Pular para o conteúdo principal

Aquilo que nos molda


Esta semana eu gastei um tempo surfando no LinkedIn, o “facebook” corporativo, pois os artigos publicados ali são muito interessantes. Particularmente, tudo que tange o comportamento humano me chama a atenção e foi quando me deparei com um texto falando o desenvolvimento da inteligência emocional. Porém, o que me chamou a atenção foi a parte que ele explicou o funcionamento do cerébro e as novidades que a ciência trouxe recentemente para o assunto.
O cara inicia o texto falando sobre o mito de que as células nervosas não se reproduzem e são finitas. Isso foi verdade até recentemente, quando um centro de pesquisa especializado em mapeamento da atividade cerebral rastreou uma célula se reproduzindo no cérebro. A partir da célula mãe foi visto uma divisão celular gerando uma célula macho e outra fêmea. A fêmea continuava a perpetuar a replicação e a macho seguia para alguma área do cérebro para substituir células em um conexão neural, ou participar de novas conexões neurais.
Pulando a parte de ciências, fica claro que as nossas ações são gerenciadas por uma rede neural específica. A partir do momento que aquela rede é costurada, temos uma ação padronizada. Um hábito. Repetir aquele ato vai ficando cada vez mais fácil, mais simples. Se torna um hábito, seja este saudável ou ou não. 
Para uma criança o aprender é mais fácil do que para um adulto, pois ela não tem que "perder tempo" suplantando velhos hábitos. Um adulto para começar uma nova atividade, possivelmente ele terá que suplantar algum velho hábito, o que cientificamente quer dizer deixar de usar uma rede neural e criar (literalmente) uma nova. Nosso cérebro (ou talvez eu possa dizer o corpo inteiro) obedece a padrões e o momento de mudança é de conflito dos velhos hábitos com os novos. Ele diz que o cérebro necessita de três a seis meses para construir a nova rede e tornar aquela nova ação um hábito. Se você se perguntava o motivo pelo qual tanta gente desiste dos novos desafios, ou não consegue manter algum padrão de ações, esta é a explicação. Ter disciplina para priorizar suas ações é um diferencial entre o sucesso e o fracasso. No nosso caso, entre o sedentarismo e uma vida saudável.
Nota. Esta é minha livre interpretação do artigo. Não sou especialista em neurologia ou coisa e tal. Se tiver interesse texto original está disponível neste link, Developing Emotional Intelligence.
Youtube. Vez outra esbarro em um vídeo legal sobre corrida, mas este eu resolvi resgatar do passado. Ele tem muito a ver com este texto.
Boas passadas!

Comentários

  1. André, show de bola seu post.

    Muito bacana a leitura que você fez do artigo, relacionando com a questão dos velhos hábitos, da disciplina e o rompimento de barreiras para se levar uma vida mais ativa (menos sedentária).

    O vídeo no final é sensacional. Inspirador. Ontem mesmo fiz algo que o vídeo fala: atrasei meu almoço e deixei de ter a companhia de colegas para ir até a academia e fazer sessões de fortalecimento muscular.

    Em alguns momentos (ou em todos?) temos que fazer escolhas, abrir mão de algumas coisas e fazer alguns sacrifícios em busca daquilo que acreditamos (ou queremos).

    Abraços e bons treinos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Brunno.
      A vida são inúmeras encruzilhadas e cada direção tem suas consequências (boas ou não). Estar aberto ao novo é uma habilidade primorosa que uma pessoa pode ter. É bom para ela e para aqueles que a cercam.
      Em relação ao vídeo, fica a mensagem que precisamos separar um tempo para nos cuidar. Seja correndo, ou de algum outro jeito qualquer.
      Por fim, uma frase que guardo com carinho:
      "Devemos lembrar que o corpo humano é uma máquina construída para o movimento. Enquanto as outras (máquinas) se desgastam, o organismo humano se aprimora com o movimento. Se feitas de forma adequada, as corridas somam positivamente na longevidade. Se entrgar ao sofá é que não ajuda nada" - Dráuzio Varella

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…