Pular para o conteúdo principal

42 aos 42

Estava conversando com o Glaucio sobre a maratona que resolvi correr e ele brincou que correrei os 42 Km no ano dos meus 42 anos. Coincidência? Acaso? Numerologia? Sei lá. Sei que 42.195 metros serão desafiados no dia 7, do mês 7, com largada prevista para as 7 da matina. Outra coincidência? Acaso? Numerologia? Sei lá. Sei que serão 23 semanas, ou melhor, 92 treinos (com algumas corridas) para ganhar ritmo até o dia D. Ou seria melhor dizer M, de Maratona?

INICIO DOS PREPARATIVOS: OS EXAMES MÉDICOS
Então resolvi cumprir com a primeira parte do projeto: os exames de início de ano. Por recomendação da minha esposa fui ao Dr. Geraldo Peixoto, que achei excelente. Pela primeira vez pude ver meu coração batendo (saudável, diga-se de passagem) através de uma ultra sonografia. Com o sinal ver do doutor, comecei a viajar no planejamento, mas ainda havia uma segunda etapa: os exames de sangue. Depois de algumas semanas retornei com o resultado para ele dizer que os indicadores estavam excelentes e que não havia necessidade de mais nada. Eu podia seguir em frente. Então fui para a terceira: o dentista. Sim, cáries podem gerar problemas físicos (um dia tento escrever sobre isso, mas por enquanto você pode ler Boca sã, Corpo são). Mas como o dentista não achou nenhuma, saí feliz e sorridente para correr. Por capricho, ainda quero visitar um ortopedista para fazer o acompanhamento dos combalidos tornozelos de quem jogou volei e basquete por muito tempo e os torceu inúmeras vezes.

UMA ASSESSORIA ESPORTIVA
Depois de muito refletir sobre treinar sozinho (ou não) para a maratona, resolvi ouvir o bom senso (diz-se Glaucio) e procurar um especialista. Fiz uma entrevista com ele no último sábado e gostei da proposta feita e do clima da tenda. Criterioso, ele me pediu para realizar o teste ergométrico, que acabei realizando na Clínica do Dr. Caldas aqui em Niterói, visto que a agenda do Dr. Geraldo só me permitiria fazer o exame em março. E assim fui na última quarta-feira, usando trajes de corrida.

TESTE ERGOMÉTRICO
Ao entrar na clínica tive a primeira surpresa: o astral. Parecia que eu estava em uma academia (mas não deixava de ser, visto ser um centro de reabilitação). Esteiras, gente correndo e sempre um médico supervisionando tudo. Quase todos utilizavam camisetas de alguma prova! Que barato!
A consulta começou sem atrasos (isso ainda existe) e a entrevista com o Dr. Caldas foi longa. Apenas uma hora depois ele começara os preparativos para o exame. A pressão era aferida frequentemente em meio as explicações de como o teste que tinha previsão de duração de 12 minutos iria ocorrer.
O desafio começou com uma corrida leve a 7,5 Km/h e foi aumentando, aumentando, aumentando e AUMENTANDO!!! Enquanto me recuperava do bem sucedido teste, consegui guardar algumas informações: “excelente teste!”; “passamos dos 12 minutos”; “você venceu a esteira! Chegamos no limite de 14 km/h! Muito bom!”; “Sem restrições”; “sua FCM registrada no sistema ficou em 176 bpm, mas a aferição manual mostrou um pico em 180 bpm”; “o relatório completo fica pronto até sexta-feira”. De qualquer forma, bateu dentro do esperado, conforme as zonas de exercício.
Como prometido, o exame me foi entregue na sexta e alguns dados interessantes valem ser registrados aqui:
1. FCM: 176 bpm. Acho que eu precisaria de mais tempo para chegar aos 179 da fórmula de Karvonen
2. Limiar Anaeróbico: 152 bpm. A partir daqui o bicho começa a pegar
3. Esforço Máximo: 176 bpm. Foi o que o sistema marcou ali pelos 12 minutos
4. VO2 máx.: 44,47 ml/(kg.min)
Liberado, volto minhas atenções para os treinos e aguardo pela minha planilha personalizada pelo treinador. Enquanto isso, nestas duas primeiras semanas, eu venho usando a planilha do site da O2 para 21K INTERMEDIÁRIO para começar a me acostumar com a velha pegada de muitos quilômetros nos treinos semanais. Por falar em treinos, tenho que dar meu jeito de correr 4 dias na semana, para se correr uma maratona com saúde. 
A primeira semana de treinos foi mamão com açúcar, mas o segundo treino desta semana foi uma belezura, do tipo "pede para sair". Foram 10 séries como seguinte formato: 500 m entre 80% e 85% da FCM + 400 m acima de 85% da FCM + um tiro de 100 m fugindo do cachorro. Foram quase 14 Km cruzando as ruas de Icaraí ao Clube Naval em Charitas. Desde novembro do ano passado eu não fazia um treino com mais de 10 Km. Era outro foco. Estou no bagaço... mas como senti falta disso!

CALCULANDO O VO2 MAX
Já escrevi sobre isso há tempos (leia aqui), mas não custa lembrar que é um tipo de medição para se saber em que nível de condicionamento estamos e para onde se quer ir. O método abaixo se baseou em material disponível na Internet. Os links estão todos disponíveis para sua avaliação.
Fiz questão de efetuar esta conta até para efeito de comparação com o exame. Usarei como referência meu tempo do Circuito do Sol, que corri há duas semanas. Não é a mesma coisa que correr exclusivamente os 2414 metros, mas é um número que eu achava que tratia um resultado aproximado. Vocês verão que nem tanto, pois estratégia para correr 2.4 Km é diferente da que usamos para correr 5 Km.
Primeiro passo: calcular o ritmo. Como fechei a prova com 24’24”, meu ritmo foi de 4’52” por quilômetro. Se você usa um smartphone com sistema Android, baixe o Pace Calculator. De uso simples e prático.
Segundo passo: quanto tempo levei para correr os 2414 metros do Teste de Cooper? O próprio Pace Calculator me informou que fechei a distância com 11’40”.
Terceiro passo: Calculando o VO2 MAX. Usando a calculadora do site do Brian, coloquei 2.414 Kilometers e o tempo de 00:11:40, dando o resultado de 37,77 ml/(kg.min). No site Copacaban Runners também existe um calculadora de VO2 Máx., porém o resultado se basea no tempo de uma prova de 10 Km. Acho, inclusive, mais fidedigno que o exemplo acima.

E O QUE TUDO ISSO QUER DIZER?
O VO2 Máx é uma forma de você sabe o quão bem (ou não) está fisicamente. Pela tabela de Heywood, os 44,47 me colocam em condição excelente, enquanto os 37,77 me colocam com um resultado mediano (mas ainda satisfatório). Para nós leigos eu acho que não dirá mais que isso, mas para um treinador é um indicador para auxiliar na definição do treinamento a ser aplicado.
De imediato eu percebi que o limiar para a corrida leve passou a ser 137 bpm (eu nunca havia conseguido manter 134 bpm) e o limiar para a corrida forte subiu para 162 bpm.

PARA REFLEXÃO
Durante a Maratona de Londres uma jovem morreu correndo. Segundo a reportagem publicada no site Webrun, existem especulações de que o uso de um suplemento possa ser o responsável pelo ataque cardíaco sofrido pela corredora Claire Squires. Resolvi tocar no assunto, pois da forma como a reportagem foi escrita deixa a pensar a Claire se fez do suplemento sem orientação de um profissional de educação física ou nutricionista. Nunca pratique esportes sem antes consultar um médico. Principalmente o cardiologista. Se você possui um histórico de problemas de saúde (seus ou da família), consultar o médico é essencial para que o esporte lhe faça bem.
Boas passadas!

Comentários

  1. maneira muito legal de comemorar os 42!

    e pelos resultados do exame, você está mais do que pronto pro desafio!
    sucesso nos treinos!
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E vamos que vamos, Elis :-)
      Esta retomada de treinos pesados está me impressionando, mas estou melhorando a cada dia. Para não ficar louco treinando, vou correr a K21 Arraial do Cabo. Vocês falaram tanto ano passado que depois de Búzios, me vi obrigado a experimentar esta doideira também.
      Beijos

      Excluir
  2. Olá, André.

    Definir uma prova do calendário não é tarefa fácil. São tantos eventos convidativos e além disso conta o tempo de preparo para uma desafio como a Maratona. Desejo sucesso nos treinos. Tem tudo para dar certo. Foco, força e fé, meu amigo.

    Abraço e bons km's!!

    Helena
    correndodebemcomavida.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela força e pela visita, Helena.
      2013 será um ano de muitas novidades. Maratona, treinador, Cross Country.
      Sucesso para você também!
      Boas passadas!
      André

      Excluir
  3. Estou mesmo adorando ler sobre sua preparação para a maratona, André!
    Por favor, continue nos contando sobre tudo! :)
    E nada como correr com tranquilidade, sabendo que está tudo bem com a saúde, né?
    A propósito, André, essa Clínica do Dr. Caldas, em Niterói, é especializada em medicina esportiva?
    Abraços,
    Renata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata!
      Olha, para minha surpresa o nome da clínica começa com a palavra FITCENTER. Acho que sim. A simpática recepcionista conversou tanto comigo que misturei o que ela falou. O único ponto negativo é que ele não trabalha com convênios, mas valeu cada centavo fazer o teste com ele.
      Fico feliz que compartilhar esta aventura esta sendo uma leitura prazerosa. Esta chance de conhecer pessoas só aumenta a motivação em manter este blog.
      Obrigado pela visita.
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…