Pular para o conteúdo principal

Retrospectiva 2012

Apesar dos boatos, apenas 2012 está acabando. Resolvi aproveitar o momento para refletir sobre a corrida em minha vida este ano e nada melhor do que rever algumas passagens do blog. O ano termina com treinos de velocidade e dois textos valeram a pena ser revistos: 
O primeiro praticamente foi um marco para esta nova etapa, quando a dedicação a técnica tornou-se essencial para uma boa corrida. O segundo praticamente consolidou uma metodologia de treino baseada em frequência cardíaca, que neste momento deixei de lado para me dedicar aos treinos baseados no ritmo. O comentário a seguir é de um leigo, mas baseado em minha experiência posso dizer que os treinos de ritmo não são a melhor opção para os iniciantes, ou àqueles que estão ainda alcançando um nível intermediário. É preciso um bocado de consciência corporal e rodagem para não se arrebentar com os treinos mais intensos proposta nos treinos por ritmo.
O post Maratona Olímpica de Londres 2012: uma verdadeira aula também foi marcante, pois foi a primeira vez que me dediquei a assistir uma maratona. Aprendi muito naquelas duas horas e alguns minutos. Ver a forma como os corredores pisavam, a postura, as estratégias (não que eu sonhe disputar a liderança de uma prova) que o pelotão da frente adotou. Alguns buscaram a regularidade, mas a vitória veio para quem correu para um split negativo. É preciso ter muito controle e estar muito bem para um feito daquele.
Por falar em intensidade não posso deixar passar alguns eventos emblemáticos de 2012:
O primeiro post conta a primeira corrida do Diego, que há muito foi um fumante. O segundo post fala sobre minha primeira prova de dez quilômetros após a lesão. O terceiro sobre o companheirismo do Glaúcio na corrida mais bonita e sem uma única sombra que já participei. O quarto post conta a minha redenção na Golden Four, onde consegui uma vez mais ser Sub-2h. O quinto conta a minha primeira corrida cross country e claro que a “culpa” foi do Glaucio. Por fim, a primeira quebra de recorde pessoal após a lesão nos cinco quilômetros da Adidas Verão. Há muito que comemorar, pois 2012 foi um ano de superação física e emocional. Termino o ano forte e certo de que 2013 será de novas aventuras e descobertas com o tênis!
Feliz Ano Novo para você e boas passadas!


Comentários

  1. André bom dia muito bom o texto e serve para todos nós corredores refletirmos e também verificarmos o que deu de errado para que consertamos e fazemos certinho em 2013. Lhe desejo feliz 2013 e que Deus te abençoe.

    OBS: Uma pergunta como faço para colocar em meu blog aquelas abinhas que tem no seu blog?

    Bons treinos,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio, pela dedicatória e pela visita. É bom saber que que estas linhas que registro para me salvar, ajudam a outras pessoas.

      Quanto as abas, vá até a opção Páginas. Um botão nova página lhe permitirá criar quantas você quiser, mas o pulo do gato é MOSTRAR PÁGINAS COM: GUIAS NA PARTE SUPERIOR.
      Qualquer coisa, me procure.
      Abraços e Feliz Ano Novo!
      André

      Excluir
    2. Obrigao André pelo retorno, te perguntei essa pergunta em outro post mas desconsidera.
      Bons treinos,

      Jorge Cerqueira
      www.jmaratona.com

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…