Pular para o conteúdo principal

RESENHAS: Runners #56 parte II

CALENDÁRIO CORRIDIANO
Este mês tá todo mundo fazendo graça. O Professor X fala sobre a gestão do tempo, da rotina e a forma como percebemos o tempo passar. Fala de quanto uma planilha altera nossa percepção do tempo e suas idiossincrasias.
Eu percebi que não odeio mais a segunda-feira. Sinto muito pelo Garfield, mas segunda é o dia que antecede meu primeiro treino da semana. Não dá mais para ter antipatia por ela. Quarta, além de ser bom por conta do futebol e também antecede a corrida da quinta. A sexta-feira e seu S da saideira. É o S que separa a semana de trabalho do final de semana. É o S que lembra o sábado. Para fechar a semana de treinos tenho o domingo e o longão. Os dias nunca mais foram convencionais, cono o calendário gregoriano sugere. Nem muito menos o fuso horário, pois meus dias começam às cinco e eventualmente tenho a sorte de encerrá-los mais cedo que a maioria. Definitivamente correr nos faz enxergar o copo meio cheio e sobrepor as coisas da vida com mais serenidade.

A REINVENÇÃO DA MÁQUINA
Você gosta de correr na esteira? Desculpe, fui desonesto fazendo esta pergunta. Vou melhorá-la: você já correu na rua e precisou correr na esteira? Não, não. Talvez seja melhor perguntar se depois que você correu na rua, se voltou a correr com alegria na esteira. Brincadeiras a parte, salvo pelo quesito segurança, correr na esteira fica em segundo plano quando falamos de prazer. Se desligarmos a TV e a música veremos as pessoas rezando para o treino terminar. É chato. Se você tem condições de correr ao ar livre, sabe do prazer que é poder curtir um parque, a orla de uma praia, ou mesmo as trilhas. Os diferentes estímulos fazem do treino uma atividade extremamente dinâmica e de certa maneira única. Afinal, dificilmente faremos a mesma coisa, ou veremos as mesmas pessoas. As variações de clima também são um fator único, que dificilmente conseguiremos reproduzir "em laboratório". Mas não descarto totalmente a esteira, em dias de chuva, ou em horários que ir para rua se torna um ato irresponsável, elas são um bom plano b.

FORA DA CAIXA
Para quem já sentiu a dor de uma lesão, qualquer ajuda é bem vinda. A matéria trás quatro métodos para nos ajudar na recuperação de uma lesão, ou atuar de forma preventiva. 
Acupuntura. Fique surpreso ao ver que o método também tem papel preventivo. Outro ponto interessante é quanto ao poder das agulhinhas que pode reduzir o tempo no estaleiro a metade do tempo com tratamentos convencionais.
Técnica de Alexander. O enigmático método se propõem a nos ajudar no processo de auto-conhecimento, além de seu papel no tratamento de lesões e aprimoramento da mecânica do movimento. O texto falou muito sobre ia benefícios e fiquei sem entender a forma como alcançá-los. Assim, vou transcrever o trecho final, pois achei que seria a melhor de explicar (um pouco) o método:"Apoie os joelhos no chão, mantendo o fêmur reto. Perceba o alinhamento entre seus ombros, quadris e joelhos. Então abaixe os glúteos e sente-se sobre as pernas, permitindo que is músculos relaxem. É assim que a maioria das pessoas corre. (...) Como se estivesse sentado. Mas muita gente não percebe os sinais que o corpo envia. Concentre-se para interpretar este feedback e ajustar sua postura".
Meditação. Toda vez que esbarro no treino lembro do filme Império Contra-Ataca. Lembro do jovem Luke indo para os pântanos de Dagobah aprender um pouco sobre a doutrina Jedi, que remete a meditação. Mas achei uma frase no texto que talvez traduza com maestria Jedi o poder da meditação:"(...) o objetivo de encontrar conforto em uma posição desconfortável." Correr é um ato adverso, que requer empenho. Aprender a gerenciar a fadiga é um diferencial.
Rolfing. É a primeira vez que ouço esta palavra, mas a proposta é tão interessante quanto as demais. Através da consciência corporal, o método trás como benefício primário a melhora da eficiência respiratória. Também possui aplicabilidade na prevenção e tratamento de lesões.

Ufa! É isso! Uma das melhores que já li.
Boas passadas!

Comentários

  1. Tá legal Demais esse post.
    Acupuntura realmente funciona.
    Meditar está um pouco alem do meu tempo mas pode ser que seja bom, porque não?
    E esteira, bem, não dá pra dizer que nunca, mas que é a última opção da lista é.
    Beijos André
    Boa semana
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju.
      Valeu o feedback e obrigado pelo elogio.
      Segundo algumas leituras, quem corre sozinho e sem música atinge níveis mentais semelhantes que a meditação proporciona. #ficaadica.
      Quanti a esteira ... nossa... como sou resistente a ela também. Prefiro pegar chuva inclusive -risos.
      Beijos, Ju
      Até o próximo post.

      Excluir
  2. Correr com o visual que a gente corre, ter a opção de usar a areia da praia e, no final, ainda beber uma água de coco geladinha me fez colocar a esteira na categoria tortura cruel!
    Saudades de você, rapaz! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Faz tempo que não nos esbarramos :-)
      Em relação a esteira, parece que a coitada é uma unanimidade àqueles que têm a corrida de rua como primeira opção.
      A Drica vai elaborar um manifesto devido a sua ausência nos encontros - risos.
      Beijos

      Excluir
    2. Sobre nossos encontros, que injustiça! rs

      Quando será o próximo???

      Quero estar lá, sem falta.

      Posso te pedir uma gentileza, André? Tenta marcar ao meio-dia. Ou então bem mais tarde, tipo depois de uma e meia ou duas horas. Assim eu não terei desculpas! rs

      Beijos.

      Excluir
    3. Esta semana foi complicada, mas vamos tentar marcar algo para segunda ou terça.

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…