Pular para o conteúdo principal

O desaquecimento não serve para nada

Iberê contou esta na sua coluna da Runners 57. Um novo grupo de cientistas resolveu colocar a prova uma teoria levantada nos anos de 1970 e repaginada nos anos de 1990.
Esta pesquisa que começou em 2007 jogou esta verdade no ventilador, mas no lugar da polêmica Iberê resolveu mostrar como a endorfina ajuda a deixar o copo meio cheio.
Mesmo cientificamente comprovado que o desaquecimento não trás benefícios fisiológicos para remoção do ácido lático dos músculos, ele ainda é responsável por aumentar o seu volume de treinos semanal e por permitir um bom papo no final do treino com os amigos. Afinal não é preciso intensidade em 100% do treino. Pelo contrário, a resistência está ligada também a distância e não a velocidade. Quanto a parte social o desaquecimento já me presenteou com algumas boas conversas. E você, o que acha?
Boas passadas.

Comentários

  1. Salve André.
    Cara, li o livro do Michael Phelps. Bem legal e simples.
    Lá ele relata, que após as provas, tirava um pouco de sangue da orelha e de acordo com o total de ácido lático, ele soltava tantas piscinas.
    Inton-se, deve ser verdade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Xará.
      Teorias são referências e verdades absolutas até que alguém prove o contrário. Mas a intenção do post era provocar a discussão, pois faço parte do grupo que faz o desaquecimento. É eficaz, mesmo que seja apenas de ordem psicológica. Adoro voltar para casa em passo lento relembrando o treino.
      Boas passadas!

      Excluir
  2. dificilmente eu desaqueço, começo a corrida mais leve uns 10 min mas quando paro, pronto acabou, e como eu corro sozinha não sinto nenhuma diferença, também não alongo depois da corrida com medo por estar super aquecida acabar forçando demais e acabar rompendo muitas fibras, eu devo fazer tudo errado, mas agora fico sem o peso na consciência com a falta do desaquecimento. rsss Na verdade eu tenho uma máxima de nunca terminar o treino mais lenta do que comecei, fim de treino é quase pique independente da distância percorrida os 200 metros finais é sprint.
    Beijos
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No mínimo curioso, Ju.
      Nunca tinha imaginado algo semelhante. Mas cale para qualquer tipo de treino? Seja um longão, intervalado ou regenerativo?
      Mate minha curiosidade ;-)
      Boas passadas!

      Excluir
    2. Olha só, eu NUNCA alongo antes e nem depois, apesar disso trabalho a flexibilidade em dias de repouso fazendo o descanso ativo com pilates ou yoga, alongar antes nunca deve ser no limite e depois também não, segundo meu fisio você deve chegar a 40% do limite apenas para "acordar" o músculo o ideal seria os educativos para aquecer, agora me diz qual o teu 40%???? Há e ai???? fez contas ficou difícil, pois é, melhor não fazer. Alongar depois estando aquecido você vai mais longe e o risco de machucar é maior.
      Quanto a terminar o treino mais rápido do que começou serve para todos os tipos de treino, é treinar o corpo para depois do esforço dar o gás a mais. assim fica mais fácil nas provas buscar aqueles metros ou aquele corredor que está na tua frente. E alem do mais é extremamente gratificante eu termino com sangue nos olhos. rs.
      Como eu disse, devo fazer tudo errado. Mas não existe uma fórmula mágica e tudo é muito controverso nesse mundo.
      Acho que é isso.
      ps. a curiosidade matou o gato. rss

      Excluir
    3. A parte boa nesta diversidade é que de um jeito ou de outro todo mundo encontra um ponto de equilíbrio (cedo ou tarde).
      Boas passadas!

      Excluir
  3. esta é minha primeira participação nesse espaço, apesar de sempre acompanhar suas postagens e aprender muito com elas.
    sobre desaquecimento, eu moro num prédio que fica no alto de uma ladeira e eu programo meus treinos para sempre terminarem na porta do meu prédio, ou seja, a última parte do treino é uma subida bem íngreme que joga minha frequência lá pra cima. normalmente eu dou um trotezinho no pátio do prédio, mas nunca sei se esse trote gera algum bem real para o organismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vindo, Menandro.
      Fico muito grato por saber que estas experiências pessoais contribuem positivamente. Isso só me dá mais ânimo para continuar escrevendo esta história com meu tênis.
      Olha, como disse acima, se não faz bem, mal não faz. Todos meus treinos terminam com 20 minutos de trote ou corrida leve.
      Se fisiologicamente é irrelevante, psicologicamente é essencial.
      Volte sempre.
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…