Pular para o conteúdo principal

Pare de fumar

Decidi antecipar esta matéria da RESENHA da Runners #57, pois tabagismo é um assunto emblemático. Faz mal, todo mundo sabe, mas por um jeito ou de outro acaba fumando. Até eu já tive minha fase, apesar de uma vida fortemente amarrada a atividade física. Fui ainda mais irresponsável que os irresponsáveis por conta da bronquite (asma se preferir), que nunca deixou de estar presente na minha vida.
A reportagem impressiona. Não tem como se sentir bem ao ler as palavras jovem, vício, fraqueza e dependência reunidas em um mesmo contexto. A matéria GABI CONTRA O CIGARRO é uma breve nota de um mal que assombra a juventude. Foi na minha época e continua sendo nos dias de hoje. Os motivos também. Influência do grupo, ou da família.
Segundo a revista, 1/3 da população adulta do mundo ainda fuma e os efeitos sobre o pulmão é o menor dos males. O pulmão tardiamente poderá desenvolver um câncer, mas durante este caminho você verá uma pessoa dependente quimicamente, com crises de ansiedade e possíveis variações de humor. Tem mais, mas acho que já escrevi o suficiente sobre os malefícios deste pequeno objeto.
Desejo sorte e força de vontade para a Gabi.

Comentários

  1. Oi André.
    Sempre digo que parar de fumar (ou qualquer outro vício) depende de cada um. Tive minha fase na adolescência (apesar de breve) e nem me imagino fumando novamente. Destacar o tema aqui, aliado a atividade física, é muito bacana. Força pra todas as Gabi's desse Brasil.
    abraço e boas corridas.
    Helena
    Blog Correndo de bem com a vida
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helena.
      Eu me pergunto (há tempos) o motivo pelo qual a mídia (toda ela) prefere dar ênfase aos fracassos ou invés dos sucessos do cotidiano. Pior é que tem gente que olhará para estas linhas com rejeição, julgando ser um desejo de um mundo puritano. Longe disso, pois mesmo nesta filosofia positivista todos continuaremos a ter problemas de inúmeras ordens.

      O que eu desejo passar em posts como este é a mensagem de que tudo é possível. Às vezes para quem está cego pelo problema, uma mensagem positiva pode ser o catalizador da mudança.

      Boas passadas!

      Excluir
  2. Oi André, é engraçado como esse assunto é pertinente, meu pai fuma muito, viveu uma vida de excessos e está pagando o preço por essa falha grave, atentar contra a própria vida de maneira lenta e brutal, não suporto o cigarro, odeio pessoas que fumam perto de mim, da minha filha, não tenho amigos fumantes e não sei se saberia conviver com esse vício, até porque a pessoa me tornaria uma fumante passiva e eu batalho muito pra ser saudável. Não aprovo, mas desejo sorte para quem quer parar sei que é difícil então o melhor é não começar mesmo.
    Beijos
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Ju.

      Aquela velha frase do "paro quando eu quiser" já levou muita gente nesta vida. Alguns próximos e outros nem tanto, mas cada sabe o que é melhor para si (ou deveria).
      Eu sou muito grato pela luz divina e pelo "bom senso", apesar deste já ter sido inclusive slogan de uma marca de cigarro.
      Em breve voltarei a falar da minha bronquite e o que a corrida já fez para combatê-la.

      Beijos

      Excluir
  3. André,
    como vc conseguiu correr e fumar? Eu fumava de carona, filava de um amigo, filava da esposa, parava e voltava. Minha mulher engravidou e parou de vez, fui na onda.
    Mas, nao consigo me imaginar correndo e fumando. Deve ser punk.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Xará.
      Quando eu comecei a correr eu já não fumava. O cigarro foi um breve equívoco bem resolvido. Tive sorte, pois não sofri para me livrar do hábito.
      Parabéns pela sábia decisão e por ter se livrado deste problema também.
      Boas passadas

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…