Pular para o conteúdo principal

Ensaio geral para os 10K

De todos os treinos de que tive oportunidade de experimentar achei o Tempo run o mais técnico até agora. Não é uma questão de força ou velocidade, é mais que isso (e um pouco mais). O Tempo run exige auto-conhecimento, percepção dos próprios limites para se definir um ritmo para competição. Falamos de um exercício de média para alta intensidade, mas não é um intervalado. No intervalado nos sujeitamos a corridas fortes (95% da FCM), enquanto no Tempo run precisamos encontrar um ritmo com intensidade (80% a 90% da FCM) que possa ser sustentado pelos 10 Km da prova. De nada adianta largar com tudo e faltar gás para concluir a prova, mas também não adianta segurar muito e terminar a prova achando que poderia ter sido mais rápido. No tempo run você reune tudo que aprendeu para saber do que é capaz. É o ensaio geral antes do show.

A revista O2 de fevereiro (edição 94) trás uma matéria interessantíssima que explica todos os tipos de treinamento. A matéria “A fórmula da corrida” assinada por Cesar Candido dos Santos consegue explicar muita coisa em poucas páginas. Vale a pena conferir.
Ainda falando sobre preparativos para a corrida temos a matéria “Um mar de copinhos!”, assinada por Ricardo Bassani dizendo que até para beber água precisamos treinar. Parece absurdo, mas não é. As dicas são válidas para evitar aborrecimentos e acidentes no dia da prova. “Turbine sua corrida”, assinada por Kim Cordeiro dá ênfase a técnica de correr. Se você está procurando melhorar seu desempenho, vai a pena ler esta matéria. A alimentação ganha espaço na revista com a matéria “Energia para os 42 Km” assinada por Lenycia Neri. Apesar do título a matéria é mais abrangente do que retratar uma dieta para um maratonista.
Exemplo. Marcello Butenas foi muito feliz na matéria “Tempos novos, exemplos antigos”. Ela fala sobre a preocupante situação das novas gerações, onde a tendência a não praticar exercícios é uma realidade. Ele sugere alterar este quadro a partir do exemplo. É, tipo “faça o que eu falo, mas faça o que eu faço principalmente”. Ações valem mais que mil palavras, então seja você referência para seus herdeiros.
Marcos Caetano. Todos os meses a expectativa é a mesma quando pego a O2 na caixa do correio. É um mixto de curiosidade e fascinação ao ler os textos do Marcos Caetano, pois ele normalmente aborda dois quesitos que considero essenciais em um indivíduo: comportamento e motivação. Com rara leveza e arte ele nos trás uma perspectiva diferente sua impressão da vida. Se suas palavras fossem quadros, seriam obras de arte. Mas como palavras em uma revista chamarei de sentimentos.
http://botapracorrer.com.br/

Bota pra correr. Fica aqui meu registro e apoio ao movimento. A idéia de estimular as pessoas a cuidar melhor de si indubitavelmente fará o mundo melhor para todos nós. Pessoas menos estressadas, famílias e amigos mais saudáveis e algo diferente do mundo calamitoso que os telejornais nos trazem todos os dias. Há um ano comecei a correr sozinho e hoje posso compartilhar experiências e alguns treinos com amigos (dentro e fora do trabalho) e meu compadre Gláucio sobre este estilo de vida saudável e prazeroso.

Vamos correr. É um programa voltado para nossa tribo. Todas as sextas às 21:30 a ESPN Brasil dedica meia-hora de sua programação a corrida. Fala dos eventos e curiosidades sobre este esporte individual e nada solitário. Detalhes em http://espn.estadao.com.br/vamoscorrer
Nike +
A maneira que a Nike encontrou para promover o aplicativo foi maravilhosa, mas quando falamos em custo benefício, eu (humildimente dentro das minhas limitações financeiras) continuarei com o Runkeeper (runkeeper.com). Mas não é por isso que não elogiarei a campanha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…