Pular para o conteúdo principal

1600 Km depois...

Adidas Cushion
1600 Km depois vou contar minha vida como corredor através de três pares de tênias. Volto a este blog para dizer que o Adidas Cushion é forte e muito confortável. Ele suportou duas 1/2 Maratonas, 3 provas de 10 Km e continua em uso após quase 500 Km de treinos. As meias "novas" que comprei foram culpadas pela deterioração do forro no dedão. Escrevi até um post referente a baixa qualidade destas, quando a marca trocou de produtor (leia O pulo do gato). Assim, entreguei a maioria para doação e em posse de meias Asics evitei que o buraco se alastrasse. Quando percebi o quanto já havia feito com o tênis eu me assustei e inclusive retifiquei o primeiro post com minha impressão sobre ele. Enfim, o tênis está tendo a meia vida esperada. Acho até que ele rodará mais que 600 Km. Talvez alcance a rodagem do Asics Kayano. 
Adidas Sequence
Tênis da marca Adidas não é uma novidade em minha vida. Antes do Cushion, utilizei o Adidas Sequence que suportou bravamente uns 600 Km antes de ficar desconfortável. Visto ser um tênis mais leve e voltado para desempenho, o gel não suportou meus singelos 96 kg (na época). Porém suas costuras e aparência permanecem irretocáveis, tanto que o transformei em tênis de passeio. O Adidas Cushion, devido ao estrago inicial, infelizmente não terá a mesma sorte.
Asics Kayano
O Asics Kayano continua sendo imbatível. Massacrei-o por mais de 800 Km até sua costura arrebentar no dedão e um buraco que só poderia ser fechado com uma tampa de garrafa pet aparecer. É importante que você saiba que seu peso influencia e muito no desempenho do tênis. O amortecimento do tênis varia proporcionalmente ao seu peso. Este também é responsável pela vida útil do calçado, que pode durar sensivelmente menos com os corredores mais pesados.
1600 Km depois consegui uma resposta para o tal VO2 máx. A graça acabou, pois a expectativa em torno deste indicador de performance era desproporcional. Se agora como identificar se estou ou não em forma. Mas é interessante ter esta informação. É uma forma de evitar tentativas desnecessárias de quebra de recorde pessoal.
1600 Km depois posso dizer que estou mais rápido e cada dia menos furioso. Algumas pessoas podem torcer a cara com a afirmação que vou fazer, mas as planilhas generalistas das revistas e mídia especializada me proporcionaram uma evolução incrível. Salvo a Adidas Verão/10, onde o calor comprometeu a prova, em todas as demais consegui melhorar minha marca na prova dos 10 Km. Quanto as ½ Maratonas não preciso dizer o quão satisfeito fiquei ao concluir as duas em menos de duas horas. É claro que um trabalho assistido e específico pode trazer resultados mais expressivos, mas correr é minha diversão acima de tudo. Seguirei meu limiar competitivo, mas não deixarei que a atividade se torne uma obrigação, ou melhor, obsessão.
Preocupado com minha saúde, optei por trabalhar com um treinador, apenas dos bons resultados com as planilhas genéricas. Espero, além do desenvolvimento técnico e físico, a manutenção da minha saúde. Nestes quase 16 meses como corredor não tive mais que dores musculares e espero me manter assim por muito tempo.
Por fim, vamos a atualização do mapa. Não haveria forma melhor de comemorar, pois tenho como bom agouro lugares como Boa União, Lustosa e Boa Paz como marcos para este post. Só tenho a agradecer à Ele e minha querida família que tanto me apoia.

Comentários

  1. Legal, André, bacana sua evolução!
    grande abraço,
    Sergio
    corredorfeliz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. @Sérgio
    Obrigado, meu amigo pelo elogio e pela visita ao meu humilde blog. Faz bem avaliar a experiência e perceber o quanto esta foi positiva em minha vida.
    Hoje quero ler sobre sua experiência internacional.
    Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…