Pular para o conteúdo principal

RESENHAS: Runners #56, parte I

Sabe aquela revista que você, lê, relê e quando vê, gostou de tudo? Pois é, a edição 56 da RW foi assim. A resenha ficou tão grande que preferi dividí-la em duas partes para que quem passasse por aqui tenha fôlego para ler o post inteiro. A segunda metade vem daqui a alguns dias.
Boa leitura.

MAIS TREINOS
O Maurício Barros foi muito feliz (novamente) no editorial da revista já no primeiro parágrafo, que faço questão de compartilhar com vocês: "Nutrição, motivação, inspiração. Tudo isso é importante e parte do universo da corrida. Difícil evoluir como atleta se você não ingere os combustíveis certos, se não calça o tênis com a faca nos dentes, se não se abastece de grandes histórias e bons exemplos. A essência da prática esportiva, porém, é o treinamento."
Corroboro com cada palavra do Maurício, pois não há meios de enganar a corrida. Você colhe o que você treinar. Não falo apenas de intensidade, mas também de regularidade, de continuidade visto que a menor das planilhas dura de seis a oito semanas. Então aproveite cada minuto, cada quilômetro e se transforme.

NO RELÓGIO
A coluna TREINO não poderia ficar de fora desta resenha. Ela trás o resultado de algumas pesquisas:
  • Longão é mais eficiente logo cedo, inclusive para queima de gordura. Bom para perder uns quilinhos;
  • Tiros são mais eficientes a noite, pois o corpo está mais quente e os músculos soltos para o estresse;
  • Treinos de qualidade não devem ser feitos sem alguns dias de intervalo. Corpo cansado não evolui;
  • Uma boa planilha têm ciclos de maior e menor intensidade. O ideal é seguir numa crescente e ter um descanso entre os microciclos.
Relaxe. Isto são as MELHORES praticas para o esporte, mas não as únicas. Estamos falando de excelência. Queria eu ter uma agenda flexível para pratica esportiva em níveis diferenciados. Adoro esporte, não apenas por fazer bem a saúde. Gosto da prática esportiva.

LONGA POLÊMICA
A coluna TREINO trouxe a tona uma preocupação com os longões. Eu achei a matéria tão interessante que dediquei um 
post ao assunto.

DESPENSA
Não sou de falar muito sobre dieta e alimentos, mas na última semana comecei a consumir amêndoas. Coincidentemente a reviste trouxe a informação de que "elas têm grande quantidade de vitamina E e manganês, uma dupla que fortalece a imunidade". A couve já faz parte do dia a dia foi legal saber que "a couve tem compostos que acalmam as inflamações, (...) ajudando você a se sentir melhor quando está doente".

UNIDOS VENCEREMOS
A matéria do Mário Sérgio tem um início no mínimo inusitado, quando ele fala de uma pesquisa que desejava identificar como as pessoas poderiam viver mais e melhor. Em primeiro lugar estava o uso do fio dental e em segundo os hábitos das pessoas com as quais convivemos. Pois é, as pessoas que nos cercam interferem diretamente na forma como vivemos. Para não cair numa velha discussão de quem influencia ou é influenciado, vou me ater ao que ele disse: amigos esportistas influenciam positivamente.
Sou a prova viva disso. Verdade que comecei a correr por conta própria, mas descobrir uma companhia no meu compadre Glaucio foi importante. Ter tido o Sérgio como pacer na minha primeira meia maratona foi especial, até por tê-la completado abaixo de duas horas. O que dizer do Lindenberg, que caiu na pilha e hoje voa mas provas. Com a ajuda dele fiz meu melhor tempo nos dez quilômetros. Ainda posso falar de pelo menos uma dúzia de pessoas entre novos e velhos amigos que vieram para este fantástico universo. Além deles, ainda existem meus companheiros de blog compartilhando suas experiências. Então, diante de tantas evidências, eu afirmo que as companhias realmente interferem em nossas vidas.
Sinta-se convidado. Seja bem vindo ao nosso mundo.

UM, DOIS, TRÊS, JÁ!
Quando passei o olho na matéria do Marcos Paulo na coluna NO PIQUE e vi que ela falava de triatlo, confesso que torci a boca. Mas se coração aberto me propus a lê-la. A parte boa é que me surpreendi positivamente com as distâncias do triatlo olímpico. Achei que ele fosse mais que o 1,5 km nadando, 40 km de bicicleta e 10 km correndo. Em uma viagem mental sonhei com uma prova com três horas de duração. O Neném (meu treinador e que cedeu o nome para a CE+3 Assessoria Esportiva) que não me ouça, pois não tenho nem quero ter uma bicicleta. Mas o que me chamou a atenção foi a citação de que "o triatlo deixa o corpo mais harmônico, pois trabalha membros superiores e inferiores".
Após o MBA eu penso em retomar a natação, esporte que me acompanhou a vida toda. Vai ser bom trabalhar a parte de cima e gerar novos estímulos no corpo.


DE MARATONAS E SEDUÇÃO
Baixou o espírito do Tom Jobim no Iberê. Dava para fazer bossa nova com o texto dele. Mas concordo com ele, pois se Maratona fosse uma mulher seria das mais difíceis. Em compensação estar com ela um dos maiores prazeres.

Comentários

  1. Nossa, eu estou ansiosa pela continuação, dei bobeira e não comprei a revista, bateu o maior arrependimento agora. Vou falar com o revisteiro, rsss.
    Bons treinos André
    Beijos
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A revista realmente está muito boa, mas é antiga. Será que é muito caro mandá-la por correio?
      Já li e registrei...
      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…