Pular para o conteúdo principal

O poder da mente e a Runners #32


Há algumas semanas lamentei minha sorte, pois havia perdido a revista de junho no meio da mudança. A parte boa da mudança, se é que podemos dizer que tem, foi que achei a revista. Repassando as matérias vi que não poderia deixar de fazer alguns comentários, pois motivação e trabalho em equipe são características que merecem citação neste esporte considerado individual por muitos.
Viva a diversidade foi o título da coluna Oxigênio. Ela fala sobre a importância da variação dos treinos no desenvolvimento do corredor, mas gostaria de dar ênfase a outro fator que a variação de treinos proporciona: a quebra da rotina. Diferentes tipos de treino, percursos e pisos evita que a rotina envenene sua motivação. Falo isto, pois vejo como a motivação é essencial para quem está começando e fundamental para quem já pratica a corrida há tempos. Pensando realmente no significado da motivação, saber o que te faz levantar mais cedo, ou se esforçar depois de um dia cansativo de trabalho é essencial para não desistir desta (no mínimo) forma de cuidar da saúde. No meu caso, correr caiu no meu gosto, então pratico por prazer. Mas para não dar brecha para a preguiça meus treinos são sempre orientados para uma prova. Se você, como eu, ainda curte os primeiros dois anos de treino possivelmente tem detonado seus recordes pessoais a cada prova. Resumir semanas de treino em recordes é a centelha extra para não deixar o fogo da motivação se apagar, enquanto correr não se torna um estilo de vida e lazer. Então, o que faz você se mexer?
Complementando o tema original da coluna Oxigênio, a coluna Treino oferece alguns exemplos para fartlek, corrida progressiva e pirâmide de sprints para treinos de velocidade. Na matéria de Adam Bean aproveita para desmistificar a necessidade de uma pista de atletismo para os treinos de velocidade. Se eu dependesse disso ainda estaria andando monotonamente. Enfim, são todas boas as alternativas para você não achar que correr é algo enfadonho.
Um novato na ilha é a segunda matéria sobre provas de revezamento que leio. Confesso que o relato da Nike 600 mexeu mais comigo, mas o enfoque nos bastidores também foi interessante. Meu compadre Glaucio me contou sobre a cansativa (mas positiva) experiência de se organizar uma equipe de revezamento. No caso dele foram duas equipes, em virtude do interesse de amigos e familiares. Fazer a inscrição, pegar os kits, comprar, estocar e carregar o isotônico e os sanduíches que seriam consumidos.
Acho apenas que faltou ênfase a mais poderosa energia que um corredor pode ter. O espírito de equipe nos faz superar limites. Em minha experiência na Ecorun completei, pela primeira vez, os 5K abaixo de 25'. Estou esperando pela próxima prova e já me ofereci para ajudar na organização da(s) equipe(s).
Para acabar a coluna Pelotão de frente. Ela trás um alerta para os excessos nos treinos. A matéria é um bom alerta para quem treina forte demais e na hora da competição não consegue colher os resultados. Se esta fosse a pior parte, tudo bem. Mas os excessos nos treinos podem provocar lesões por estresse, ou mesmo fatigar a um ponto que uma parada pode ser obrigatória. Espero que a carapuça não sirva em você.
Boas passadas!

Comentários

  1. André,
    Tudo bem? esses seus resumos das revistas são sempre muito bons! esse negócio de overtraining é mesmo algo para se preocupar, eu acho que houve um pouco de minha parte... dei uma parada no estaleiro agora para dar uma zerada.
    grande abraço,
    Sergio
    corredorfeliz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Sérgio, meu amigo.
    Obrigado pela visita e pelos elogios. Este é meu jeito para puxar "um dedo de prosa" sobre os temas.
    Quanto ao overtrainning desejo pronta recuperação para você. Mas não se culpe, pois o limiar entre muita motivação e pressa por resultados é tênue. Eu tenho sentido dores musculares, mas pelas poucas horas de sono. Tem faltado tempo para descansar corretamente nas últimas semanas. Estou fazendo tripas coração para guardar energia para domingo.
    Boas passadas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…