Pular para o conteúdo principal

O que a São Silvestre representa para você?

CRÔNICAS DE UM CORREDOR PITAQUEIRO
Não há como não dar destaque para a São Silvestre. É o assunto da semana. O anúncio oficial saiu no último dia 30, também meu aniversário :-)
Este será o terceiro ano pelo qual olho para a São Silvestre como corredor. No primeiro ano assisti a incrível vitória do Marilson e sem compreender muito sobre o mundo da corrida cheguei a jurar que correria a prova. No ano seguinte acompanhei toda a polêmica que girou em torno da prova e o amor trincou como um copo de vidro quando cai no mármore da pia. Este ano... há este ano... me pergunto se existem motivos para exercitar minhas habilidades de logística e reservas financeiras para correr uma prova que: 1. Largará às nove da manhã (salvo ajuda divina, muito calor); 2. Trechos de aclives e declives acentuados; 3. Não há uma largada organizada por ritmo; 4. As medalhas já chegaram a ser distribuídas junto com o kit de inscrição; 5. As camisetas não foram entregues para os corredores. Alguns sortudos as receberam semanas depois pelo correio; 6. Não é uma prova com uma distância tradicional (digo porque a maioria das provas são de 5K, 10K, 21K ou 42K). 
Tive chance de conversar com um velho companheiro, o compadre Glaucio. A narrativa dele do ano passada seria um roteiro perfeito para uma tradicional comédia americana. Por ele, a conta já fechou. Porém, resolvi temperar um pouco mais o assunto e fiz a mesma pergunta ao Sérgio Xavier, do blog Correria (da Runners) e ele disse que vale!
Demorei um tempo para absorver sua resposta, mas nada como botar a cabeça no travesseiro e refletir. A verdade é que a São Silvestre é uma das poucas coisas, além do futebol, que atravessou décadas de existência. Ela de alguma forma está ali, desde 1925, para dizer que corrida é um esporte. Venham conhecer. Como bem disse o compadre Glaucio, talvez seja a única prova no país em que existam torcedores de cabo a rabo incentivando os participantes (faça chuva, ou faça sol). Então talvez o Sérgio Xavier tenha razão e devamos ir à São Silvestre, mas desprovidos de nossos equipamentos e recordes pessoais por bater. Nos unir ao grande pelotão de geral para comemorar àquela que durante muito tempo lembra aos brasileiros que a corrida existe e pode ser de todos.

TREINOS PARA MEIA MARATONA
A corrida como qualquer negócio que precisa ser no mínimo sustentável começa a ganhar fôlego em território brasileiro. Mais que modismo, a corrida parece estar se tornando um estilo de vida para os brasileiros (diz-se clientela cativa). Quando li que os especialistas do assunto comemoravam a existência de 11 Meias Maratonas (que podem ser chamadas de booooas) em solo nacional, resolvi refletir sobre o tamanho do desafio que os organizadores tem travado. Só tenho a agradecer pelo empenho e fé de que este projeto (para eles financeiro) traga bem estar para a população. Não comparei a planilha da edição 47 da Revista Runners com a fornecida no site, que segui fielmente para ser um Sub-2h ano passado nas (até então) três Meias do Rio (Meia da Caixa, Golden Four e Internacional). Porém ficou claro como as atividades complementares são essenciais para ganharmos velocidade.

GUIA DO TÊNIS
Foi legal ver que o Asics Gel Cumulus ainda é uma ótima opção. O fluxograma do tênis instaurado há algumas edições é excelente para não se comprar um tênis as cegas, ou mesmo fomentar a reflexão sobre um diagnóstico duvidoso de sua pisada. O canal com o leitor da revista funciona muito bem e a equipe, com presteza, retorna uma resposta. Estes são apenas alguns motivos que me fazem fã deste periódico esportivo.
Boas passadas

Comentários

  1. Sobre a São Silvestre na minha opinião não vale a pena. A não ser que você não se importe em sair no fundão do pelotão e dividir as ruas de São Paulo da mesma forma que divide um metrô lotado. Ou então vai ter ficar duas horas de pé e mesmo assim sair para a corrida muito mal posicionado. Eu pessoalmente já decide que enquanto a largada não for devidamente organizada por ritmo, eu não correrei a São Silvestre. Mas também já resolvi que a centésima edição da prova eu correrei de qualquer maneira. Espero que até lá eles resolvam a questão da largada, o que eu sinceramente duvido muito. Abcs e bons treinos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, Léo
      Pensar em recorde pessoal, não é uma boa opção para quem está no pelotão geral.
      Mas a valorização do corredor amador, como cliente ou fonte de receita, é algo que vem sendo trabalhado há pouco tempo por vários organizadores de provas.
      Li um artigo que reconhecidamente boas, temos apenas ONZE meias maratonas. A São Silvestre, além de não ter uma distância tradicional, também está longe de ser vem organizada.
      Mas é o tal do glamour ... e nós só querendo correr

      Excluir
  2. Oi André!
    Confesso que a São Silvestre apesar de toda sua visibilidade e tradição não é uma prova que me atrai.Mas meu marido tem um sonho antigo de realizar essa prova, ele diz que ela o remete a infância e as comemorações de final de ano, quando a prova ocorria a noite, sendo que os primeiros classificados cruzavam a linha de chegada próximo a virada do ano.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Alessandra.
      Apesar de "tenra" eu lembro destas corridas KKK
      Como eu disse, vejo a participação mais como uma comemoração do que uma forma de se melhorar marcas. Até porque provas de 15K não fazem parte da minha rotina. Não poderia ser a prova de 10 Milhas? Esta distância é considerada oficial. Não poderia ser uma Meia Maratona? Quem bloqueia 15K bloqueia 21097 metros.
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…