Pular para o conteúdo principal

Crônicas de um corredor pitaqueiro: Circuito das Estações Adidas - Eterno amor e ódio

Foram mais de 14 mil participantes! A Adidas e a O2 mostraram muita organização para cuidar possivelmente de um dos eventos com a maior participação de corredores este ano no Aterro do Flamengo. Porém, apesar dos esforços, a alienação e pouca educação dos participantes (em sua maioria iniciantes) parecem não ter jeito. A organização da prova tentou uma nova estratégia para tentar oferecer uma largada por ritmo, deixando as baixas fechadas até faltarem 15 minutos para a largada. Quando os seguranças romperam as fitas de isolamento as pessoas começaram a entrar NÃO SÓ PELA ENTRADA. Começaram a pular a cerca e em alguns pontos abriram brechas nas cercas de metal para passar. Quando percebi apertei o passo para ficar bem na frente do pelotão azul, onde CONQUISTEI O DIREITO DE ESTAR. Mas a cada minuto que se passava, as pessoas se amontoavam para ficar o mais próximo do pórtico de largada possível, apesar de não terem cara de corredores de elite, pois mesmo capazes de manter um ritmo abaixo de 5'30"/Km. Vi pézinhos verdes e brancos a dar com rodo e infelizmente acho que apenas a Guarda Nacional daria cabo de organizar aquela gente toda.
Eu estava a quatro metros da linha de largada (literalmente) quando a sirene tocou. A situação ainda complicou, pois os corredores que ainda estavam do lado de fora do cercado, abriram caminho ao lado do pórtico e amontoaram ainda mais a largada. Repare no corredor na margem direita da foto (clique na linda foto do Daniel para ampliá-la). Ele realmente parece ser do pelotão de elite da prova?
Aquele mundo de gente impressiona. Impressiona positiva e negativamente. Fico feliz em ver tanta gente querendo buscar uma vida mais saudável, mas fico triste por perceber o quão fundo esperaram chegar para tentar se reerguer. Ver cascas de banana e garrafinhas de isotônico jogadas nos arredores do monumento dos praçinhas foi de doer. Não era falta de lixeira, pois presenciei muita gente deixando o lixo para trás como se tivesse alguém para limpar a sujeira criada por eles. Minha torcida é para que todos estes iniciantes continuem a correr e acabem desenvolvendo um novo estilo de vida, mais sustentável e educado. Primeiro porque desejo o melhor ao próximo e segundo porque adoro o Circuito das Estações. Tentei abandoná-lo, mas o coração bate mais forte. É o meu "Maracanã". Não apenas correr no Aterro do Flamengo, mas correr no aterro o Circuito das Estações.
Ah! Não estou falando que todo corredor tarimbado é santo, pelo contrário, existem exceções... exceções, entende? A maioria já entendeu a proposta.
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…