Pular para o conteúdo principal

Em busca de mais velocidade II

Com este calor que se faz no Rio, resolvi descobrir os prazeres das provas curtas. Afinal, já disse que tentar fazer tempo até nas provas de 10 quilômetros é um sacrifício desnecessário. Assim abracei a proposta do MY ASICS para me ensinar a correr com mais intensidade e regularidade.
Na Adidas Verão 5K o ritmo do meu melhor quilômetro e do pior tiveram quase quarenta e cinco segundos de diferença. O sonho é encontrar um número médio para desenvolver uma prova de 5 Km, assm como já encontrei em algum momento no passado para os 10 Km e para Meia Maratona. Assim fui para os treinos. A sensação de que eu iria quebrar que senti nos primeiros treinos foi trocada pela confiança de que estou encontrando vagarosamente um ritmo ideal. A meta é chegar no Circuito do Sol no dia 27 de janeiro e ser capaz de fechar abaixo de 24 minutos, apesar do calor. Este microciclo está sendo bem interessante também, pois estou fazendo uma adaptação ao sol forte e a alta temperatura. Ano passado eu ainda não estava treinando nesta época em decorrência da lesão, assim este é mais um trunfo para 2013, se sobreviver ao caldeirão.
Voltando aos treinos, estes foram divididos em quatro etapas: condicionamento, velocidade, simulação da corrida e polimento. Esta semana encerrei a etapa de velocidade, que foi composta por apenas dois tipos de treinos: intervalados e tempo runs. Ambos com o objetivo de medir meu desempenho em tiros de 1 e 3 Km. O esforço foi grande e junto com o cansaço do trabalho, resolvi abrir mão dos treinos dominicais na areia para conseguir descansar um pouco.
Analisando o resultado das sessões de velocidade e seus tiros de 1 Km, fiquei satisfeito, pois praticamente mantive a média próximo de 4’50”, sendo o melhor deles em 4’40”! Os tempo runs de 3 Km não foram muitos, sendo o melhor dos tiros com a média de 4’54”/Km. E pensar que a proposta é conseguir um ritmo 8 segundos mais rápido nas próximas três semanas. Pode parecer pouco, mas melhorar neste nível de limiar é difícil.
A mensagem que quero lhe passar é que está sendo diferente, mas está sendo positivo. O MY ASICS foi um achado, uma nova alternativa técnica, apesar de seu cunho generalista. Faltam poucos treinos até a corrida, mas estou otimista quanto ao resultado.

Nota de protesto. Ao final do treino noturno eu descia a Ari Parreiras de volta para casa quando fui fechado por uma van. Escuro acabei pisando em falso e torci o tornozelo esquerdo, quando tentava saltar para a mal acabada e esburacada calçada. Não custa lembrar: se estiverem correndo na rua corra sempre na contra mão dos veículos. Se existe uma forma de evitar um acidente é você vigiar quem vem de encontro a você.
Outra nota de protesto. O Jorge publicou uma nota avisando que o Célio de Barros está de portas fechadas e às vésperas da demolição. A Corrida São Sebastiãozinho foi realizada no CEFAN (MARINHA) - Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes, na Av. Brasil. Tudo indica que o Estádio será realmente posto abaixo. Assim, fui pesquisar um pouco mais sobre o assunto, mas além da promessa de um novo estádio próximo a Quinta da Boa Vista não achei nada de concreto. Em outubro de 2012 a CBAt emitiu uma nota em seu portal informando a precária situação que o atletismo do Rio de Janeiro se encontra e que poderia piorar com a destruição do Célio de Barros. No portal R7 encontrei uma reportagem falando sobre a questão e no SporTVNews também virou reportagem. No facebook encontrei uma página em que a situação está sendo acompanhada de perto, mas como disse, nada de concreto sobre um novo estádio. Apenas uma tentativa de realocação dos atletas para as instalações do exército na Urca, da Marinha na Penha, ou mesmo no Engenhão.
Do projeto nada se tem de concreto, mas achei interessante divulgar uma imagem da proposta elaborada para contornar a situação.

Comentários

  1. André, também estou utilizando o My asics, a corrida foco é a G4 em abril. Estou gostando muito dos treinos,ainda mais agora que consegui meu cinto de hidratação. Ficou mais tranquilo correr ne calor.

    Bons treinos.

    Abraços,

    Victor Caetano

    corridaurbana.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza o cinto vai lhe ajudar muito. Vamos combinar um longão um dia desse.
      Boas passadas.
      André

      Excluir
  2. André,

    eu vi a planilha da My Asics, e achei bem interessante!
    treinos mais curtos e mais intensos...
    é uma boa proposta...

    tem feito muito calor mesmo aqui no Rio!
    e como dá diferença no rendimento!
    pelo menos até a gente se acostumar...

    as condições de muitas calçadas são péssimas!
    é incrível o descaso com o pedestre!
    eu fico pensando não é nem em nós, corredores, mas nas pessoas com dificuldade de locomoção...

    espero que o projeto de um novo centro de atletismo não fique apenas em promessas... um País que vai sediar um evento como as Olimpíadas não pode apenas fazer de conta que valoriza o esporte... tem que fazer, pra acontecer!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que pagamos o preço da nossa "maturidade" social, Elis. Um dia teremos representantes mais engajados para resolver os problemas do povo. Ou talvez aguarda pela boa gestão dos eleitos.
      Os cadeirantes sofrem com a pista off road que montaram na maior parte da cidade. Este é um dos principais motivos para eu madrugar e correr na rua, onde existem menos buracos para tropeçar.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…