Pular para o conteúdo principal

Regime, não! Dieta por favor

O post de hoje é mais um convite a reflexão do que qualquer outra coisa, pois ainda estou impressionado com o tema do último post, quando abordei os efeitos da gordura no corpo. Eu disse que o texto é um convite, pois minha teoria se baseia em minha percepção e não em fundamentos, ou interpretações de textos científicos. A questão a seguinte: aquela pessoa que você viu tentando perder peso adotou um regime, ou uma dieta como mecanismo de redução de peso? Pergunto, pois a palavra regime caiu em desuso e hoje chamam tudo de dieta. Porém ao pesquisar a definição da palavra regime no wikipedia, ela estava associada a duas definições: dieta e regime político. Talvez aqui esteja o problema.
Sociologicamente falando, nós como povo somos relativamente jovens. A maioria das famílias possivelmente vive a quinta ou sexta geração pós-independência, onde os avós ou bisavós viveram os tempos da ditadura. Naquela época, para emagrecer se fazia regime, um processo de restrição alimentar para se perder peso. Talvez a adoção da palavra venha justamente do estilo de vida deste conturbado período, caracterizado por uma vida cerceada.
Se esta hipótese lhe faz sentido, levar este(a) amigo(a) que fazia regime a um nutricionista se torna crucial para ajudá-lo a perder peso. Ele(a) precisa saber que dieta nada tem a ver com parar de comer. Pelo contrário, uma rotina alimentar será apresentada recomendando a ingestão de alguma coisa a cada três horas! Para quem gosta de comer, nada mais agradável. O desafio vai ser organizar o cardápio e comer! Dieta é mudar hábitos alimentares, trabalhar com alimentos menos calóricos, mas é improvável que um nutricionista deixe alguém sem comer. A dieta só acaba se tornando um regime, quando quem necessita perder peso acha um absurdo retirar barras de chocolate, pacotes de biscoito, refrigerantes e outras muitas guloseimas hipercalóricas do cardápio. Reparou que escrevi no plural? Pois é, uma boa dieta permite eventualmente comer uma guloseima.

Comentários

  1. Oi, André. Ótimo post!
    Eu gosto de usar a palavra dieta. Tem gente que te olha torto, mas na verdade nada mais é do que uma reeducação alimentar. O que você coloca no prato ao longo do dia. E este assunto tem tudo a ver com a corrida. Nòs somos o que ingerimos, soa meio polêmico, mas é um fato.
    Achei excelente.
    Um abraço e bons km's pra ti!!
    Helena
    correndodebemcomavida.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos elogios, Helena.
      O que ficou claro depois de muito assistir a programas e leituras é que a maioria associa comer a prazer. Só que existem prazeres mais saudáveis na vida, que compensam um "sacrifício" de simplesmente se alimentar melhor.
      Boas passadas!
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Garmin Brasil: confiança tem nome!

Dia 11 de agosto, dia do último treino com meu Forerunner 610 funcionando. Não houve mandinga capaz de fazer a tela sensível ao toque responder o lado ocidental simplesmente não respondia mais ao toque.

Em conversa com o compadre Gláucio sobre que a Garmin havia montado uma unidade de reparo no Brasil. O processo foi bem simples. Num primeiro momento (1) descrevi o problema em um pedido de assistência, aos cumprir com os testes padrões sugeridos pelo atendente. Pouco tempo depois (2) recebi um orçamento para resolução do problema e se estivesse interessado, deveria realizar o pagamento do valor. O passo seguinte seria (3) enviar via correio o dispositivo sem acessórios para a Garmin Brasil. Fiz seguro e mandei via SEDEX. Daí foi aguardar pelo atendimento. A Garmin Brasil tem uma SLA de 30 dias úteis, mas não precisei aguardar tanto para rever meu FR 610 funcionando. Na última quarta treinei com ele. Estava como novo. Até a película protetora estava na tela para mostrar que era nova.


Exc…

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…