Pular para o conteúdo principal

Li e gostei na Runners #33 - julho/11


A resenha da Runners está atrasada, pois tive problemas com a entrega. Me mudei e o entregador só achou meu endereço na segunda tentativa de entregar a revista. Uma fatalidade. Alguém ganhou uma revista Runners. Espero que tenha feito bom proveito. Assim, vamos ao que interessa.
Pelotão de frente trouxe a matéria Faca amolada. Ela me fez lembrar dos tempos de natação, quando competia pelo Salesianos. O nosso treinador às vésperas do Intercolegial batizava aqueles treinos de polimento. Uma mescla de treinos de intensidade nos primeiros dias e depois apenas treinos leves para soltar a musculatura. A matéria trás uma série de sugestões, mas aqui segue uma para meia maratona. Minha próxima prova. 
Dia 1. Tempo run de 3 Km em ritmo de prova. No meu caso, 5’40” de pace
Dia 2. 2 tiros de 800m em ritmo de 10 Km. No meu caso, 5’ de pace.
Corpo+Mente trás Alongamento 2.0. Como o próprio título diz, “Novas formas de ganhar flexibilidade, melhorar o desempenho e evitar lesões”. Só uma problema. Parece que é algo que pouca gente sabe e aplica por aqui. Outro ponto é que sozinho não se consegue realizar os exercícios... pelo menos foi o que me pareceu.
Das colunas, o destaque vai para a Oxigênio. Faz tempo que não vejo uma matéria falando sobre a importância da caminhada. Além dela ser a porta de entrada para o mundo da corrida, esta atividade por si pode ser mais que suficiente para ajudar uma pessoa se manter saudável. A parte interessante da matéria é quando o Mário Sérgio alerta que passear é diferente de caminhar (com intensidade para fins atléticos).
Questão de postura foi um matéria que dei atenção especial por causa do Sérgio (corredorfeliz.blogspot.com), que se propôs a mudar a pisada por causa de algumas contusões. A reportagem me deu a noção do esforço que ele se propôs para continuar correndo. Mas minha surpresa foi perceber que mudar a forma como pisamos nem sempre trás bons resultados. É preciso avaliar se a alteração lhe será produtiva e, principalmente, se ela é realmente necessária para o seu caso.
A matéria apresenta uma história de sucesso. Conta sobre alguém que sofria muitas lesões e procurava alternativas para continuar correndo. Mudar a forma de aterrissar trouxe mais saúde e interrompeu o ciclo de lesões. A matéria concluiu a história com o corredor informando que não se machucava há 18 meses. Em contrapartida, contou também a história de um atleta que em busca de melhor desempenho tentou mudar sua forma de correr e inacreditavelmente piorou seu desempenho e ainda se lesionou inúmeras vezes. Teve problemas sérios para se adaptar a nova pisada. Enfim, a matéria é emblemática e vale a leitura e reflexão.
Para fechar. O assunto além de polêmico é interessantíssimo. Procurando informações sobre esta matéria eu acabei esbarrando e um artigo relacionado ao assunto.
Link complementar:
http://revistacontrarelogio.com.br/materia/quer-correr-mais-rapido-aumente-a-amplitude-ou-a-frequencia-da-passada/

Comentários

  1. Valeu pela resenha da revista...

    Bom final de semana e bons treinos !!!!

    Fábio
    www.42afrente@blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. De nada, Fábio.
    Obrigado mais uma vez pela visita.
    Boas passadas para você também, pois amanhã é dia de longão... 16K para botar a casa em ordem :-)
    André

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…