Pular para o conteúdo principal

Outubro Rosa

Na última sexta-feira quando retornava do trabalho avistei o Museu de Arte Contemporânea iluminado em cor rosa. Em outubro o alerta vermelho é substituído pelo alerta rosa. O mundo muda de cor por suas mulheres. São elas que populam o mundo. São elas que possuem o poder para perpetuar a vida. São elas que mantém o mundo, pois sinceramente pouco mudou para os homens desde as cavernas. A maioria continua passando a maior parte do tempo fora de casa caçando, não com lanças e arcos, mas com telefones e computadores. Elas não. Elas se transformaram e além de manterem família se propuseram a caçar também. Cada dia um número maior delas desafia os limites do corpo e da mente para cumprir com uma jornada dupla, triplo ou mesmo quádrupla ou quíntupla, com família, casa, trabalho, estudos e talvez algum lazer. É preciso realmente separar tempo para se dedicar a alguém tão capaz e outubro foi eleito o mês da campanha contra o câncer de mama.
Enquanto eu ultrapassava os 3.000 Km corridos no último sábado, eu me perguntava como eu abordaria este assunto. Não dava para deixar passar em branco, diante de tantos tons de rosa. Destaque para campanha realizada pela NFL (liga de futebol americano), onde os times e estádios vestem rosa para divulgar a campanha A CRUCIAL CATCH. Por que estou falando deles? Ele correm... com e sem a bola oval. Outro movimento presente é o da Yescom, que promoveu algumas etapas da corrida contra o câncer no primeiro semestre e este mês o fará no Recife (ver ativo.com). Como sempre faço, mergulhei na rede em busca de informações sobre o câncer de mama e formei algumas conclusões (sinta-se a vontade para contestar ou comentar):
1. Nenhuma mulher está livre do perigo - Se a mulher tiver filhos, diminui a propensão. Se não tiver filhos aumenta. Se tiver filhos e não amamentar também aumenta. Menopausa tardia também aumenta. E a lista não acabou.
2. Homem depois dos 50 anos também correm risco - apesar de ínfimas, as glândulas mamárias estão ali no peito.
3. A prontidão é o melhor método - 90% dos pacientes que se safaram identificaram os nódulos no exame de toque e correram para o médico.
4. Ninguém sofre sozinho com esta doença - você que tem filhos, faça por eles. Você que é casada e ainda ama seu marido, faça por ele. Você que tem família, pais, irmãos e todos os demais, faça por eles. Eles lhe amam. Você que pode estar longe da família, mas que construiu uma nova com amigos e companheiros, faça por eles. Eles lhe querem. Se você tem sonhos por realizar e ainda acha que tem muita coisa para fazer nesta vida, faça por você.
Boas passadas

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…