Pular para o conteúdo principal

RESENHAS: Revista Runners #52

CORRER É DEZ!
Os editoriais do Maurício Barros têm sido inspiradores e desta vez foi também nostálgico. Enquanto lia suas palavras minha mente voltou a 2010, quando debutei na distância no Circuito das Estações Adidas - Etapa Inverno - depois de estrear nos 6 Km da Family Run. Gostei tanto que o Glaucio teve que gastar saliva para me convencer a correr meias maratonas em 2011, mas mesmo assim segui fiel aos 10 Km, quando na mesma Adidas Inverno - agora na de 2011 - fiz meu melhor tempo na distância. Até quando me recuperava da bursite os 10 Km foram meus aliados e com certeza continuarão sendo por muito tempo.
Como o Maurício disse, esta prova tem o tamanho perfeito. Caiu no gosto popular e espero que caia no seu.


DE VOLTA PARA O FUTURO
Se você tem costume de registrar seus treinos, a coluna TREINO deste mês lhe será muito útil. O tema do mês é aperfeiçoamento. O texto sugere a criação de um diário (nos dias atuais diz-se blog; se você vai compartilhá-lo é outro assunto) para registrar treinos e provas, observando tudo que os envolve para avaliar seu desempenho. Foi impossível não lembrar da Adidas Verão 2011, quando o calor comprometeu o rendimento e do Circuito do Sol 2013, quando não consegui treinar como deveria.
Apesar do texto sugerir que anotemos TUDO, posso dizer que poucas cousas realmente interferiram nos meus resultados, tais como: irregularidade dos treinos, poucas horas de sono e o calor. Mas cada um sabe, ou vai descobrir, onde o calo aperta.

TRABALHO EM EQUIPE
Um por todos e todos pelo revezamento. Mesmo que você esteja começando posso lhe dizer que uma prova de revezamento tem a capacidade de despertar o melhor corredor que existe em cada um de nós. Não apenas pelo tempo que você é capaz de fazer, mas pela gana que o trabalho coletivo provoca. Se sentir parte de algo maior trouxe uma dose extra de energia. Na Ecorun 2011 fiz o meu melhor tempo na prova de 5 Km. Tão bom que só fui superá-lo no final de 2012. Outra prova de revezamento que fiz foi a Maratona de Búzios, onde corri is primeiros 21 Km e o Glaucio a segunda metade. Saber que alguém me esperava extirpou qualquer idéia de fraquejar e muito menos desistir. É superação em cima de superação. Recomendo a todos!

MANTENHA A ATENÇÃO
A matéria da coluna PELOTÃO DE FRENTE levantou um tema muito interessante: a corrida consciente. O texto questiona se durante o ato de correr ou nas atividades complementares focamos no desenvolvimento da técnica de corrida. Porque para correr precisamos de algumas semanas para ganhar fôlego, mas correr performando são outros quinhentos. Correr corretamente para sofrer menos desgaste, ou para ser mais rápido, é um ato consciente e requer concentração nas passadas e exercícios. Pode parecer sem sentido, mas você realmente pensa no que está fazendo enquanto corre, ou está ouvindo música, ou pensando na vida? Nada contra, mas separe algum tempo para dar atenção ao movimento, pois correr corretamente também é importante para evitar lesões. Falo por mim, pois o trabalho que realizei ano passado (veja Em busca de mais velocidade) foi fundamental para o momento que estou vivendo. Estou tão rápido quanto em 2011, mas correndo diferente e sem dores ou desconfortos.

NA MACIOTA
A coluna CORPO+MENTE veio com um tema que nenhum corredor que ouvir falar, ou muito menos sentir: lesões. Os veteranos com certeza já ouviram falar dos métodos abaixo, mas é um aviso importante para os iniciantes, que normalmente sofrem com uma canelite ou facite plantar em seus primeiros meses de treino.
As dores e lesões da corrida podem ser evitadas ou contornadas com três ações: correr em terrenos mais macios (tipo a grama), uma corrida mais técnica (com menos impacto) e a adoção do cross training (outras atividades complementares a corrida). Eu, particularmente tentarei aproveitar alguns treinos para trocar o calçadão pela areia dura da praia, ou pela terra batida do Campo de São Bento. Minha nova amiga de blog, Renata, passou maus bocados ano passado. Ela infelizmente sofreu com as lesões dos iniciantes, as está recuperada e ganhando ritmo. Quem puder visite o blog dela e mande um oi :-)

CORRIDA TRANSCENDENTE
O Marcos Pauli Reis lembrou com pesar que apesar de fortes somos poucos. O número de pessoas que praticam atividades físicas ainda é muito pequeno em relação aos sedentários espalhados Brasil a fora. Há algum tempo foram publicados alguns números da obesidade em nosso país. Algumas coisas me chamaram a atenção, dentre elas: a) 12% dos homens e 17% das mulheres com mais de 20 anos são obesas; b) 17% dos meninos e 12% das meninas entre 5 e 9 anos também são obesas; c) apesar da melhor distribuição de renda conquistada nos últimos anos, o brasileiro segue uma péssima dieta alimentar de refrigerantes, biscoitos e lasanhas congeladas; d) 13% das mortes em 2008 tiveram relação direta com o sedentarismo, matando mais que o cigarro; e) a OMS considera a obesidade uma epidemia. 
Faltou explicar o que é uma pessoa obesa. Existe uma fórmula para se calcular o índice de massa corporal. Na coluna lateral do blog existe uma calculadora que você pode utilizar. Talvez ela seja o primeiro e mais importante passo que você poderá tomar em direção a vida saudável, seja para si ou para alguém que você tenha condições de orientar. E não se esqueça que para prática esportiva ou para reeducação alimentar (esqueça as palavras regime e dieta) procure um médico. 
Eu continuarei militando, através deste blog e do exemplo. Afinal, a chance do filho seguir uma vida plena e saudável praticando uma atividade física é assistindo aos pais ou chegados fazendo algum esporte.

REPROGRAMANDO
Conheço o termo EDUCATIVO desde os tempos de colégio, quando fazia parte da equipe de natação do Salesiano. O educativo era uma parte muito singular do treino, pois nos salvava (ou ajudava a nos recuperar) dos treinos mais intensos, ou fazia o tempo passar mais devagar enquanto executávamos as braçadas em câmera lenta. O objetivo era realizar o movimento perfeito e com o tempo aquele movimento virou um hábito.
O bom de se executar o movimento adequado é que com a mesma quantidade de energia desprendida, somos capazes de render mais. Assim, conseguiremos ir mais longe ou mais rápido. A matéria MATEMÁTICA DA CORRIDA trás informações interessantes que complementam este pensamento. Quem treina o movimento perfeito deve correr (literalmente) em busca de uma pisada em que o contato com o solo não seja superior a 0,3 segundo. O como você vai aferir isto está na matéria. Outro ponto interessante é que o movimento adequado das passadas levará você ao número mágico de 180 passadas por minuto. Daria para falar de outros indicadores, mas este são os que considero essenciais para a boa corrida.
Meu pós-lesão foi de dedicação total a modificação da forma como eu corria. Busquei uma pisada com menos impacto, menos contato com o chão e que consequentemente exigiu muito mais das panturrilhas. Os demais músculos reclamaram também, mas em menor proporção (leia A importância da técnica). O assunto é tão extenso que vou parar por aqui com o link deixado pelo Iberê com um exemplo de um educativo no link http://abr.io/BnTM.

OLHO NO LANCE
Não compartilho a idéia de sucesso a qualquer custo. Estas são as últimas palavras que escreverei sobre o caso Lance Armstrong. 


DAR DE 10
Mandar ver em uma de 10 Km é preciso velocidade e resistência. Para os amadores é a fronteira entre diversão e a paixão pela corrida. É a prova em que o condicionamento é posto a prova e que comporta vários tipos de desafios, seja para um iniciante concluir, ou para vencer a distância abaixo de 60, 50 ou mesmo 40 minutos. Abaixo disso trata-se de alto rendimento. Outra praia.
As planilhas elaboradas pelo técnico João Paulo Pachela bem que poderiam ir para o site da Runners, mas na dúvida digitalizei as páginas e as manterei aqui no blog (papel se estraga). Basta clicar em cima da imagem para ampliá-la. São 4 as planilhas: estreantes, sub-1h, sub-50 e sub-40. As duas últimas me têm serventia. As duas primeiras dedico a todos os iniciantes, em especial aos amigos que já venceram os 5 Km. Por fim, não posso deixar de mencionar o quanto o reforço muscular (diz-se musculação) é importante para melhor nosso desempenho, ou evitar lesões. Eu sou adepto dos exercícios funcionais, pois minha cota de academia chegou ao limite. Mas de qualquer forma, segue também a página que fala sobre o assunto.
Estreantes
Sub-60

Sub-50

Sub-40

Musculação e Alongamento


Comentários

  1. André,

    Shoe de bola sua resenha sobre a Runners de fevereiro. Aliás, fui lendo vários textos seus aqui e gostei bastante. Já assinei seu blog, para acompanhar as novidades e os próximos textos.

    Grande abraço e bons treinos.
    Brunno - http://movidoaendorfina.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos elogios e seja bem vindo, Brunno.
      Linkar os antigos foi uma forma de resgatar os posts antigos, pois eles são importantes. Retratam uma etapa que venci e pode ser útil para outras pessoas.
      Novos posts virão, pois a parte fantástica deste esporte é que correr gerar novas informações todos os dias.
      Vou dar um pulinho no seu "canto" mais tarde.
      Boas passadas!
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…