Pular para o conteúdo principal

Sobreviveremos ao nosso imediatismo?

Hoje gostaria de lhe sugerir uma leitura diferente. Gostaria de compartilhar minha reflexão sobre as matérias DINASTIA VITORIOSA e CHANCE DE OURO, pois me perguntei se os esportes olímpicos terão forças para sobreviver ao imediatismo do brasileiro. A grande maioria "comprou" a cultura do consumo descartável. Que as coisas são feitas da noite para o dia. A percepção é que nada foi feito para durar, nem os ídolos. Talvez o grande problema seja este, pois depois do Guga Kuerten não tivemos (na minha humilde opinião) um novo ícone para o povo. Sua aposentadoria prematura foi também um baque. Tirando o futebol e mais recentemente o vôlei, tudo não passa de casos isolados. Mesmo o Vanderlei Cordeiro não conseguiu criar muita energia fora do círculo do atletismo.
O que desejo chamar a atenção é para o fato de que apenas o tempo e a dedicação contínua será capaz de criar grandes atletas. A exemplo do que acontece no Quênia, Etiópia e países próximos. A exemplo do que acontece com o nosso futebol. Apenas com o esforço de quem pratica e com a crença de quem é capaz de proporcionar a estrutura para prática do atletismo, formaremos atletas de ponta. Não a fruto do acaso, mas a custo da construção de novos hábitos. Muito se pergunta se diversificar o investimento no esporte pode ser rentável. Acho que a resposta está ao nosso redor, nos países vizinhos e na análise de outras modalidades que "pegaram". Veja a potência que o vôlei se tornou 20 anos depois do ouro conquistado em Barcelona. É algo irreversível, fruto de muita dedicação e disciplina. O esforço hercúleo que o basquete está fazendo para ganhar força e espaço deveria ser exemplo para o atletismo.
O movimento criado com a corrida de rua mos últimos anos veio para ficar, mas ele ainda não alcançou o nível de gerar atletas de alto desempenho da forma como precisamos, porém foi uma ótima forma de criar uma nova cultura esportiva extra-futebol. Talvez a própria confederação encontre novas formas de divulgar a corrida. Eu vejo o campeonato brasileiro de corrida de  rua um ótimo garoto propaganda, mas ainda falta um algo mais para ganhar a mídia especializada. Apesar dos inúmeros programas que falam sobre esporte, o atletismo nacional ainda tem pouco espaço. Talvez seja até difícil para quem tem interesse saber como iniciar no esporte, se não esbarrar nas pessoas certas. O colégio de minha adolescência parece que não existe mais, assim ficamos a mercê das escolinhas privadas. Ao menos em Niterói. Não vejo, ou talvez ainda não tenha encontrado (e olha que procurei), programas sociais para atletismo no município. Uma pena.
O investimento feito até agora para a olimpíada, precisa ser visto como o estopim que detonará um grande movimento. É sabido que precisamos de pelo menos 10 anos para formar um atleta de alto desempenho. Encontrá-lo ainda é outro problema. Mas precisamos nos preparar como nação. Criar uma infraestrutura básica para moldar talentos, para quando encontrá-los termos competência para desenvolvê-los. É como no filme DE VOLTA PARA O FUTURO. Eram preciso duas coisas para se viajar no tempo: saber onde um raio iria cair e estar com o carro preparado para aquele momento. Ficarei na torcida para que nosso atletismo esteja pronto para o futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…