Pular para o conteúdo principal

O GPS e a selva de pedra

Não sei quantas vezes pensei que eu havia comprado um monitor cardíaco caro e porcaria. Mas o quebra-cabeça não encaixava, pois este era o segundo aparelho. O primeiro funcionara tão bem até cair da prateleira e virar uma breve recordação de muitos momentos juntos.
Foram inúmeros dias esperando cinco, dez ou às vezes quinze minutos para o Garmin Forerunner 610 sincronizar com os satélites. Muitos deles eu desisti de esperar e corri sem o gps, fazendo a entrada da distância na mão.
Fiz o que todo mundo faz quando tem um problema: fui ao Google. Resolvi pesquisar sobre demora na sincronização e a lista dos principais links estavam apontando para o suporte da própria Garmin. Todos remeteram para uma mesma resposta, onde o aparelho demora de três a cinco minutos para sincronizar o gps se estivesse utilizando em local com ampla visão do céu. Ampla visão do céu... a verdade veio a tona como um balde de água fria. Dos novos prédios foram construídos ao lado do meu. Será que era apenas isso? A dificuldade em sincronizar o gps durante a última etapa do Circuito Rio Antigo reforçaram a teoria. Eu só precisava colocar a teoria a prova.

Era mais uma manhã como outra qualquer. Ao sair do prédio, resolvi caminhar até a próxima esquina, com menos prédios a fechar o céu. Foi ligar o aparelho e... voilà! Menos de um minuto para localizar e sincronizar com os satélites. Outro dia ainda passei um aperto, mas descobri como desligar e ligar o gps no relógio, ato mais eficiente do que desligar e ligar o relógio. Como qualquer dispositivo tecnológico dificilmente utilizaremos todos os seus recursos. Ou melhor, dificilmente saberemos de todo seu potencial. É cutucando que se aprende.
Esta dificuldade com o Garmin me fez lembrar dos tempo com o smartphone e o Runkeeper. Não há como culpá-lo pela falta de precisão. Continuo recomendando este app, pois considero muito importante monitorar os treinos. Eu ainda faço uso dele, para controlar a quilometragem total e o desgaste dos tênis.
Voltando ao assunto gps e seus problemas, hoje vejo ainda mais importante a marcação dos quilômetros nas provas de rua. Se o gps falhar, são estas placas que nos darão algum parâmetro para nosso desempenho. Quantas vezes me peguei fazendo contas enquanto corria as provas para saber se estava em bom ritmo. Infelizmente cada prova marca as distâncias de uma forma. A maioria não informa todos os quilômetros.
Destaque para as provas no Aterro do Flamengo, onde é possível ver todas as marcações. Chega a ser irônico, pois o gps funciona a contento. Provas como o Circuito Rio Antigo precisam dar atenção a este fator, visto o percurso entre prédios. Na primeira etapa do ano me inscrevi para correr a prova de 5K e o gps marcou quase 7 km! Os rabiscos no mapa deveram-se a dificuldade em fechar minha posição na selva de pedra.
Boas passadas!

Comentários

  1. Sempre tive vontade de adquirir um Garmin. Afinal vale a pena ou não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre vale ter um Garmin, Japarun. Ele está entre nossas melhores opções. O Sérgio escreveu um outro post que complementa muito minha opinião sobre estes maravilhosos aparelhos da Garmin. Após a leitura você verificará que existem alternativas muito interessantes: o 210, 220, 305, 310, 610 e o master blaster 620 (o tudão). Os preços variam entre US$ 180 e US$ 500. Mas são dispositivos que duram. Aproveite para ver o post do nosso nome companheiro de asfalto.
      http://corredorfeliz.blogspot.com.br/2014/03/que-gps-comprar.html.

      Boas passadas.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…