Pular para o conteúdo principal

Circuito Athenas RIO - III Etapa

Há muito dizem que um é pouco, dois é bom, mas três... três é bom demais! Foi assim que encarei as três etapas do Circuito Athenas. Não por ter superado distâncias, mas por ter superado um ano repleto de desafios e ainda ter vivido grandes experiências por conta da corrida de rua. Vieram novos amigos, sorteios e experiências que carregarei comigo. Um forte abraço para a Renata, Milene e Flávio, vencedores dos sorteios que realizamos durante o ano. Meus eternos agradecimentos a Noemia Brum, da Iguana Sports, por ter confiado na divulgação das provas através deste blog. Está tudo muito lindo, mas vamos contar como foi a terceira etapa.
O dia amanheceu com a temperatura amena, com nuvens a encobrir parcialmente o sol que lutava para ganhar o céu. A viagem Niterói - Barra da Tijuca foi tranquila e como cheguei com certa antecedência não tive problemas para estacionar a menos de duas quadras da largada. Largada que por sinal seria no mesmo local da Maratona do Rio. Um filme da corrida passou pela mente enquanto em avaliava o "circo" armado. Gosto demais da infra-estrutura da Iguana Sports. Eles não complicam e conseguem oferecer qualidade nos eventos.
Não demorou muito para eu esbarrar com o Sérgio e a Drica, evidências vivas de que existem super-humanos. Eles correm ULTRA MARATONAS. Os detalhes desta aventura vocês podem conferir no blog Correndo na viagem. Conversamos um bocado sobre a grande aventura antes da largada, tiramos a tradicional foto para registrar o encontro e seguimos para a largada.
Cinco para ir e cinco para voltar. Um percurso simples, plano, bonito e rápido. Perfeito para se fazer um novo recorde pessoal, mas não iria ser desta vez. Mas eu estava feliz, afinal eu estava correndo! É o que importa. Celebrar a chance de praticar um esporte. Larguei tranquilo e sem forçar junto com o Sérgio. Ele iria correr apenas 5 Km bem tranquilos. Desejei-lhe sorte e segui para os meus 10 Km em ritmo mais intenso. Eu só queria melhorar a marca do Circuito Light Rio Antigo, quando fiz 1h00 cravada nos 10 Km do sinuoso percurso das ruas do centro.
A temperatura ajudou bastante e com uma hidratação impecável consegui manter um bom ritmo na primeira perna do percurso. Fiz a volta e perto do Km 6 avistei a Fabiana, sendo escoltada pelo Gláucio, rumo aos seus primeiros 21 km. Foi respirar fundo e gritar um "Bora Fabiana!" antes de seguir em frente. Com o vento soprando contra, o caminho de volta para o Pontal foi mais cansativo. Eu perdia velocidade sempre que corria sozinho. Assim tentei me manter na perseguição de algum corredor para tentar usá-lo como escudo contra o vento. Apertei até o ritmo em alguns momentos para não correr desgarrado, que se mostrava uma opção muito ruim.
Quando dei por mim a reserva já havia acabado e já estava cercado pelos prédios. Faltando pouco mais de um quilômetro ainda avistei a Drica e o Sérgio indo embora. Ela perguntou se eu iria conseguir cumprir a meta da corrida sub-57 minutos. Eu disse acho que sim, respirei fundo e busquei o tanto de energia que ainda possuía para passar pelo pórtico com 56 minutos e 40 segundos! Três minutos mais rápido que o feito de duas semanas atrás. Missão cumprida. Como é bom correr. Como é bom celebrar a vida!
No caminho de volta eu me perguntava sobre o próximo desafio e pensei: continuar correndo. Se sobrar um tempinho para mais uma prova este ano, que venha sem compromisso também.

Boas passadas!

Comentários

  1. Boa André! Agora é traçar a próxima meta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Flavio.
      Como foi a prova? Atingiu sua meta?
      A estrada para voltar a correr em 50 minutos é longa, mas não tenho pressa.
      Boas passadas!

      Excluir
  2. Parabéns André, não sei exatamente o que está acontecendo, mas você está passando por isso e vai conseguir alcançar teus objetivos, essa prova foi PROVA disso. Bom tempo, superação e a lembrança de como é bom correr.
    Bons treinos
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju. Obrigado pela visita. Hoje cedo publiquei o salseiro que estou vivendo no O GRANDE EQUILIBRISTA. Vamos indo... são fases a serem superadas.
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…