Pular para o conteúdo principal

RESENHAS: Revista Runners #57

PARE DE FUMAR
Decidi começar pela matéria de capa, pois tabagismo é um assunto emblemático. Faz mal, todo mundo sabe, mas por um jeito ou de outro acaba fumando. Até eu já tive minha fase, apesar de uma vida fortemente amarrada a atividade física. Fui ainda mais irresponsável que os irresponsáveis por conta da bronquite (asma se preferir), que nunca deixou de estar presente na minha vida.
A reportagem impressiona. Não tem como se sentir bem ao ler as palavrasjovem, vício, fraqueza e dependênciareunidas em um mesmo contexto. A matéria GABI CONTRA O CIGARRO é uma breve nota de um mal que assombra a juventude. Foi na minha época e continua sendo nos dias de hoje. Os motivos também. Influência do grupo, ou da família.
Segundo a revista, 1/3 da população adulta do mundo ainda fuma e os efeitos sobre o pulmão é o menor dos males. O pulmão tardiamente poderá desenvolver um câncer, mas durante este caminho você verá uma pessoa dependente quimicamente, com crises de ansiedade e possíveis variações de humor. Tem mais, mas acho que já escrevi o suficiente sobre os malefícios deste pequeno objeto.
Desejo sorte e força de vontade para a Gabi.

DOPING NATURAL
A matéria fala sobre hormônios e seus efeitos em nosso corpo enquanto corredor. Farei algumas observações, mas recomendo que leia a matéria para tirar suas próprias conclusões.
São seis hormônios que atuam com mais predominância.
Testosterona. Ajuda na absorção de proteínas e fortalecimento muscular.
Hormônio do Crescimento (GH). Atua na formação de músculos, na queima de gordura e regeneração celular.
Cortisol. Disponibiliza energia para os músculos.
Peptídeo YY. Supressão do apetite.
Gretina. Aumento do apetite.
Tioxina. Velocidade do metabolismo.
A relação esforço/hormônio é muito peculiar. Isto não é um processo simples e existem inúmeras hipóteses/combinações gerando efeitos distintos e cada um de nós.
O que aprendi com a reportagem. Segundo pesquisas, após os quarenta começamos a perder gradativamente massa muscular. Assim, viver em meio a preparação para maratonas não é algo muito bom para quem tem problemas para MANTER o peso (como eu). A ênfase em treinos de força e velocidade seriam os mais indicados, para ajudar na manutenção da musculatura e na redução da gordura corporal (que também marcam esta faixa etária).

MITOS E VERDADES
A matéria do Marcos Paulo este mês foi para os impacientes e apressados - brincadeira. Ele montou um quiz para tratar de assuntos importantes. Abaixo a transcrição:
  • "Quanto menos peso suas pernas carregarem, mais rápido elas andarão". Um corredor de ponta tem o percentual de gordura entre 6% e 10%.
  • "A melhor hora para treinar é a hora em que você pode fazer o treino direito".
  • "Competir todo fim de semana gera um desgaste desnecessário (...) Você deve treinar em busca de dois ou três resultados por ano -de e, de preferência, em distâncias diferentes."
  • Suplementos são necessários para os amadores sim... para os amadores de alto desempenho.
  • Cross-training ajuda, mas não substitui um bom treino. Correr será sempre correr.
  • O muro da maratona  avançou para o km 35. Você treina para aprender correr 7 km nas piores condições que se pode imaginar.
  • Treinar na esteira é tão bom quanto o no asfalto e ainda fortalece a mente para as longas e enfadonhas provas longas.
  • Ficamos mais lentos depois dos 40 anos. Ajuste suas expectativas para não sofrer com frustrações.
QUASE MORRI. DUAS VEZES
Há um tempo escrevi sobre a educação no trânsito e que vans e ônibus já ameaçaram me acertar durantes os treinos. Na Runners 57 foi a vez do Sérgio Xavier compartilhar sua experiência com estes assassinos do asfalto. Ele no caso, sofreu com motoristas de carro! Como se estes não andassem a pé! Deixo aqui meu protesto novamente registrado, pois um dia eles mesmos poderão ser vítimas deste desrespeito as leis do trânsito.
Não há pressa que justifique colocar em risco a vida alheia. Saia mais cedo. Vá para o autódromo da sua cidade esmerilhar seu carro. O problema é seu. Mas nas vias públicas, respeite as leis do trânsito. Afinal, sua família pode estar entre os pedestres um dia.
Abaixo um vídeo que reflete bem os tempos modernos (apesar de ter sido produzido em outra época).


EU CORRO - Daniella TURBINADA Cicarelli

Me surpreendi positivamente com o relato, pois esta é uma rara é clara oportunidade de associar modelo fotográfico e esporte. A palavra REGIME sempre precedeu qualquer julgamento sobre as profissionais deste ramo. Mas vamos ao perfil:
  • 12 anos de corrida
  • Maratonista com R.P de 3h56 (que baba!)
  • Já teve lesão por estresse, mas melhorou e voltou a correr
  • Vai fazer um MEIO IRONMAN este ano.

Vamos lá. Um minuto de silêncio para você rever sua vida e seus conceitos sobre tempo, saúde e esporte.
Por hoje é só.
Boas passadas.

Comentários

  1. Legal a resenha da revista, eu nunca fumei mas meu pai fuma desde os 14 anos e ele está sofrendo as consequências de uma vida de abusos e excessos. EU sofro com o trânsito também e quase morri várias vezes por isso abandonei a música e sempre SEMPRE faço contato visual com o motorista mesmo que isso comprometa o pace. Adorei as dicas do MPR ele é demais. E que tal essa Cicarelli hein?! Impressionante, ela corre antes de correr virar modinha e leva isso a sério.
    Bons treinos
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju.
      A revista estava recheada (pra variar!)
      Correr na contra-mão é item de segurança. Não dá para facilitar, mesmo em uma que prima pela cidadania como Niterói. Existem ovelhas negras em qualquer lugar para criar as exceções.
      A Cicarelli está aí para nos mostrar que a vida sempre pode nos surpreender. Não dá para ter preconceito com nada realmente. Parece que tudo nesta vida é possível.
      Obrigado pela visita.
      Boas passadas!

      Excluir
  2. Gostei muito da resenha! Eu tenho que ler a CR deste mês, depois de Buenos Aires algumas matérias caíram feito uma luca de cimento. rsrsrs

    Cicarelli continua gata e sempre passou uma imagem de pessoa saudável, os tempos da moça impressionam.

    Gostei muito da resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Drica.

      Escrever ajuda a manter o foco. Ainda estou bestificado com os tempos da moça.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…