Pular para o conteúdo principal

Sobreviveremos ao nosso imediatismo?

Hoje gostaria de lhe sugerir uma leitura diferente. Gostaria de compartilhar minha reflexão sobre as matérias DINASTIA VITORIOSA e CHANCE DE OURO, pois me perguntei se os esportes olímpicos terão forças para sobreviver ao imediatismo do brasileiro. A grande maioria "comprou" a cultura do consumo descartável. Que as coisas são feitas da noite para o dia. A percepção é que nada foi feito para durar, nem os ídolos. Talvez o grande problema seja este, pois depois do Guga Kuerten não tivemos (na minha humilde opinião) um novo ícone para o povo. Sua aposentadoria prematura foi também um baque. Tirando o futebol e mais recentemente o vôlei, tudo não passa de casos isolados. Mesmo o Vanderlei Cordeiro não conseguiu criar muita energia fora do círculo do atletismo.
O que desejo chamar a atenção é para o fato de que apenas o tempo e a dedicação contínua será capaz de criar grandes atletas. A exemplo do que acontece no Quênia, Etiópia e países próximos. A exemplo do que acontece com o nosso futebol. Apenas com o esforço de quem pratica e com a crença de quem é capaz de proporcionar a estrutura para prática do atletismo, formaremos atletas de ponta. Não a fruto do acaso, mas a custo da construção de novos hábitos. Muito se pergunta se diversificar o investimento no esporte pode ser rentável. Acho que a resposta está ao nosso redor, nos países vizinhos e na análise de outras modalidades que "pegaram". Veja a potência que o vôlei se tornou 20 anos depois do ouro conquistado em Barcelona. É algo irreversível, fruto de muita dedicação e disciplina. O esforço hercúleo que o basquete está fazendo para ganhar força e espaço deveria ser exemplo para o atletismo.
O movimento criado com a corrida de rua mos últimos anos veio para ficar, mas ele ainda não alcançou o nível de gerar atletas de alto desempenho da forma como precisamos, porém foi uma ótima forma de criar uma nova cultura esportiva extra-futebol. Talvez a própria confederação encontre novas formas de divulgar a corrida. Eu vejo o campeonato brasileiro de corrida de  rua um ótimo garoto propaganda, mas ainda falta um algo mais para ganhar a mídia especializada. Apesar dos inúmeros programas que falam sobre esporte, o atletismo nacional ainda tem pouco espaço. Talvez seja até difícil para quem tem interesse saber como iniciar no esporte, se não esbarrar nas pessoas certas. O colégio de minha adolescência parece que não existe mais, assim ficamos a mercê das escolinhas privadas. Ao menos em Niterói. Não vejo, ou talvez ainda não tenha encontrado (e olha que procurei), programas sociais para atletismo no município. Uma pena.
O investimento feito até agora para a olimpíada, precisa ser visto como o estopim que detonará um grande movimento. É sabido que precisamos de pelo menos 10 anos para formar um atleta de alto desempenho. Encontrá-lo ainda é outro problema. Mas precisamos nos preparar como nação. Criar uma infraestrutura básica para moldar talentos, para quando encontrá-los termos competência para desenvolvê-los. É como no filme DE VOLTA PARA O FUTURO. Eram preciso duas coisas para se viajar no tempo: saber onde um raio iria cair e estar com o carro preparado para aquele momento. Ficarei na torcida para que nosso atletismo esteja pronto para o futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…