Pular para o conteúdo principal

O que você espera depois de tanto treino?

Como este é o post de número 167 e possivelmente não é sua primeira visita a este humilde blog, a pergunta não é se gostamos de correr, mas o que podemos esperar depois de tantos treinos. E quanto mais eu leio mais me impressiono com a evolução e dinamismo do ser humano que pratica uma atividade física (no nosso caso, a corrida). As reflexões abaixo são fruto da leitura da THE FINISHER #11.
Vou começar pelo alongamento. Já li de tudo sobre o assunto. Uns dizem que é bom fazer apenas depois do treino, outros que é bom apenas antes. Mas a conclusão é que recuperar a flexibilidade do músculo é o  importante para um desempenho melhor e prevenir-se contra lesões. Assim, faça alongamento. É o jeito mais simples que possuímos para manutenção de nossa musculatura. 
Repouso. Dormir também faz a diferença. As horas de sono são fundamentais para seu bem estar. Logo também para seu desempenho na corrida. Não adianta sacrificar a hora de descanso para treinar. É o prelúdio para uma lesão. 
O core. Fortalecer o abdome e as costas é essencial para um melhor equilíbrio e a base para um movimento mais eficiente na corrida. A boa postura exige menos esforço e propicia mais velocidade. 
Depois de 1 mês parado. Segundo especialistas, não é preciso um ciclo pesado para voltar a velha forma. É preciso paciência e três treinos semanais nas primeiras semanas. Se você está acostumado a treinar mais dias, no segundo mês possivelmente você já terá retomado sua rotina. No meu caso funcionou. A parte mais difícil não foi recuperar a forma, mas vencer a a agenda de trabalho nesta metade do ano. O expediente além da conta roubou preciosas horas de descanso e colaborou para a troca de treinos por algumas horas de descanso. Como é tênue a fronteira entre os hábitos. Quando percebi as faltas aos treinos já haviam se acumulado.
Corridas off-road. É importante fazer ao menos parte do longão na terra batida. Ladeiras e areia trazem força extra as pernas e são importantes no desenvolvimento da corrida fora do asfalto. Os intervalados são importantes para ajustar o corpo as constantes variações de intensidade de quaisquer percursos.
Maratona. É possível correr uma maratona treinando três vezes por semana e com um volume de 60 Km semanais apenas na fase mais aguda dos treinos. Era o que precisava para o meu 2013. A possibilidade de ser sub-4h.
Alimentação. Frutas, legumes e verduras melhoraram o desempenho do corredor. Doces e frituras te levam na direção oposta. Os suplementos devem ser tratados com prudência e acompanhamento. No meu caso a creatina e o BCAA fizeram diferença na recuperação muscular. Não vou contar como só para você procurar orientação médica.  
Fissura. Nada em excesso faz bem. Nem mesmo correr. Existe vida além do tênis e sua família e amigosque agradecerão o bom senso. Mas não se agrida. Procure por programas que não afetarão seu esforço com o tênis.

MARATONA CROSS COUNTRY DE BÚZIOS
Faltando três semanas iniciei os treinos na areia. Passadas curtas, apenas o peito do pé entrando na areia e elevação de joelhos. FOI MUITO BOM! A alteração da minha passada que venho trabalhando desde a Asics Golden Four foi essencial para esta etapa de treinos. Hoje cedo foram 42 minutos na areia (5' Correndo e 2' Caminhando), por volta de uns 5 Km. Pensei que sofreria, mas procurar informações sobre a forma de correr na areia facilitou muito a missão. As duas próximas semanas terão treinos mais puxados e equilibrá-los com a agenda pesada do trabalho um desafio a parte. Mas é manter o ritmo. Parar só fará o desafio mais longo.
Boas passadas

Comentários

  1. E aí André, a gente se cobra mto e não ve tanta evolução, mas eu e meus amigos da equipe de vez em quando comparamos nossos tempos atuais nas distÂcnias com as de um, dois anos atrás. Assim, a gente percebe que o que era quase impossível hj é fácil e dá força para pensar o que hj é quase impossível seja no futuro ( com todos os treinos e esforços necessários) realizável.

    Abraços, bom desafio .
    corridaderuams.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a mais pura verdade, Rodrigo. Hoje realmente faço com a corrida o que considerei impensável há dois anos e meio. Porém, mesmo com todos as dificuldades tenho encontrado jeito de correr e isso por si só já é ótimo.
      A busca por mais vem de um 2011 fantástico, mas estou curtindo esta reconstrução.
      Obrigado pela visita.
      Vou dar um passeio pelo seu blog também.
      Boas passadas!
      André

      Excluir
  2. boas dicas valeu! passa la no meu blog e veja como tem sido a minha rotina de treinamentos.

    www.temposminimos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você ainda não percebeu, perceberá que escrever lhe ajudará a manter o foco.
      Bem vindo a mundo dos corredores blogueiros
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…