Pular para o conteúdo principal

Li e gostei na Revista O2

A resenha está atrasada, mas os motivos foram nobres. Me mudei e na mudança faltou tempo para ler a revista. A resenha da Runners vai demorar ainda um bocado, pois não recebi a edição de julho e aguardo ansioso pelo meu compadre que me empresa de edição de maio que fiz o favor de perder. Mas vamos ao que interessa.
O novo visual da revista é algo realmente impressionante. O que eu achava ser algo para a edição de aniversário, veio para ficar. As fotos utilizadas para ilustrar as matérias são de babar, até por ocuparem em muitas vezes a página inteira. Elogios a parte, vamos ao que me chamou atenção nesta última edição.
Uma vez mais o Marcos Caetano nos trás de forma magistral um artigo que fala sobre valores de um corredor amador. Do quanto valorizamos a rotina de treinos, do desafio diário que é encaixar o esporte em uma agenda já apertada com trabalho e família. Realmente os grandes feitos estão nas pequenas e muitas realizações diárias que precisamos alcançar. O dia da prova é uma homenagem que nos prestamos para comemorar tamanha dedicação a vida.
A matéria assinada pelo Marcello Butenas me fez analisar este ano como assinante da Revista O2. Aprendi muito com a leitura destes especialistas, pois sempre me remeteram a pesquisas mais profundas dos temas abordados. Junto com a disciplina dos treinos, talvez este seja meu maior trunfo em meu desenvolvimento físico e técnico. Muitos contestam as informações generalista apresentadas em revistas e site, mas se você (como eu) não possuir um histórico de doenças possivelmente fará bom uso das informações oferecidas pela mídia especializada. Particularmente acho as revistas muito importantes para quem está começando ou ainda está conseguindo se desenvolver como eu. Penso no que ocorrerá quando eu conseguir encaixar a musculação em minha agenda, pois hoje eu faço muito porcamente alguns exercícios funcionais. Mas não estou dizendo que as assessorias esportivas não têm valor, pelo contrário. Ter um guia para uma terra desconhecida definitivamente é uma vantagem, mas ler os periódicos evita que você o faça cegamente.
Aos mesmo tempo em que me impressionava a matéria sobre treinamento neuro muscular, eu me assustava com o nível de intensidade dos exercícios propostos. Vários deles iam de encontro a tudo que eu aprendera no último ano, até que no final é informado que se trata de exercícios para corredores avançados.
Por fim, o artigo do Nuno Cobra. Ele fala sobre a importância da força do pensamento. Algo que até a cética medicina ocidental acabou aceitando após apresentação de evidências. Isso me faz pensar no "doping" gerado pela música, que deve estimular as mesmas áreas da mente, que podem ser acionadas com o pensamento positivo. Parece papo de auto-ajuda, mas se foi bom para o Ayrton Senna, com certeza será bom para mim. Espero que também seja para você.
É isso. 
Hoje tive tempo de procurar mais vídeos legais. Este é mais um :-)
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…