Pular para o conteúdo principal

Os 6 Km da Family Run

Family Run. Eram mais ou menos sete da manhã, quando consegui parar o carro próximo do Largo do Machado. O tempo estava nublado, meio feio, mas a temperatura era mais que ideal para quem iria correr. Estava a pouco menos de 1 Km da largada, ótimo para um trote e esticar o corpo. As pessoas estavam chegando, de todas as idades, tamanhos, estados e países. Sim, haviam muitos turistas na prova de 6 Km também. Um canadense com um chapéu com bandeiras de sua pátria chamava a atenção alguns metros a minha frente, enquanto alguém falava espanhol nos arredores. E para não quebrar a tradição esbarrei com um velho amigo. Carlos foi um companheiro de trabalho quando fui residente em uma empresa há alguns anos. Corredor, desde janeiro, meu velho amigo disse que participa de todas as provas possíveis com um ar de muito satisfeito e com sete quilos a menos desde que iniciou os treinos.
Para fazer o tempo passar e preparar o corpo para prova fomos para um trote de 10’, enquanto mais gente continuava a chegar. Disse para ele que iria corredor para 42’, mas ele me garantiu que faria menos. Treino é treino, prova é prova e ele estava certo. A largada parecia um estouro de uma manada e foi ali na largada que nos perdemos após dois caras saírem atropelando todo mundo (como foi dito na Runners como as 10 coisas que não devem ser feitas por um corredor). Alguns correndo muito, outros menos e uns desavisados andando a frente de milhares que vinham atrás e eu entre eles! Os primeiros 500 metros mais pareceram uma corrida de obstáculos, mas depois a coisa começou a engrenar. Fora do pelotão da caminhada foi possível estabelecer um padrão de corrida.

A corrida. Tentei me concentrar ao monitor cardíaco e não me empolgar, mantendo o ritmo a 80% da FCM. A cada passada a multidão ficava para trás e passei a contar as pessoas na ordem das dezenas ao meu redor. Quando alcançei o primeiro posto de hidratação no segundo quilômetro a situação para correr já estava resolvida. Meio copo d’agua para dentro e vamos em frente. Antes de alcançar a metade do percurso o monitor cardíaco começara a apitar sem parar. Treco chato. Eu estava bem e ele teimava em me avisar que estava acima do delimitado. Tentei ignorá-lo prestando atenção a música que eu ouvia na rádio, mas a consciência me lembrava das 10 coisas que não devem ser feitas por um corredor. Acabei esquecendo o bip ligado. Na próxima não esqueço. Falando do monitor, percebi que mantive o ritmo em 160 bpm. Algumas pessoas me passavam, outras me cercavam e outras ficavam para trás. Eu estava correndo em 88% da FCM, mas eu estava bem. A passagem pelo posto de hidratação do quarto quilômetro serviu para molhar a cabeça e continuei sem problemas até a chegada com fôlego para mais alguns quilômetros. Após a chegada continuei andando mais um tempo para uma desaceleração salutar. Depois removi o chip do tênis e fui pegar minha medalha e o lanche pós prova. Acho que os 10 km da Corrida das Estações na próxima semana não serão tão duros.

Desempenho. Marquei 35'22" no meu monitor cardíaco para concluir os 6K. Para minha surpresa corri 5’54’’/K. Para quem achava que iria correr 7’/K fui muito além do esperado. Não foi de graça. Ontem fui dormir por volta das dez da noite para tentar vencer o cansaço acumulado da semana. Outro fator importante foi o alongamento. Procurei me alongar mais vezes desde o último treino. Corri mais solto e sem algumas dores musculares que vinham me incomodando recentemente. Por último o fator evento. É interessante como o estar naquele ambiente, com milhares de pessoas, árbitros para monitorar a prova, mídia, música, estandes nos impulsiona, nos faz superar nossos limites. O resultado oficial da corrida sai nas próximas 72 horas.
Como disse meu amigo Carlos: treino é treino, corrida é corrida. A energia é maior do que eu pensava existir.

Comentários

  1. Show meu camarada e parabéns, nossa foto ficou show, estou ja em Porto Alegre, vou ver se treino algum dia por aqui, ta um frio do cacete ahahaha domingo nos vemos de novo no Circuito Adidas, belo tempo o seu.

    []s

    Carlos Ferreira

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…