Pular para o conteúdo principal

Circuito Light Rio Antigo: uma luz no fim do túnel

Era para eu estar voando. Seria a primeira tentativa de recorde pessoal na prova dos 10 km após quase 12 semanas de preparação, mas a vida é uma caixinha de surpresas. Meu setembro foi complicado e é só isso que preciso dizer. O resto deixo para a sua imaginação, afinal problemas todos temos e a vida nos impõe diariamente um desafio a ser superado.
Eu ainda estou atônito como um dia uma coisa pode ser motivo e em outra ela se torna uma desculpa. Vi minha disposição desaparecer na mesma proporção em que as atribuições cresciam. Fique entregue, caído, cansado... derrotado. Foram semanas funcionando no modo automático, mas procurando a saída deste labirinto de adversidades.
Eu tinha certeza que não iria ficar daquela forma para sempre. Assim, me encolhi e aguardei. Reuni forças para num único pulo conseguir escapar desta armadilha.
Na manhã do último domingo a oportunidade chegara. Eu havia me inscrito na etapa Paço Imperial do Circuito Light Rio Antigo, além da minha esposa  Andréa e da nossa amiga Marta.
Veio a manhã de domingo. Acordei sibilando por conta da asma. Estava ofegante, nada grave para levar o dia, mas eu iria correr! Veio o desânimo. Tentei convencer minha esposa a não irmos mais, porém ela disse que queria ir e um pouco de ar fresco logo cedo me faria bem. Decidi não tomar o remédio e acabar com as chances de correr. Apesar do desconforto, fomos para o Rio.

A Praça XV ganhou um novo ponto de vista ao ver aquele mar de gente vestindo azul. Éramos uns cinco mil pelo menos aguardando a largada. O pórtico foi colocado logo após o sinal da Rua do Rosário e o "circo" armado na praça ao lado do Paço Imperial. Chegamos tão cedo que rodamos o perímetro, tiramos fotos e nos colocamos em uma área bem tranquila para a largada.
O percurso realmente passou por belos prédios e monumentos do centro. A oportunidade de passar andando, onde normalmente estou de carro (ou ônibus) me deu a oportunidade de olhar com mais calma para alguns lugares.
O ritmo estava ótimo, para quem não treinava a praticamente um mês. Mantive até o km 7 o pace de meia maratona, depois a falta de condicionamento e o calor me fizeram diminuir a intensidade. Neste instante eu só pensava em terminar a prova correndo. Não queria andar, pois mexeria muito com minha já abalada motivação. Porém no final deu tudo cero. Depois de 1 hora e 54 segundos cheguei! Foi uma corrida para espantar mau olhado, pois até o Garmin teve problemas para funcionar. O GPS só engrenou quando já havia deixado para trás 1 km ou 2km.


Quanto a organização. Sinceramente achei um pouco tumultuado. Antes da prova as caixas de água e frutas estavam expostas e a mercê de quem passasse por elas. Bastante coisa foi consumida antes da prova, mas fiquei feliz por não ser afetado por este fato. A camisa (apesar de bonita)  de poliester. Uma decepção, ainda mais na era da poliamida e a disponibilidade do Dry Fit.
Iniciar a prova às oito deu segurança para os corredores, por conta do calor.

Comentários

  1. Hei André, não desanime, a vida prega peças na gente mesmo e as vezes nos sentimos derrotados. Mas assim como na corrida estamos constantemente dizendo pra aquela voz interior que não é ela quem manda e que você só vai parar quando terminar e não porque está cansado temos que usar essa tática para outras coisas da vida. Ninguém pode governar a tua vida a não ser você. Espero que tenha exorcizado esse período da tua vida e iniciado com todo o gás um novo.
    Bons treinos
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida realmente prega peças, até mesmo quando realiza nossos desejo. No meu caso, TODOS ao mesmo tempo. Mas isso é sinal de que estou na luta. Vez outra ganho um murro, mas continuo na batalha. Voltar a treinar regularmente é o novo objetivo. Com o calor que está dazendo aqui no Rio não ambiciono melhores tempos. É manter a forma como e aguardar pelo outono.
      Obrigado pela visita!
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…