidades. São elas:
1. Correr distâncias maiorias
2. Fazer Ioga
3. Correr em trilhas
Correr a prova de Búzios alterou muito minha percepção da corrida, que era exclusivamente do asfalto. Correr trilhas lhe fará esquecer o relógio e lhe obrigará a prestar a atenção nos sentidos. Não é o tempo que vai se levar para terminar a prova que estará sendo avaliado nas trilhas, mas se você tem forças (física e principalmente mental) para concluir a prova. Recomendo para qualquer um que já tenha alguma bagagem correr uma prova de 21 Km em trilhas. Se no asfalto é uma das experiências mais fantásticas que conheci, em meio a natureza se tornou uma experiência além de qualquer comentário. Para os iniciantes, muitas destas provas possuem revezamentos. Se você faz parte de algum grupo de corrida, converse com seu treinador.

É isso! Boas passadas.

Comentários

  1. Grande André, obrigado pela lembrança na sua matéria.
    Ontem já me inscrevi na Adidas Outono. Vou me preparar para ver se consigo baixar dos 35´.
    Abraço

    Eric

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aí, meu amigo. Neste ritmo você vai bater o tempo com certeza.
      Acho que vou te acompanhar (literalmente) e lhe ajudar a fazer o ritmo.
      Vou deixar para sentar a bota duas semanas depois, no Circuito Athenas.
      Abraços
      André

      Excluir
    2. André, obrigada pela visita e por compartilhar a mensagem do blog!

      Até o Circuito Athenas, tb vou participar das 3 etapas :)

      Grande abraço e bons treinos!

      Excluir
    3. Drica,
      Nada mais justo por se tratar de um post merecedor como aquele.
      Até lá!

      Excluir
  2. amigo, adorei seus posts. tenho muito orgulho de ter acompanhado a sua trajetória na corrida. sou sua fã !!!!! bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Martinha :-)
      Sua energia também foi importante em todos estes quilômetros.
      Estou esperando seu retorno as corridas!
      Beijos
      André

      Excluir
  3. Navego, navego e acabo no seu blog. Parabéns pelos textos. Elas me motivam ainda mais. Thank´s

    ResponderExcluir
  4. Navego pela Net e acabo no seu blog. Parabéns pelo texto. Apesar de ser iniciante, sinto-me cadas vez mais envolvido e motivado.
    Thank´s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Japarun!
      É legal saber que esta aventura serve de referência. Eu faço o mesmo visitando outros blogs, sejam estes de iniciantes ou de veteranos. Sempre temos a chance de aprender algo novo com a história de outras pessoas. A minha barra de blogueiros cresce a cada dia, pois a corrida parece uma fonte infindável de experiências.
      Abraços e obrigado pela visita.

      Excluir
  5. Fala André, abandonei o My Asics também. Consegui uma parceria com uma assessoria e agora estou recebendo de graça as planilhas, semana passada estava muito cansado e acabei furando a planilha, mas agora tenho que levar a serio.

    Bons treinos.

    Abraços,

    Victor Caetano

    corridaurbana.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Motivo melhor não haveria, Victor!
      Parabéns pela conquista e pelo apoio. Nada mais merecedor para alguém tão dedicado. Seu blog é uma referência pela sua qualidade. Não poderia ser diferente com tanta dedicação.
      Vou estar de olhos abertos nos seus posts. Quero muito saber sobre sua experiência com uma assessoria esportiva.
      Abraços.
      André

      Excluir
  6. Ah! Um dia eu ainda faço uma corrida em trilhas!!! Porque se correr no asfalto já é uma delícia, imagino que junto à natureza deva ser muito melhor!!!

    Meu número de peito no domingo foi 3708.

    Abraços,

    Renata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renata,
      O tempo deixa de ser o limite. O coração é que manda nestes percurso malucos.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…