Pular para o conteúdo principal

Efeito Borboleta

O dia amanhaceu com um céu azul, coisa que não víamos desde a semana passada quando enfrentamos temperaturas de 46°C aqui no Rio de Janeiro. Tempo louco, pois uma semana depois eu saía para correr com incríveis 16°C. Tem sido difícil manter a saúde com oscilações de temperatura como estas.
Após praticamente três semanas a meia boca e tendo feito metade dos treinos programados, entreguei os pontos e reconheci que o caos havia se instaurado. Depois de dois anos e meio treinando eu estava vivendo um momento de preguiça. Perdi o ritmo. A sinergia se perdera com a ausência de rotina, da consistência. Passei a semana tentando levantar mais cedo para correr, mas a mente não convencia o corpo a se levantar, ou o corpo não conseguia convencer a mente a despertar. Mas na última quinta-feira algo muito curioso aconteceu. Eu pude ver a teoria de Edward Lorenz me materializar em minha vida. Assim como o bater de asas de uma borboleta “é capaz” de gerar um tufão do outro lado do planeta, os mais de 300 treinos, avisos no orkut e facebook e os quase 3.000 Km corridos geraram energia. Energia tal que cativou inúmeros amigos, conhecidos, anônimos e na última quinta-feira voltou para mim! Um exemplo sublime da relação causa e efeito discutida por criacionistas.
Em meio a mais um dia cansativo no trabalho espontaneamente uma amiga de Belo Horizonte disse que encontrara a forças e iniciara os primeiros treinos há algumas semanas. Que estava super realizada com uma caminha de 6 Km que realizara. Fiquei feliz por ela, pois todos sabemos o quanto o início é complicado. Feliz, escrevi-lhe palavras de incentivo e felicitações pelo feito. Aquilo melhorara meu dia, mas eu não sabia que aquela centelha havia incendiado algo aqui dentro. Como de praxe, eu chegava em casa tarde. Foi uma semana difícil. Enquanto eu rodava os feeds de notícias do facebook um velho amigo me procurara. Queria que eu soubesse que no mês que vem ele estaria no Aterro do Flamengo para correr os 4 Km do Circuito Athenas. Depois de três meses treinando e com 14 quilos a menos ele tomou coragem para participar de uma prova. Sabedor do passado dele, aquilo me trouxe uma felicidade sem tamanho. Principalmente por ele querer compartilhar a boa novidade.
Naquela mesma noite eu reorganizava minha planilha de treinos, pois irei para Búzios em novembro. O planejamento ficou apertado, mas chegarei com um mínimo de condições a começar por hoje, que corri. O ânimo voltou. Reencontrei a alegria da corrida. Consegui recuperar a energia e o movimento. Ou melhor, tive-a de volta, graças a algumas condições específicas, porém previsíveis de se ocorrer. Que gosto muito de chamar de círculo virtuoso, onde o bem estar, promove e gerar mais bem estar. Inclusive para mim!
Boas passadas.

Comentários

  1. É isso ai cara, nada como ver nossos amigos se envolvendo naquilo que gostamos para a motivação ser renovada. Boa sorte em Buzios e nas p´roximas corridas! abraço.

    www.papoamigos.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Rafael
      Foi uma energia que eu não esperava, mais que fez grande diferença neste momento de retorno.
      Boas passadas
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…