Pular para o conteúdo principal

Circuito do Sol 2013 - Relato da prova

Como toda boa corrida, os preparativos começaram na véspera. Arrumei a roupa, prendi o número de peito, cuidei da alimentação e dormi cedo. Afinal, horas de sono são importantes para o bom desempenho. Dormi tão bem, mas tão bem, que acordei estapeando o despertador. Ele tocou um monte de vezes, tentando me lembrar da corrida. CORRIDA! Seis e quinze!
Um banho frio para acordar, uma tigela de sucrilhos para acalmar a barriga, roupa, documentos e bora para o carro. Enquanto atravessava a ponte lamentava por ter esquecido a braçadeira. Iria fazer a corrida sem o Runkeeper. Em meio aos impropérios que eu proferia, o Eric me ligou para saber onde eu estava. Respondi que estava atrasado e atravessando a ponte. Lembrei que tinha combinado de encontrar a Renata, companheira de blog, para tirarmos ao menos uma foto. Lembrei do resto da galera toda... suspiro.
Com a perimetral parada (acidente), o jeito foi atravessar lentamente a Presidente Vargas. O coração já estava acelerado, pois passavam das sete e meia. A preocupação com a largada começava a me incomodar. Eram quinze para às oito quando estacionei o carro. O aquecimento foi feito numa corrida até o local da prova. 
A sorte me fez achar o Eric e ainda conseguimos trocar uma idéia e tirar algumas fotos, depois que peguei o chip e "guardei meus volumes". A baia de largada já estava lotada, assim assistimos a multidão passar para depois seguirmos quase dez minutos depois.
Slalom gigante. Era muita gente mais lenta a minha frente, mas o errado era eu. Eu não deveria estar ali. Agitado, terminei o km 1 em 4'11", mesmo tendo que fazer muitas ultrapassagens e zigue-zagues. O corpo iria reclamar mais para frente com certeza. Reduzi o ritmo para fechar o km 2 perto de 9'00". Veio o primeiro ponto de hidratação e passei ileso e sem atropelar ninguém. Tomei coragem e olhei para o monitor, que marcava 97% da FCM! Me assustei e perdi um pouco o ritmo. Tentei esquecer o fato de que o esforço estava maior que o planejado e recobrar o ritmo de prova.
O percurso era estranho e o retorno só aconteceu com 2.700 metros de prova e por cima do gramado que separava as pistas. Ficou meio confuso ali, mais fechei o km 3 com 14'11". Estava um pouco acima do ritmo planejado e nem a água no segundo ponto de hidratação ajudou a alcançar o ritmo planejado. As duas semenas mal dormidas e mal treinadas bateram como kriptonita no km 4, que fechei com quase 19'40" (uns 5'30" neste quilômetro). Eu estava em ritmo de meia maratona, tamanho o cansaço. Fui para o último quilômetro com os dentes trincados e o coração na garganta. Esqueci os fotógrafos, esqueci o monitor, esqueci meus limites conhecidos para fechar com 24'24", quatorze segundos além do meu recorde pessoal. Mas eu estava feliz, afinal a média foi inferior a 5 min/km. Não era o desejado, mas o esperado.
Enquanto aguardava pela massagem olhei espantando para o monitor cardíaco, que registrou uma máxima de 105% da FCM. A discussão sobre a exatidão da fórmula de Karvonen em pessoas treinadas voltou a me incomodar. Saber com exatidão minha FCM trará efeito direto nos treinos para a maratona.
Ainda pude bater um papo com o Eric após a prova para descobrir que o aspirante a corredor melhorou sua marca pessoal em incríveis QUATRO MINUTOS. E foram poucas semanas de treino desde a Adidas Verão! Tem futuro :-) 
Ele já me confessou que completará a mandalá do Circuito das Estações e que inclusive já se escreveu para a etapa Outono no início de março! Só tenho a lhe dizer parabéns, pois quem sairá ganhando com tamanha dedicação é você, meu amigo.
Algumas fotos depois ele foi embora. Ainda rodei um bocado em busca dos amigos, mas não tive sorte. Arrumei as coisas e tomei rumo para casa já com o planejamento para a K21 Arraial do Cabo e a Maratona do Rio na cabeça. 
Avaliação da prova. Como toda prova da O2, a retirada do kit, do chip e guarda volumes são extremamente organizados. A largada segue ao ritual de um nível razoável, pois os participantes pouco ajudam para ser melhor. A camiseta regata é muito confortável, mas não parece que vai durar muito. A medalha muito bonita e as frutas de boa qualidade. A surpresa foi a ausência do isotônico e a presença de uma bebida de gosto duvidoso em seu lugar de coco e manga - blargh! Mas patrocínio é patrocínio. A partir de agora vou verificar este item nas corridas com mais atenção.
Afinal, qual a minha FCM? Fiz o check up com o cardiologista na última semana e fui liberado sem restrições para continuar correndo. Como ainda vou retornar para apresentar o exame de sangue, tentarei conseguir um encaminhamento para um teste ergoespirométrico.

Comentários

  1. Muito bom o relato. O Início do dia foi emocionante!!
    Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Japarun,
      Eu sempre gostei de chegar com antecedência aos eventos, seja para fotografar, encontrar os amigos, fazer um aquecimento decente... coisas do tipo.
      Deve ter sido o efeito férias.
      Obrigado pela visita e pelo elogio.
      Abraços.

      Excluir
  2. O que é aquela bebida de coco com manga, André? Argh mil vezes!

    Eu sou bem chata com horário, mas também não contava com o acidente na perimetral...

    Mas a gente tem várias outras corridas para conseguirmos nossa foto! :)

    E, olha, esse tempo de 24'24'' para mim não é nem de corrida, mas de voo! rs

    Parabéns mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata.
      Minha mãe diz que se não podemos falar bem de alguém é melhor não dizer nada... mas não deu. Que bebidinha terrível!!!
      Quanto a foto, uma hora ela sai. Até pelo calçadão de Icaraí ou São Francisco. Quem sabe?
      O tempo é fruto dois quase 3 anos de treinos. Nada demais. A corrida é um esporte muito honesto e sem atalhos. Colhemos o que treinamos :-) Lembro saudosamente da minha primeira prova de 6 Km e o quanto já corri de lá pra cá. Mas é assim. Cada passada ganhamos força, velocidade e muita, mas muita alegria. Ô! esporte maravilhoso este!
      Segue o link do post para você ver como eram as coisas há 3 anos atrás. http://andreeotenis.blogspot.com.br/2010/07/treino-e-treino-corrida-e-corrida.html
      Abraços.

      Excluir
  3. Boa André, feliz por vc conseguir RP. Na última da Adidas, verão, peguei um engarrafamento na perimetral que tive q aquecer entre o estacionamento e a largada. É bem estressante isso. Esse suco de manga com coco é uma titica, já tive o desprazer de beber em 3 corridas e olha que fui insistente em tentar gostar, mas é complicado.

    Grande Abraço

    Victor Caetano

    corridaurbana.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Três corridas?!? Você é o meu herói, Victor.
      Abs

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…