Pular para o conteúdo principal

Adidas Outono/11 - A importância da técnica e da disciplina

Às cinco da manhã ainda estava escuro. Com passos ninja saio do quarto para não acordar o rebento e minha esposa. Café da manhã: granola com iogurte. Enquanto faço o desejum assisto a algumas reportagens em vídeo na Internet, até que me arrumo e saio em direção ao Aterro. Quando chego a ponte, o dia já havia amanhecido e a previsão do tempo foi confirmada: céu nublado e sujeito a chuvas. Temperatura abaixo dos 25 graus, dia perfeito para se correr forte.

Seria apenas mais uma prova em minha vida, mas a diferença é que esta etapa do Circuito Adidas eu não faria sozinho. Perturbei tanto que consegui sensibilizar alguns amigos a corrê-la também. Todos debutaram na prova de 5 Km, mas a chance de eu ter companhia para próxima etapa de 10 Km se tornou grande depois do papo na chegada.
O evento. No olhômetro calculei uns 12 mil participantes. A baia de largada realmente era extensa. Falamos de pelo menos 200 metros de pessoas alinhadas para largar para as provas de 5 e 10 Km. É impressionante como a O2 mantém um nível de qualidade em sua organização. A retirada do chip e o guarda volumes continuam com distribuição impecável, simples e rápida. Os banheiros químicos foram colocados em uma posição muito boa e o cheiro não invadiu o evento.
Preliminares. Desta vez resolvi curtir o aquecimento do evento, ao invés de fazer meu trote de 10 minutos. Afinal, iria esquentar o corpo de qualquer jeito. Depois de concluído os exercícios de alongamento e aquecimento das articulações, não tivemos muito tempo para procurar uma posição de largada. Nos encaixamos no pelotão azul por minha causa, pois os treinos mostraram que eu merecia estar ali. Gostei da estratégia, pois não ficamos muito longe do pórtico de largada. A nossa frente, apenas o Pelotão Quênia e o Pelotão de Elite. Apesar da confraternização com os amigos, eu estava ansioso para correr. Queria de qualquer jeito baixa meu recorde pessoal.
A corrida. Assim como em todas as outras etapas a largada foi com todo mundo a todo vapor. Mas eu estava disposto a ser mais disciplinado do que na Adidas Verão/10. Mantive a concentração para não perder tanta energia ultrapassando as pessoas, pois a partir do Km 2 ou 3 eu sabia que as coisas ficariam melhores e com menos pessoas. Estava tão preocupado em segurar o ritmo, que esqueci de ligar o Runkeeper no Smartphone. Eu já tinha percorrido quase 1,5 Km, assim o aplicativo só iria me auxiliar informando meu pace. O resto teria que ser através do Polar no meu pulso e as placas que informavam a quilometragem.
O desejo de baixar o tempo era tamanho que preferi não ouvir música desta vez. Tentei me concentrar nas passadas, na técnica para manter uma cadência e não gastar energia com movimentos errados. O ritmo estava dentro do planejado, quer dizer, levemente abaixo do planejado, mas não o suficiente para comprometer meus planos. Passei os primeiros quilômetros com o pace beirando 5’15”, o suficiente para pulverizar meu antigo recorde pessoal. As vezes a animação me tomava e eu me esforçava para manter o ritmo, pois ainda não havia chegado na metade da prova. O ponto de controle foi colocado um pouco antes do Km 5 e passei com impressionantes 25’21”. Cheguei a metade do percursos com 26’ alto. Eu estava correndo para baixar de 55’. O RP já estava no papo, mas até onde dava para puxar?
O Polar berrava há algum tempo, pois a frequência cardíaca estava acima de 90% da FCM. Mas eu estava me sentindo bem e tentei manter o ritmo. No Km 7 a velha fadiga começou a aparecer. As pernas começaram a pesar e perdi um pouco de velocidade. Mesmo assim, eu estava mantendo um pace abaixo dos 5’30” e o posto de hidratação do Km 8 serviu para “tomar um banho”. Água na cabeça, braços, pernas e costas. Foi o que me ajudou a puxar aquele resíduo de glicogênio que ainda possuía para fechar a prova com 54’16”. RECORDE PESSOAL. 1'48" mais rápido!!!
Comentário final. Foram quase três meses de treinos tentando aprimorar resistência e velocidade. Foi um período em que os treinos intervalados ganharam intensidade, os treinos de velocidade ganharam ciclos maiores e intervalos menores de descanso, o longão passou a ter 15 Km e o Tempo Run foi incluído na planilha. As grandes vitórias para esta etapa foram:
  • conseguir criar uma cadência para as passadas, graças aos treinos de Tempo Run; 
  • consegui mais velocidade com os intervalados
  • aumentar o longão do final de semana para 15 Km foi fundamental para ganhar resistência
  • ter cumprido com a planilha de treinos sem faltas
Projeto Quenia
Veja como fazer uma corrida melhor para todos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…