Pular para o conteúdo principal

Li e gostei na Runners #33 - julho/11


A resenha da Runners está atrasada, pois tive problemas com a entrega. Me mudei e o entregador só achou meu endereço na segunda tentativa de entregar a revista. Uma fatalidade. Alguém ganhou uma revista Runners. Espero que tenha feito bom proveito. Assim, vamos ao que interessa.
Pelotão de frente trouxe a matéria Faca amolada. Ela me fez lembrar dos tempos de natação, quando competia pelo Salesianos. O nosso treinador às vésperas do Intercolegial batizava aqueles treinos de polimento. Uma mescla de treinos de intensidade nos primeiros dias e depois apenas treinos leves para soltar a musculatura. A matéria trás uma série de sugestões, mas aqui segue uma para meia maratona. Minha próxima prova. 
Dia 1. Tempo run de 3 Km em ritmo de prova. No meu caso, 5’40” de pace
Dia 2. 2 tiros de 800m em ritmo de 10 Km. No meu caso, 5’ de pace.
Corpo+Mente trás Alongamento 2.0. Como o próprio título diz, “Novas formas de ganhar flexibilidade, melhorar o desempenho e evitar lesões”. Só uma problema. Parece que é algo que pouca gente sabe e aplica por aqui. Outro ponto é que sozinho não se consegue realizar os exercícios... pelo menos foi o que me pareceu.
Das colunas, o destaque vai para a Oxigênio. Faz tempo que não vejo uma matéria falando sobre a importância da caminhada. Além dela ser a porta de entrada para o mundo da corrida, esta atividade por si pode ser mais que suficiente para ajudar uma pessoa se manter saudável. A parte interessante da matéria é quando o Mário Sérgio alerta que passear é diferente de caminhar (com intensidade para fins atléticos).
Questão de postura foi um matéria que dei atenção especial por causa do Sérgio (corredorfeliz.blogspot.com), que se propôs a mudar a pisada por causa de algumas contusões. A reportagem me deu a noção do esforço que ele se propôs para continuar correndo. Mas minha surpresa foi perceber que mudar a forma como pisamos nem sempre trás bons resultados. É preciso avaliar se a alteração lhe será produtiva e, principalmente, se ela é realmente necessária para o seu caso.
A matéria apresenta uma história de sucesso. Conta sobre alguém que sofria muitas lesões e procurava alternativas para continuar correndo. Mudar a forma de aterrissar trouxe mais saúde e interrompeu o ciclo de lesões. A matéria concluiu a história com o corredor informando que não se machucava há 18 meses. Em contrapartida, contou também a história de um atleta que em busca de melhor desempenho tentou mudar sua forma de correr e inacreditavelmente piorou seu desempenho e ainda se lesionou inúmeras vezes. Teve problemas sérios para se adaptar a nova pisada. Enfim, a matéria é emblemática e vale a leitura e reflexão.
Para fechar. O assunto além de polêmico é interessantíssimo. Procurando informações sobre esta matéria eu acabei esbarrando e um artigo relacionado ao assunto.
Link complementar:
http://revistacontrarelogio.com.br/materia/quer-correr-mais-rapido-aumente-a-amplitude-ou-a-frequencia-da-passada/

Comentários

  1. Valeu pela resenha da revista...

    Bom final de semana e bons treinos !!!!

    Fábio
    www.42afrente@blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. De nada, Fábio.
    Obrigado mais uma vez pela visita.
    Boas passadas para você também, pois amanhã é dia de longão... 16K para botar a casa em ordem :-)
    André

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…