Pular para o conteúdo principal

O tal do VO2 máx. Você sabe para que ele serve?

Depois de um julho tão intenso e pensando que em três semanas estarei correndo a terceira e última ½ Maratona deste ano, chegou a hora de realizar um check up e ver as condições em que estou para definir as próximas semanas de treinamento.
Seguindo a orientação do treinador, sábado encurtei o longão para 12 Km para realizar um novo teste de Cooper e avaliar o meu VO2 max na última terça-feira. Antes de mais nada, preciso falar como nosso corpo é uma máquina impressionante. Ele mantém na memória muscular o nível do esforço que praticamos, facilitando nossa vida. Digo isso, pois fui para o longão sem o smartphone para controlar ritmo, pois eu queria apenas soltar a musculatura, mas para minha surpresa, ao colocar as informações no Runkeeper descobri que meu pace durante o treino foi de... 5’40”!!! Incrível!!! Incrível, pois foi o ritmo adotado em ambas as ½ Maratonas. O corpo se adequou a esta velocidade, fato que me animou bastante para as próximas corridas.
Mas voltando ao Teste de Cooper e ao VO2 máx, preciso dizer que as informações abaixo estão baseadas em informações colhidas na Internet, pois metido a besta me adiantei às ações do meu novo treinador e tentei alcançar estes indicadores de desempenho. Os sites serão relacionados no final do post a título de informação e caso você seja tão curioso quanto eu, por favor compartilhe seus resultados.
Teste de Cooper. Fiz um aquecimento de 2 Km em direção a orla de São Francisco. Melhor lugar não há para um tiro, pois a avenida na parte da manhã tem pouco movimento e a altimetria é praciamente zero. Fiz a marcação via GPS com o Runkeeper e acho que a margem de erro é muito baixa, pois estava a beira mar e com o sinal no máximo, segundo meu smartphone. Configurei a app para marcar 1.2K indo e depois outros 1.2K para voltar. Não queria correr até o Clube Naval para me rastejar de volta para casa. Assim, aguardei o aviso sonoro e mandei ver. Parti mais forte do que gostaria e cheguei a achar que não conseguiria realizar o teste corretamente. Aos poucos me concentrei nas passadas e no movimento dos braços. Rasguei a reta da praia de São Francisco em ritmo muito forte e fiz a curva preocupado com a respiração. Quando me perguntava sobre quando alcançaria os 1200 metros o smartphone apitou. De bate pronto retornei e tentei manter a mesma intensidade. A curva foi dolorida de fazer, pois ela possui um discreto aclive. Quando alcancei a reta novamente disse que era manter até o ritmo até a água de coco e mandei ver. Foram 9’32” para os 2.4 km. 4’35” na ida e 4’57” na volta. Pace de 3’58”!!! Nunca corri tão rápido. Passei de carro na orla para verificar a distância marcada pelo GPS, pois a marca é realmente incrível para mim. Talvez tenha sido pelo horário que o resultado tenha sido tão mais expressivo que o primeiro (11’48”), que foi realizado a noite, depois de um dia cansativo de trabalho. A manhã é meu melhor horário, onde estou mais inteiro e acostumado.
VO2 máx, segundo o site Copacabana Runners. O site Copacabana Runners calcula o VO2 máx usando como base o tempo em uma prova de 10 Km. Convenientemente eu acabara de correr a Adidas Inverno e com direito a recorde pessoal. Então peguei meus 50’16” e coloquei no formulário do site para receber o seguinte resultado: 43.38 ml oxigênio/Kg/min. Memorize este número, pois utilizarei mais a frente.
VO2 máx, segundo a Revista Contra o Relógio. A revista Contra o Relógio apresentou uma matéria sobre o cálculo manual do VO2 máx há alguns anos. Ela pede para que dividir 480 pelo tempo alcançado no Teste de Cooper (lembrando de convertê-lo; 9’32” = 9,5). 
Assim, 480/9.5 minutos = 50.52 ml.kg.min.
Avaliando os resultados. A discrepância entre os resultados é expressiva, mas vejamos o lado positivo do estudo. Se meu VO2 máx for apenas de 43, significa que tenho pulmão para fazer 47’. Preciso continuar trabalhando nos aspectos força e resistência para fazer em 10 Km o que fiz nos 2.4 Km. Se o VO2 máx foi de 50, significa que fui muito além do que esperava e que tenho pulmão para fazer 10 Km na casa de 41’!!! Mais uma vez, o desenvolvimento muscular será o fiel da balança.
Nada mal para o já considerado M40-44, apesar do meu aniversário ser apenas no final do mês.
Runkeeper. Apenas para esclarecer, o Runkeeper é um marcador de distância via GPS que utilizo para registrar os treinos. Ele possui recursos para planejarmos os mais diferentes treinos e possui um sistema de informação de voz invejável. Já tentei alguns outros Apps, mas ninguém me convenceu a pará-lo de usar. Apenas duas críticas construtivas e sugeridas aos desenvolvedores: a primeira seria a função pedômetro para 'cobrir' as áreas em que o GPS não funcione corretamente; a segunda seria o autopause. Conheci este recurso testando o Cardio Trainer, recomendação do meu amigo Lindemberg. Bom para atravessarmos ruas sem comprometer o pace. Disponível para Android e IPhone, este App é gratuito. Recomendo.

Links utilizados:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…