Pular para o conteúdo principal

Circuito das Academias de Niterói - 2a Etapa

Daqui a quatro semanas estarei participando da minha primeira (grande) corrida off-road. Como parte da preparação resolvi participar desta prova de 5 Km devidamente dividida entre um trecho de asfalto e outro de areia. Não esperava uma prova cercada de badalação, visto o feriadão. Foi um evento com público reduzido, praticamente local. Acho que haviam menos de 300 corredores, mas a adrenalina era a mesma dos grandes eventos. A parte boa é que o pequeno efetivo facilitou a largada, que apesar das oito e meia, foi boa. O Cara lá em cima facilitou nossas vidas com um dia nublado e com a temperatura em torno dos 23ºC.
A corrida. Com um pequena atraso partimos para os 2,5K de asfalto. Antes do primeiro quilômetro o pelotão já havia se distanciado e os amadores se distribuíram nas ruas. O nível do niteroiense está tão alto que pouco pude fazer. Na posição que larguei, foi a posição que terminei. Não consegui alcançar meu 10º colocado, mas também não tive trabalho com o 12º corredor. Por ironia do destino encontrei um corredor que seguia em um ritmo semelhante e tentei não perder velocidade. Fechamos o Km 1 com 4’40” (como fazia tempo que não corria abaixo de 5’). Perdemos um pouco de força e fechamos o Km2 com 4’58”. Precisamos de mais 2’05” para ultrapassar o posto de hidratação e fechar os clássicos 2.400 metros do Teste de Cooper com 11’43”. Aqui eu cumprira com a meta desta prova. Eu queria uma chance de realizar um Tempo Run para medir minha velocidade, sem esquecer que ontem fiz um longão de 16 Km. Estou satisfeito. As coisas começam a voltar ao normal.
A areia. Foram uns 100 metros de areia fofa até chegarmos a beira do mar, onde a areia é normalmente mais dura e graças a ela praticamente mantive meu ritmo de meia maratona, com o tempo em torno dos 5’40”. Apenas no final um imprevisto. Acabei me descuidando e molhei o tênis. Um tênis de corrida molhado e um tijolo nunca foram tão parecidos. Correr ganhou um novo sentido nos últimos 500 metros. Tragicômico, mas relevante. Imagine se isso acontece em Búzios, onde o primeiro trecho é o da praia? Preciso conferir com o Glaucio se os tênis de trilha absorvem menos água. Me vi obrigado a ter um para fazer a corrida.
Após a prova. A CE+3 ofereceu uma tenda com isotônico, água, frutas e massoterapeutas. Como o público da prova foi reduzido, fui abençoado com o trabalho do Sandro Valle. Foram 10 minutos de massagem e ensinamentos. O que eu achava importante para recuperação muscular, agora tenho certeza de sua eficiência. Dentre outros motivos, contar com uma massagista é mais um importante item em uma assessoria esportiva.
Tênis molhado. Não apenas molhado, mas molhado com a água mar. Assim que cheguei em casa corri para o You Tube em busca de boas dicas para lavar o tênis e evitar com meu companheiro de treinos fosse detonado. Não sei se é o melhor vídeo do assunto, mas achei o mais interessante entre os que assisti.


Ponto negativo. Talvez pelo tamanho do evento, ou pela falta de experiência, os organizadores vacilaram apenas com uma coisa: o posto de hidratação na area na altura do Km 4. Os assistentes muito solícitos nos entregavam os copos, mas não havia uma única lixeira para jogarmos os copos. Resultado: centenas de copos vazios jogados na areia e próximos da água. Fato que o mar levou um bocado deles. Alguns corredores preocupados com fato ainda tentava arremessar o copo areia adentro. Mas isso foi mérito para poucos. Eu, com a pochete, coloquei o copo plástico no “guarda garrafa” e descartei assim que terminei a prova. Infelizmente nem todos correm com uma assessório que possibilite tal atitude. Mas vamos que vamos. Aos poucos as pessoas se educam e os eventos se organizam.

Comentários

  1. bacana, André. Boa prova. E ainda serviu para pensar no tênis para Búzios.
    abraço,
    Sergio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade.
      Foi uma verdadeira aula.
      1. Os treinos em ladeira têm ajudado a ganhar força
      2. Preciso de mais treinos na areia
      3. Tênis deve fazer diferença sim
      4. Uma meia para não voltar lanhado do mato
      Vamos marcar aquele almoço para quando?

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…