Pular para o conteúdo principal

Efeito Borboleta

O dia amanhaceu com um céu azul, coisa que não víamos desde a semana passada quando enfrentamos temperaturas de 46°C aqui no Rio de Janeiro. Tempo louco, pois uma semana depois eu saía para correr com incríveis 16°C. Tem sido difícil manter a saúde com oscilações de temperatura como estas.
Após praticamente três semanas a meia boca e tendo feito metade dos treinos programados, entreguei os pontos e reconheci que o caos havia se instaurado. Depois de dois anos e meio treinando eu estava vivendo um momento de preguiça. Perdi o ritmo. A sinergia se perdera com a ausência de rotina, da consistência. Passei a semana tentando levantar mais cedo para correr, mas a mente não convencia o corpo a se levantar, ou o corpo não conseguia convencer a mente a despertar. Mas na última quinta-feira algo muito curioso aconteceu. Eu pude ver a teoria de Edward Lorenz me materializar em minha vida. Assim como o bater de asas de uma borboleta “é capaz” de gerar um tufão do outro lado do planeta, os mais de 300 treinos, avisos no orkut e facebook e os quase 3.000 Km corridos geraram energia. Energia tal que cativou inúmeros amigos, conhecidos, anônimos e na última quinta-feira voltou para mim! Um exemplo sublime da relação causa e efeito discutida por criacionistas.
Em meio a mais um dia cansativo no trabalho espontaneamente uma amiga de Belo Horizonte disse que encontrara a forças e iniciara os primeiros treinos há algumas semanas. Que estava super realizada com uma caminha de 6 Km que realizara. Fiquei feliz por ela, pois todos sabemos o quanto o início é complicado. Feliz, escrevi-lhe palavras de incentivo e felicitações pelo feito. Aquilo melhorara meu dia, mas eu não sabia que aquela centelha havia incendiado algo aqui dentro. Como de praxe, eu chegava em casa tarde. Foi uma semana difícil. Enquanto eu rodava os feeds de notícias do facebook um velho amigo me procurara. Queria que eu soubesse que no mês que vem ele estaria no Aterro do Flamengo para correr os 4 Km do Circuito Athenas. Depois de três meses treinando e com 14 quilos a menos ele tomou coragem para participar de uma prova. Sabedor do passado dele, aquilo me trouxe uma felicidade sem tamanho. Principalmente por ele querer compartilhar a boa novidade.
Naquela mesma noite eu reorganizava minha planilha de treinos, pois irei para Búzios em novembro. O planejamento ficou apertado, mas chegarei com um mínimo de condições a começar por hoje, que corri. O ânimo voltou. Reencontrei a alegria da corrida. Consegui recuperar a energia e o movimento. Ou melhor, tive-a de volta, graças a algumas condições específicas, porém previsíveis de se ocorrer. Que gosto muito de chamar de círculo virtuoso, onde o bem estar, promove e gerar mais bem estar. Inclusive para mim!
Boas passadas.

Comentários

  1. É isso ai cara, nada como ver nossos amigos se envolvendo naquilo que gostamos para a motivação ser renovada. Boa sorte em Buzios e nas p´roximas corridas! abraço.

    www.papoamigos.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Rafael
      Foi uma energia que eu não esperava, mais que fez grande diferença neste momento de retorno.
      Boas passadas
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…