Pular para o conteúdo principal

O desaquecimento não serve para nada

Iberê contou esta na sua coluna da Runners 57. Um novo grupo de cientistas resolveu colocar a prova uma teoria levantada nos anos de 1970 e repaginada nos anos de 1990.
Esta pesquisa que começou em 2007 jogou esta verdade no ventilador, mas no lugar da polêmica Iberê resolveu mostrar como a endorfina ajuda a deixar o copo meio cheio.
Mesmo cientificamente comprovado que o desaquecimento não trás benefícios fisiológicos para remoção do ácido lático dos músculos, ele ainda é responsável por aumentar o seu volume de treinos semanal e por permitir um bom papo no final do treino com os amigos. Afinal não é preciso intensidade em 100% do treino. Pelo contrário, a resistência está ligada também a distância e não a velocidade. Quanto a parte social o desaquecimento já me presenteou com algumas boas conversas. E você, o que acha?
Boas passadas.

Comentários

  1. Salve André.
    Cara, li o livro do Michael Phelps. Bem legal e simples.
    Lá ele relata, que após as provas, tirava um pouco de sangue da orelha e de acordo com o total de ácido lático, ele soltava tantas piscinas.
    Inton-se, deve ser verdade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Xará.
      Teorias são referências e verdades absolutas até que alguém prove o contrário. Mas a intenção do post era provocar a discussão, pois faço parte do grupo que faz o desaquecimento. É eficaz, mesmo que seja apenas de ordem psicológica. Adoro voltar para casa em passo lento relembrando o treino.
      Boas passadas!

      Excluir
  2. dificilmente eu desaqueço, começo a corrida mais leve uns 10 min mas quando paro, pronto acabou, e como eu corro sozinha não sinto nenhuma diferença, também não alongo depois da corrida com medo por estar super aquecida acabar forçando demais e acabar rompendo muitas fibras, eu devo fazer tudo errado, mas agora fico sem o peso na consciência com a falta do desaquecimento. rsss Na verdade eu tenho uma máxima de nunca terminar o treino mais lenta do que comecei, fim de treino é quase pique independente da distância percorrida os 200 metros finais é sprint.
    Beijos
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No mínimo curioso, Ju.
      Nunca tinha imaginado algo semelhante. Mas cale para qualquer tipo de treino? Seja um longão, intervalado ou regenerativo?
      Mate minha curiosidade ;-)
      Boas passadas!

      Excluir
    2. Olha só, eu NUNCA alongo antes e nem depois, apesar disso trabalho a flexibilidade em dias de repouso fazendo o descanso ativo com pilates ou yoga, alongar antes nunca deve ser no limite e depois também não, segundo meu fisio você deve chegar a 40% do limite apenas para "acordar" o músculo o ideal seria os educativos para aquecer, agora me diz qual o teu 40%???? Há e ai???? fez contas ficou difícil, pois é, melhor não fazer. Alongar depois estando aquecido você vai mais longe e o risco de machucar é maior.
      Quanto a terminar o treino mais rápido do que começou serve para todos os tipos de treino, é treinar o corpo para depois do esforço dar o gás a mais. assim fica mais fácil nas provas buscar aqueles metros ou aquele corredor que está na tua frente. E alem do mais é extremamente gratificante eu termino com sangue nos olhos. rs.
      Como eu disse, devo fazer tudo errado. Mas não existe uma fórmula mágica e tudo é muito controverso nesse mundo.
      Acho que é isso.
      ps. a curiosidade matou o gato. rss

      Excluir
    3. A parte boa nesta diversidade é que de um jeito ou de outro todo mundo encontra um ponto de equilíbrio (cedo ou tarde).
      Boas passadas!

      Excluir
  3. esta é minha primeira participação nesse espaço, apesar de sempre acompanhar suas postagens e aprender muito com elas.
    sobre desaquecimento, eu moro num prédio que fica no alto de uma ladeira e eu programo meus treinos para sempre terminarem na porta do meu prédio, ou seja, a última parte do treino é uma subida bem íngreme que joga minha frequência lá pra cima. normalmente eu dou um trotezinho no pátio do prédio, mas nunca sei se esse trote gera algum bem real para o organismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vindo, Menandro.
      Fico muito grato por saber que estas experiências pessoais contribuem positivamente. Isso só me dá mais ânimo para continuar escrevendo esta história com meu tênis.
      Olha, como disse acima, se não faz bem, mal não faz. Todos meus treinos terminam com 20 minutos de trote ou corrida leve.
      Se fisiologicamente é irrelevante, psicologicamente é essencial.
      Volte sempre.
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…