Pular para o conteúdo principal

Retrospectiva 2012

Apesar dos boatos, apenas 2012 está acabando. Resolvi aproveitar o momento para refletir sobre a corrida em minha vida este ano e nada melhor do que rever algumas passagens do blog. O ano termina com treinos de velocidade e dois textos valeram a pena ser revistos: 
O primeiro praticamente foi um marco para esta nova etapa, quando a dedicação a técnica tornou-se essencial para uma boa corrida. O segundo praticamente consolidou uma metodologia de treino baseada em frequência cardíaca, que neste momento deixei de lado para me dedicar aos treinos baseados no ritmo. O comentário a seguir é de um leigo, mas baseado em minha experiência posso dizer que os treinos de ritmo não são a melhor opção para os iniciantes, ou àqueles que estão ainda alcançando um nível intermediário. É preciso um bocado de consciência corporal e rodagem para não se arrebentar com os treinos mais intensos proposta nos treinos por ritmo.
O post Maratona Olímpica de Londres 2012: uma verdadeira aula também foi marcante, pois foi a primeira vez que me dediquei a assistir uma maratona. Aprendi muito naquelas duas horas e alguns minutos. Ver a forma como os corredores pisavam, a postura, as estratégias (não que eu sonhe disputar a liderança de uma prova) que o pelotão da frente adotou. Alguns buscaram a regularidade, mas a vitória veio para quem correu para um split negativo. É preciso ter muito controle e estar muito bem para um feito daquele.
Por falar em intensidade não posso deixar passar alguns eventos emblemáticos de 2012:
O primeiro post conta a primeira corrida do Diego, que há muito foi um fumante. O segundo post fala sobre minha primeira prova de dez quilômetros após a lesão. O terceiro sobre o companheirismo do Glaúcio na corrida mais bonita e sem uma única sombra que já participei. O quarto post conta a minha redenção na Golden Four, onde consegui uma vez mais ser Sub-2h. O quinto conta a minha primeira corrida cross country e claro que a “culpa” foi do Glaucio. Por fim, a primeira quebra de recorde pessoal após a lesão nos cinco quilômetros da Adidas Verão. Há muito que comemorar, pois 2012 foi um ano de superação física e emocional. Termino o ano forte e certo de que 2013 será de novas aventuras e descobertas com o tênis!
Feliz Ano Novo para você e boas passadas!


Comentários

  1. André bom dia muito bom o texto e serve para todos nós corredores refletirmos e também verificarmos o que deu de errado para que consertamos e fazemos certinho em 2013. Lhe desejo feliz 2013 e que Deus te abençoe.

    OBS: Uma pergunta como faço para colocar em meu blog aquelas abinhas que tem no seu blog?

    Bons treinos,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio, pela dedicatória e pela visita. É bom saber que que estas linhas que registro para me salvar, ajudam a outras pessoas.

      Quanto as abas, vá até a opção Páginas. Um botão nova página lhe permitirá criar quantas você quiser, mas o pulo do gato é MOSTRAR PÁGINAS COM: GUIAS NA PARTE SUPERIOR.
      Qualquer coisa, me procure.
      Abraços e Feliz Ano Novo!
      André

      Excluir
    2. Obrigao André pelo retorno, te perguntei essa pergunta em outro post mas desconsidera.
      Bons treinos,

      Jorge Cerqueira
      www.jmaratona.com

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…