Pular para o conteúdo principal

Keep RUNNING

Para vocês que gostam do clipping que mensalmente faço da Revista Runners, tenho uma novidade: nos próximos posts trarei resenhas sobre a Revista THE FINISHER, edição 011. A THE FINISHER é uma publicação bimestral. Parecida, mas diferente das demais. Tem uma programação visual moderna e mesmo (ainda) não sendo íntimo de seu conteúdo posso dizer que possuí consistência. Ela sabe oferece com propriedade inúmeros temas bastante curiosos, além de uma visão diferenciada sobre performance. Talvez fruto do tempo que a equipe possui para produzir cada edição, ou simplesmente um jeito diferente de enxergar este nosso esporte.

EMBAIXADOR IGUANA
Este espaço que nasceu despretensiosamente para me ajudar a manter o foco e com a corrida no meu cotidiano me trouxe uma oportunidade no mínimo inusitada. A área de marketing da Iguana Publishing entrou em contato me convidando para assumir uma posição no mínimo curiosa: Embaixador Iguana. A missão é falar sobre as publicações da editora. Hora! Por que não? O blog existe justamente para fomentar a corrida. Ter uma revista a mais para manter o assunto em voga será ótimo! Em breve mais novidades sobre esta nova aventura.

AS PRIMEIRAS PALAVRAS
A primeira reflexão veio do editorial intitulado DNA Vencedor, onde o José Vicente (que desejo sucesso neste novo desafio de dirigir uma revista) me fez refletir sobre resiliência. Sim, ela mais uma vez. Ela talvez entre as muitas habilidades adquiridas ou intrínsecas que possamos ter, se mostra uma que devemos considerar como essencial. Ela é responsável por permitir nosso desenvolvimento, não só com a corrida, mas na vida. Tudo aquilo que decidimos percebemos valer a pena persistir, fazer mais e de novo no dia seguinte, fazemos melhor. Essa é a natureza. Se fazemos melhor e gostamos, naturalmente nos destacamos.
A corrida foi a minha (e de outros milhões de pessoas) o caminho para uma vida com mais qualidade. Então, o que você pretende fazer com o tempo que você tem? O que você gosta? O que você quer fazer?


METAS, SONHOS E O TEMPO
A história da Maria Clara Castro ilustra muito bem o tema DNA Vencedor. É uma pessoa que viveu com o esporte (e não do esporte) e se prepara para um novo desafio de quem tem a competição no sangue; talvez o maior de todos: correr por prazer. Quem quiser que minta, mas é impossível você passar semanas (ou meses) treinando e chegar no pórtico de largada sem sonhar com um recorde pessoal. Reconhecer que o limite foi alcançado e ter que quebrar paradigmas, que durante anos lhe guiou, é complicado. Quantos não resistiram e terminaram seus dias tristes ou desorientados? A cada dia vejo o quanto a frase do Nuno ("Chegar ao cérebro pelo músculo e ao espírito pelo corpo") é emblemática. Como reagir quando percebermos que apesar de todo o treino estamos ficando mais lentos? É preciso mais que amor ao esporte. Amor a vida. Não somos nada se nossas mentes não permitirem.

ATÉ ONDE CONSEGUIMOS IR?
A The Finisher publicou este mês uma reportagem sobre o canadense Ed Whitlock, detentor do recorde mundial da maratona com o tempo de 3h25. A reportagem tinha como objetivo informar que Ed também batera o recorde da meia maratona, com incríveis 1h38. Detalhe é ser sub-1h40 com 81 anos de idade. Realmente sabemos muito pouco sobre os nossos limites. Incrível o que este esporte é capaz de promover.
Boas passadas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…