Pular para o conteúdo principal

10K da Corrida das Estações Adidas - Inverno

Eram cinco e meia da manhã quando eu me levantava para mais um desafio no Aterro do Flamengo. Como tudo estava arrumado desde a noite anterior, em poucos minutos já estava no carro. A travessia da ponte ocorreu sem problemas, pistas livres e o sol nascendo no retrovisor do carro em um céu azul e laranja sem nuvens. Em menos de vinte minutos estava descendo a perimetral e estacionando em frente a passarela que nos leva ao MAM.

Boa estrutura. A primeira impressão foi positiva. Os estandes para retirada dos chips foram bem distribuídos atrás do museu e não enfrentei fila para pegar o meu. Os patrocinadores se espalharam em frente a praça e aproveitei o horário para saber o que eles ofereciam e para quem. Alguns deles estavam ali por causa de funcionários que participariam da prova e promover alguns de seus produtos. Parabéns a Adidas por seu estande, pois estava oferecendo o teste da pisada para todos os participantes do evento. Como eu já havia feito, menciono o fato aos iniciantes, pois saber que tipo de pisada possuímos é deteminante para escolha do tênis mais adequado. A grande surpresa foi conhecer a área exclusiva dos integrantes do Clube O2. Um bom local para relaxar e ainda ofereciam frutas, sucos, sanduíches e cadeiras para massagem. Bom demais. Recomendo.

Faltando pouco menos de uma hora para largada encontrei novamente meu amigo Carlos, desta vez com a esposa. Ambos iriam participar da prova de 5K, enquanto eu iria para a de 10K. Rodamos um pouco mais pelo evento e seguimos para o local da largada. Fiz alguns exercícios de alongamento dinâmico, antes de iniciar o aquecimento. Faltando quinze minutos resolvemos nos posicionar. Afinal, eram mais ou menos 13 mil corredores e queríamos fugir do "trânsito" desta vez. Ajustei o monitor cadíaco para 85% da FCM e desliguei o beep (promessa é dívida) e quando olhei para frente descobri que a organização colocara alguns coelhos para auxiliar os corredores no início da prova. Placas com o pace entre 5' e 7', com 30" de intervalo se espalharam a frente do pelotão. Localizei a placa de 6' para saber de que lado da avenida eu ficaria. Tudo pronto agora.

Começou. A largada foi boa. O posicionamento mais a frente foi benéfico. Segui em direção ao coelho, mas novamente a energia canalizada pela multidão de corredores, a música, a temperatura agradável e o Pão de Açúcar para inspirar me fez apertar o ritmo. Criei coragem e segui atrás do coelho do pace de 5'30". O primeiro quilômetro fechei com 5'27" e a pulsação em pouco menos de 80% da FCM. Ao final do segundo quilômetro o tempo era praticamente o mesmo, mas estava em 85% da FCM, mas me sentia bem como na semana passada. Decidi que manteria o ritmo e tomaria cuidado para não ultrapassá-lo, pois ele já estava além do planejado. Fiquei tranquilo ao perceber que haviam postos de hidratação a cada 2K, pois a temperatura começava a subir rapidamente. Céu azul e sol na moleira.

Cheguei ao retorno da Praia de Botafogo tranquilo e surpreso ao perceber que completara o trecho em 2744. Como assim? Fazer 10K em menos de uma hora não era previsto! Fiquei animado, mas próximo do sexto quilômetro as coisas complicaram um pouco. A fadiga se tornou presente no trecho de subida do curvão da Glória.

Nova marca. Por sorte alcancei no sexto quilômetro o terceiro posto de hidratação. Dois goles e o resto na cabeça e braços para refrescar e um novo recorde pessoal, 33'28", superando os 35'17" da semana passada. Fadiga. Olhei para o Pão de Açúcar para me destrair, depois para as árvores na margem do aterro e para Niterói bem ao fundo. Fadiga, mas avistei a placa de 7K completos e alcançava os andarilhos da prova de 5K. Ainda dava para terminar a prova abaixo de 1h e tentei manter o ritmo. Foi respirar fundo e seguir para um último banho no posto de hidratação do oitavo quilômetro. O monitor cardíaco piscando desesperadamente em 90% da FCM incomodava, mas eu sabia que era o cansaço, pois não apertei o passo. Já avistava o pórtico da chegada quando meu compadre Gláucio tirou uma foto. Preciso voltar aqui para falar com ele depois.

Linha de chegada. O relógio marcava 57'51" extraoficialmente. Inacreditável, pois a previsão era fazer 1h15'. Muito bom. Quatro meses de treinamento (completados hoje) e um pace abaixo de 6'/Km. Da zona de chegada segui para os estandes, entreguei o chip para ganhar algo para beber, uma fruta, uma medalha e uma toalha, que minha esposa vai adorar. Passei no clube O2 para pegar algo mais para beber e comer (to pagando!) e fui em busca do Gláucio. A esposa dele também correr e consegui completar a prova em menos de 1h. Todos felizes, tiramos algumas fotos antes de entrar no carro e seguir para casa orgulhoso de mais um desafio vencido.

O inesperado. Já em casa, de banho tomado, brincando com o rebento, recebo um torpedo informando meu tempo oficial de 57'46". Fascinado, fui ao site para verificar se havia algo mais e encontrei meu pace em 5'46", que fiz os primeiros 5K em 28'08" e outros detalhes sobre colocação.

Sempre é possível fazer melhor. Acho que os organizadores deveriam se preocupar em promover os estacionamentos para aqueles, que como eu, pagariam pela segurança do veículo a confiar nos vigias ilegais. Ele (o vigia), inclusive, não estava lá quando retornei da prova. Meu amigo Carlos me informou que existem dois estacionamentos próximos ao MAC. Vou procurar saber e passo para vocês antes do próximo evento.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…