Pular para o conteúdo principal

Treinos baseados em intensidade ou contra o relógio: qual o melhor?

Este vai ser meu terceiro verão de treinos. É um período em que prefiro me dedicar a velocidade, as provas curtas, pois acho muito sacrificante enfrentar qualquer coisa além dos cinco quilômetros com o calor do Rio de Janeiro nesta época do ano.
Nos dois primeiros anos usei planilhas que definiam a intensidade dos treinos baseando-se na frequência cardíaca, que me trouxeram bons resultados. Este terceiro ano de treinos começa com uma nova proposta. A planilha My Asics sugere os treinos de qualidade baseados em ritmo, isto é, controle do tempo. Assim, no domingo saí para o primeiro treino deste novo microciclo. Nada demais. Dez minutos de aquecimento em corrida leve, cinco quilômetros com o ritmo médio entre 6'00" e 6'30" e por fim dez minutos de desaceleração. No segundo treino seriam três tiros de um quilômetro com três minutos de corrida leve entre eles para recuperar o fôlego. O detalhe é que o ritmo dos tiros deveria ser entre 4'50" e 5'15". Praticamente eu teria que colocar o ritmo da última prova nos tiros. Era a nova premissa para aprender a controlar a velocidade. Uma corrida contra o relógio.
Saí para o treino e pela primeira vez percebi que meu velho Polar não ajudaria a controlar os treinos por ritmo. O smartphone com o Runkeeper marcaria as passagens, mas o resultado eu só conseguiria Não há como registrar os check points nele. Volto a pensar no Garmin, mas hoje resolvi esquecer isso e tentar relembrar o ritmo da Adidas Verão.
Ao final do primeiro tiro a frequência cardíaca chegara a 96% da FCM. Eu só pensava em respirar. Ainda haviam outros dois tiros. No final do segundo a frequência cardíaca chegou a 97%. Os três minutos que antecederam não foram suficientes para recuperar as forças. No último tiro eu sentia cada músculo das pernas implorando para que eu parasse. Tentei manter o foco dentro do que era possível até o Runkeeper anunciar o fim do tiro.
O trote para casa quase virou uma caminhada, melhor, um rastejar. Eu deixei um pedaço de mim no calçadão da praia aquele dia para fazer todos os tiros entre 4'55 e 5'15" (4'49", 4'48" e 5'14"). Ainda há muito o que fazer para me acostumar com este ritmo, o que me deixa impressionado com meu recorde nos dez quilômetros de 50'18".
Para fechar a semana fiz hoje cedo um Tempo Run de três quilômetros onde o tempo limite era de 15'24" (média de 5'08" por quilômetro). Já foi menos sofrido que no último treino de tiros, pois consegui manter a média em 4'54" por quilômetro para fechar a corrida com 14'42". As pernas já reclamaram menos do esforço, apesar da frequência cardíaca ter apresentado o mesmo resultado, tendo registrado uma máxima de 97% da FCM.
Pelo nível do esforço, decidi não fazer o treino na areia.

TUDO DE BOM PARA VOCÊ!
Papai Noel este ano passou antecipado lá em casa. Ele me garantiu saúde, disposição e motivação para vencer os desafios com e sem o tênis. Generoso, usou a Márcia para me presentear com o MYASICS e os amigos a certeza de que o caminho que tem sido trilhado é o correto, através de palavras de apoio. Assim, agradeço à você, que deixou aqui um pouquinho de sua energia e tempo, que me foram muito importante em toda esta jornada de 2012. As palavras e experiências fizeram, fazem e sempre farão a diferença em minha vida. Afinal, a melhor forma de aprender é ouvindo, lendo e observando. E com a corrida tive o grande prazer de ser uma vez mais aluno.
Feliz Natal

Comentários

  1. Feliz 2013, André!!!! Que em 2013 a gente continue este aprendizado!! Um abraço!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para você também, Aline.
      Um 2013 de muitas conquistas e realizações, com e sem o tênis.
      Abs

      Excluir
  2. Grande André, também estou me planejando para começar a usar o My Asics, vou treinar para meia maratona. Fiz o primeiro treino no Domingo, 5K as 8:30 da manhã, quase morri de calor. coisa de louco. To pensando em adiar um pouco essa planilha. Fazer um longo de 18k nesse deserto é complicado. Vou tentar ganhar velocidade com treinos curtos e rápidos.

    Feliz 2013 para vc e toda sua família. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábia decisão, Victor.
      Treinar longas distâncias com este calor é complicado e perigoso. Como falei no post, aproveito esta época de calor para ganhar velocidade, que depende de treinos de intensidade. É como na musculação para ganhar massa. Muito peso e poucas repetições.
      Tenho uma notícia boa para vocês. Meus treinos para meia maratona normalmente possuem de 3 a 4 meses e as melhores provas estão entre junho e junho. Assim, começar os treinos no final de fevereiro será bem mais tranquilo.
      Só mais uma última coisa. Eu normalmente começo os treinos ANTES das 7 da manhã, quando a temperatura é mais amena, mesmo em março.
      Boas passadas e uma ótimo 2013 para você e sua família.
      Nos esbarramos pelo calçadão com certeza.
      André

      Excluir
    2. Fala, André! Um feliz 2013 para você e que possamos nos encontrar em muitas provas!
      grande abraço,
      Sergio (corredor feliz)

      Excluir
    3. Obrigado, Sérgio! Desejo o mesmo para você e os seus :-)
      Será que este ano a maratona vira uma realidade?!? Só estou pensando em qual participar.
      Abraços
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…