Pular para o conteúdo principal

Circuito Light Rio Antigo: uma luz no fim do túnel

Era para eu estar voando. Seria a primeira tentativa de recorde pessoal na prova dos 10 km após quase 12 semanas de preparação, mas a vida é uma caixinha de surpresas. Meu setembro foi complicado e é só isso que preciso dizer. O resto deixo para a sua imaginação, afinal problemas todos temos e a vida nos impõe diariamente um desafio a ser superado.
Eu ainda estou atônito como um dia uma coisa pode ser motivo e em outra ela se torna uma desculpa. Vi minha disposição desaparecer na mesma proporção em que as atribuições cresciam. Fique entregue, caído, cansado... derrotado. Foram semanas funcionando no modo automático, mas procurando a saída deste labirinto de adversidades.
Eu tinha certeza que não iria ficar daquela forma para sempre. Assim, me encolhi e aguardei. Reuni forças para num único pulo conseguir escapar desta armadilha.
Na manhã do último domingo a oportunidade chegara. Eu havia me inscrito na etapa Paço Imperial do Circuito Light Rio Antigo, além da minha esposa  Andréa e da nossa amiga Marta.
Veio a manhã de domingo. Acordei sibilando por conta da asma. Estava ofegante, nada grave para levar o dia, mas eu iria correr! Veio o desânimo. Tentei convencer minha esposa a não irmos mais, porém ela disse que queria ir e um pouco de ar fresco logo cedo me faria bem. Decidi não tomar o remédio e acabar com as chances de correr. Apesar do desconforto, fomos para o Rio.

A Praça XV ganhou um novo ponto de vista ao ver aquele mar de gente vestindo azul. Éramos uns cinco mil pelo menos aguardando a largada. O pórtico foi colocado logo após o sinal da Rua do Rosário e o "circo" armado na praça ao lado do Paço Imperial. Chegamos tão cedo que rodamos o perímetro, tiramos fotos e nos colocamos em uma área bem tranquila para a largada.
O percurso realmente passou por belos prédios e monumentos do centro. A oportunidade de passar andando, onde normalmente estou de carro (ou ônibus) me deu a oportunidade de olhar com mais calma para alguns lugares.
O ritmo estava ótimo, para quem não treinava a praticamente um mês. Mantive até o km 7 o pace de meia maratona, depois a falta de condicionamento e o calor me fizeram diminuir a intensidade. Neste instante eu só pensava em terminar a prova correndo. Não queria andar, pois mexeria muito com minha já abalada motivação. Porém no final deu tudo cero. Depois de 1 hora e 54 segundos cheguei! Foi uma corrida para espantar mau olhado, pois até o Garmin teve problemas para funcionar. O GPS só engrenou quando já havia deixado para trás 1 km ou 2km.


Quanto a organização. Sinceramente achei um pouco tumultuado. Antes da prova as caixas de água e frutas estavam expostas e a mercê de quem passasse por elas. Bastante coisa foi consumida antes da prova, mas fiquei feliz por não ser afetado por este fato. A camisa (apesar de bonita)  de poliester. Uma decepção, ainda mais na era da poliamida e a disponibilidade do Dry Fit.
Iniciar a prova às oito deu segurança para os corredores, por conta do calor.

Comentários

  1. Hei André, não desanime, a vida prega peças na gente mesmo e as vezes nos sentimos derrotados. Mas assim como na corrida estamos constantemente dizendo pra aquela voz interior que não é ela quem manda e que você só vai parar quando terminar e não porque está cansado temos que usar essa tática para outras coisas da vida. Ninguém pode governar a tua vida a não ser você. Espero que tenha exorcizado esse período da tua vida e iniciado com todo o gás um novo.
    Bons treinos
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida realmente prega peças, até mesmo quando realiza nossos desejo. No meu caso, TODOS ao mesmo tempo. Mas isso é sinal de que estou na luta. Vez outra ganho um murro, mas continuo na batalha. Voltar a treinar regularmente é o novo objetivo. Com o calor que está dazendo aqui no Rio não ambiciono melhores tempos. É manter a forma como e aguardar pelo outono.
      Obrigado pela visita!
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…