Pular para o conteúdo principal

Vida de corredor III

Mais uma sexta-feira chegava ao fim, mas a semana estava longe de terminar. Sábado era dia de ajudar em casa. Quer dizer, tentar ajudar em casa, pois homem não entende nada de casa (não é?). Como todo esportista, não perco o espírito olímpico e tento fazer meu melhor. Por volta das sete da manhã eu já estava de pé, graças ao rebento e depois de uma breve conversa com a esposa, corria para fazer compras.
Primeira parada foi no mercado de peixe em busca de uma anchova. Era um olho nas prateleiras e outro no rebento, que lutava para se soltar da minha mão. Achei o peixe e no segundo que tentei pegar a carteira o serelepe aproveitou para dar uma corridinha pelo mercado. Avançou uns cinco metros, olhou para trás, me encarou e quando viu que eu corria para pegá-lo, tentou um novo sprint. Agora no colo, brincava com minha bochecha, enquanto eu pegava a sacola com a anchova.
Seguimos para o supermercado para comprar o que faltava e depois de um longão chegávamos em casa. O sono do rebento era maior que sua fome e rapidamente ele apagou. Aproveitei o intervalo, corri para almoçar e arrumar as compras junto com minha amada esposa. O telefone do trabalho tocou e perdi um precioso tempo na ligação, mas consegui terminar a refeição antes do pequeno reclamar minha presença. Refeito, o rebento almoçou e queria brincar. Descemos para um passeio em seu carrinho e curtir infinitas voltas no escorregador. Assim a tarde passou e a noite chegou. Veio o banho, o jantar e rapidamente a hora de dormir. Com o patrãozinho derrubado, corri para arrumar as coisas para o longão matutino dominical.
O dia já clareava enquanto eu terminava o café da manhã. O tempo passava rapidamente desafiando minha silenciosa
correria para sair de casa. A chuva fina que caia desde a noite anterior pretenciosamente serviria para testar minha vontade de treinar, mas para quem precisa jogar água na cabeça em busca de refresco, correr com chuva seria um alento para vencer os 15 Km do longão. Beijo nos adormecidos e pernas para a rua. Foram quase duas horas correndo para cumprir com mais esta etapa do treino e manter a forma para aguentar o ritmo do pequeno dínamo também conhecido como filho. É preciso energia para viver estes momentos, enquanto eles ainda nos querem por perto.
O longão em algumas fotos. Tem gente que tem dificuldade para levantar da cama para cumprir com a rotina de treinos, mas aqui em Niterói sair para treinar é literalmente um privilégio. Com a ajuda do Google Maps resumi o percurso com algumas fotos. Aproveite!
Veja também:
- Vida de corredor
- Vida de corredor II

Comentários

  1. oi amigo
    adorei esse texto. divertido, leve e inteligente.
    bjks e boas corridas.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo elogio, minha amiga. Por esta sinceridade entre outras coisas eu lhe admiro tanto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…