Pular para o conteúdo principal

300 km depois...

Comemorar e seguir em frente. Iniciei esta semana a terceira fase do treinamento. Depois de cumprir com a planilha Sedentários e Eternos Iniciantes e a 10K por diversão, construi a terceira planilha baseando-me nas informações que consegui no RW RESPONDE com o Mário Sérgio Andrade, diretor técnico da assessoria esportiva Run&Fun e colunista e consultor da RUNNER’S WORLD. Continuarei treinando três vezes na semana até a próxima etapa do Circuito das Estações Adidas Primavera. A 3ª Etapa do Circuito Athenas está me chamando, mas não sei se terei condições de participar dela.
A primeira ladeira a gente não esquece. Ontem inspirado em minha mãe, que faz caminhada quase que diariamente, resolvi mudar meu percurso. Sabendo que teria uns 8K pela frente preferi fazer Icaraí/Cantareira, ao invés do tradicional vai e vém entre Icaraí/Ingá. Só tinha um detalhe nada pequeno no meio do caminho: a subida do MAC. Segui aos ensinamentos Capitão Ladeira (Runners, edição 17) e consegui subir, mas com a dificuldade de iniciante. Cheguei a 96% da FCM no alto da ladeira e como a descida vem em seguida deu para respirar. A vontade foi de parar, mas resisti e segui em frente. O visual ajudou um bocado. Com o Redentor a torcer por mim e assistindo aos aviões subirem e descerem no Aeroporto Santos Dumont rapidamente retomei as passadas e segui até a Cantareira. A volta não foi diferente. A subida foi igualmente terrível, mas tive torcida para concluir o desasfio. Como estava correndo com a camisa do Circuito das Estações Adidas (linda por sinal) no meio da subida eu ouvi um "Eu também estive lá no domingo! Vai nessa!". Um sorriso, um sinal com a mão e segui em frente. A corrida de rua realmente é um mundo neste mundo. Os 45' de treino renderam aproximadamente 7K. Mais o TR para aquecimento e a CA para desaceleração, deu um total de 10K no treino de hoje. O pace foi de 6'25". Segundo o método de avaliação da Runners 21, ganhei o conceito bom para meu preparo. Estou no caminho certo.

Corrida das Estações Adidas - Inverno 2010. O Kit da Adidas é algo realmente impressionante. Bonito e de altíssima qualidade. A organizaação está de parabéns por promover um evento ímpar na modalidade.

Ler para evitar lesões. Totalmente possuído pelo espírito do corredor e sabedor de que arrumei uma atividade física extremamente adaptável a um estilo de vida com pouco tempo livre, comecei a buscar as peculiaridades sobre o cotidiano de quem pratica este esporte a sério. Uma delas é a musculação para fortalecer joelhos, tornozelos e evitar contusões; a segunda é o alongamento, assunto polêmico; e em terceiro o aquecimento.
Musculação. Como falar bem da musculação se comecei a correr para ficar ao ar livre? Tentarei dar atenção ao gêmio do bem* e lembrar que o exercício localizado previnirá lesões e ajudará a ganhar velocidade. Mas procuro informações sobre exercício funcional, uma forma alternativa de trabalhar os músculos e possivelmente sem precisar se trancar em uma academia. A Runners, edição 21, trata do assunto em uma matéria de título A prova dos 9.
Alongamento. Na coluna pronto-socorro da Runners, edição 17, fui apresentado ao alongamento dinâmico. Achei interessante e diferente. Existe uma vertente que não recomenda o alongamento estático (o tradicional puxa e segura por 30") antes dos treinos, pois acreditam haver comprometimento do desempenho. Em compensação, acebei de ver uma
Aquecimento. Quando você começar a correr perceberá a importância do trote. No meu caso foi uma situação no mínimo curiosa. Eu me preparei para um treino de 40' em CM (corrida moderada; 75-85% da FCM), mas fiz um aquecimento com trote muito lento. A BPM não chegou a 65% da FCM, logo o corpo não "acordou". Tive dificuldades nos dois primeiros quilômetros, até que o corpo entrou no ritmo desejado. O sinistro foi justamente o oposto do ocorrido no domingo passado na Family Run, quando regulei o aquecimento de 10' a 70% da FCM e fiz uma prova além do esperado.

Eu e meu tênis. No início do mês eu mencionei um possível desgate fora do normal no meu Mizuno Wave Creation 10 e enviei um email para a Alpargatas. Sabe o que aconteceu? Eles me responderam. Solicitaram que eu entrasse em contato através do canal de atendimento ao consumidor para abertura de ocorrência. Ao informar minha impressão sobre o tênis, eles me informaram existir a possibilidade de avaliação do tênis diretamente na Fábrica. A postagem inclusive seria por conta deles e meu único incomodo seria ficar sem o tênis pelos próximos 40 dias. Tempo de ir ver e retornar. Preferi pecar pelo excesso e enviei o tênis para análise.

Gêmio do bem. É um termo do livro O trabalho seria ótimo se não fossem.. as pessoas de Lichtenberg e Stone. É um livro sobre a vida no ambiente corporativo. Vale a leitura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…